Caracterização do Perfil de Uma Amostra de Usuários de um Serviço de Saúde do Adolescente / Characterization of the Profile of a Sample of Users of an Adolescent Healt Service

Authors

  • Grazielle Ribeiro Novais Zanuto Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Antônio de Pádua Serafim
  • Elaine Cristina Catão
  • Juliana Kessar Cordoni Drummond
  • Lígia de Fátima Nobrega Reato

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-121

Keywords:

Adolescência, Promoção de Saúde, Saúde do adolescente.

Abstract

Atender bem à população adolescente implica em gerar uma nova geração de indivíduos sadios, física e psicologicamente, e bem integrados em sua sociedade. Nesse sentido, o presente estudo teve como objetivo descrever o perfil de usuários de um serviço de saúde do adolescente. A pesquisa foi realizada no Centro de Referência Adolescente-Cidadão Esperança, sede do Instituto de Hebiatria do Centro Universitário Saúde ABC na cidade de Sandro André, SP. A amostra foi composta por 40 adolescentes do sexo masculino e feminino entre 12 e 18 anos. Para a coleta de dados, foram utilizados um teste expressivo que avalia aspectos da personalidade, as Pirâmides Coloridas de Pfister, e a Análise Documental das anamneses médicas. A fim de caracterizar o perfil geral dos resultados do teste de Pfister, foram consideradas as seguintes variáveis: uso das cores e o aspecto formal, analisadas conforme proposto por Villemor-Amaral. A partir da análise interpretativa, buscou-se explicitar os resultados mais frequentes no grupo de adolescentes avaliados. Assim, foi possível evidenciar uma afetividade mais estimulada, que leva a inferir um comportamento compatível com as emoções mais fortes, impactantes, com conotações ambivalentes, associadas a impulsividade e irritabilidade; houve indicadores de capacidade de controle e regulação dos afetos. Os resultados revelaram indicadores de uma personalidade ainda em formação, com pouca maturidade em relação às emoções e às defesas psíquicas, característica frequente em adolescentes. Os dados coletados na análise documental apontam que 25% das queixas médicas referem-se à obesidade, seguido de tristeza em 22,5% e alteração do comportamento em 17,5%; Entre os principais motivos de encaminhamento para a psicologia 30% referem-se à hipótese de depressão, 20% de ansiedade e 15% de alteração da dinâmica familiar. A importância da promoção e manutenção da saúde nos diversos espaços sociais, de forma integral, de modo a contribuir com o processo evolutivo da adolescência, nos aspectos físico, psicológico e social foi notória.

References

ABAD, M. Las políticas de juventud desde la perspectiva de la relación entre convivencia, ciudadanía y nueva condición juvenil. Última década, v.10, n.16, p. 117-152, 2002. Disponível em: https://dx.doi.org/10.4067/S0718-22362002000100005

ADIB, S. A. Evidências de Validade do Teste de Pfister Para Indicadores de Sintomas de Depressão em Adolescentes. (Dissertação de Mestrado). Universidade São Francisco: Itatiba, SP, Brasil, 2008.

ABERASTURY, A.; KNOBEL, M. Adolescência Normal: Um enfoque psicanalítico. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989 (original de 1970).

APA – American Psychiatric Association. DSM-V: Manual de Diagnóstico e Estatístico das Transtornos Mentais, 2014.

BARROSO, J. B. Teste das pirâmides coloridas de Pfister: estudo normativo com crianças e adolescentes com crianças de 12 a 14 anos. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós Graduação em Psicologia, Universidade de São Paulo: Ribeirão Preto, 2013. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-08102013-155848/publico/MESTRADO_JOANA_BRASILEIRO_BARROSO.pdf

BRASIL. Marco legal: saúde, um direito de adolescentes. Secretaria de Atenção à Saúde. Área de Saúde do Adolescente e do Jovem. Brasília. Ministério da Saúde, 2005. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/editora/produtos/livros/pdf/05_0 011_M.pdf.

BRASIL. Lei n. 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do

Adolescente e dá outras providências. São Paulo: 2008.

BURKITT, E.; TALA, K.; LOW, J. As cores das crianças finlandesas e inglesas usam para representar figuras afetivamente caracterizadas. Jornal Internacional de Desenvolvimento Comportamental, v.31, n.1, p. 59-64, 2007.

CAETANO, S. C.; BOARATI, M. A. Transtornos de humor. In: POLANCZYK, G. V.; LAMBERT, M. T. M. R. (Orgs.). Psiquiatria da infância e adolescência. São Paulo: Monole, p. 163-173, 2012.

CAPITÃO, C. G.; LOPES, F.; SILVA, M. A.; ADIB, S. A. O teste de Pfister e indicadores de depressão em adolescentes. Encontro: Revista de Psicologia. v.15, n. 23, p. 59-72, 2012.

CARDOSO, C. P.; COCCO, M. I. M. Projeto de vida de um grupo de adolescentes a luz de Paulo Freire. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.11, n.06, p. 778-785, 2003.

CRESPIN, J. Breve História da Medicina da Adolescência. In: CRESPIN, J.; REATO, L. F. N. (Orgs.) Hebiatria: Medicina da Adolescência. São Paulo: Roca. p. 314-318, 2007.

DUMAS, J. E. Psicopatologia da Infância e Adolescência. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FARAH, F. H. Z. Evidências de Validade e precisão no Teste de Pfister para crianças de 6 a 10 anos. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Universidade São Francisco: Itatiba, 2010.

FERNADES, E. C. Transtorno disruptivo do controle do impulso e de conduta. In: REATO, L. F. N.; AZEVEDO, A. E. B. I. (Orgs.). Manual de Adolescência. Barueri (SP): Artmed. p. 143-154, 2019.

UNICEF – Fundo das Nações Unidas para a Infância. Bem-estar e privações múltiplas na infância e na adolescência no Brasil, 2018. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/media/2061/file/Bemestar-e-privacoes-multiplas-na-infancia-e-na-adolescencia-no-Brasil.pdf

HELLER, E. A Psicologia das Cores: Como as cores afetam a emoção e a razão. São Paulo: Gustavo Gili, 2013.

HULBERT, A. C.; LING, Y. Biological componentes o sex diferences in Collor preference. Current Biology, v.17, n.16, p. 623-625, 2007.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse dos resultados do Censo 2010, 2012. Recuperado de http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/webservice/

KAYA, N.; EPPS, H. H. Relationship between color and emotion: A study of college students. College Student Journal, v. 38, n. 3, p. 396-405, 2004.

KOVÁCS, M. J. Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992.

LIN, H. Y.; HUANG, C. K.; TAI, C. M.; KAO Y. H.; TSAI, C. C. et al. Psychiatric disorders of patients seeking obesity treatment. BMC Psychiatry. v. 13, n.1, 2013

LICHTENFELD, S.; ELLIOT, A. J.; MAIER, M. A.; PEKRUN, R. Fertile green: green facilitates creative performance. Pers Soc Psychol Bull. v.38, n.6, p. 784?797, 2012.

LOPES, C. S.; AZEVEDO, A. G.; DOS SANTOS, D. F.; MENEZES, P. R.; DE CARVALHO, K. M. B., DE FREITAS, C. C. et al. ERICA: Prevalence of common mental disorders in Brazilian adolescents. Rev Saude Publica. v.50, n.1, p.1–9, 2016.

MOLLER, A. C.; ELLIOT, A. J.; MAIER, M. A. Basic hue-meaning associations. Emotion. v. 9, n. 6, p. 898?902, 2009.

MOYSÉS, M. A. A.; COLLARES, C. A. L. Sobre as diferenças, desigualdades, direitos: raízes da patologização da vida. In SURJUS, L. T. L. S.; MOYSÉS, M. A. A. (Orgs.). Saúde Mental Infantojuvenil: Territórios, políticas e clínicas de resistência. Santos: Unifesp/ Abrasme. p.13-27, 2019. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5779:folha-informativa-saude-mental-dos-adolescentes&Itemid=839

OMS – Organización Mundial de La Salud. (2014). Salud para los adolescentes del mundo. Recuperado de http://apps.who.int/adolescent/seconddecade/files/WHO_FWC_MCA_14.05_spa.pdf?ua=1&ua=1

PALEMER, S. E.; SCHLOSS, K. B. An ecological valence theory of human color preference. Psychological and Cognitive Sciencies, v.107, n.19. p. 8877- 8882, 2010.

REATO, L. F. N.; AZEVEDO, A. E. B. I. Puericultura na Adolescência. In: REATO, L. F. N.; AZEVEDO, A. E. B. I. (Orgs.). Manual de Adolescência. Barueri (SP): Artmed. p. 07-16, 2019.

RIBEIRO, I. B. S.; CORREA, M. M.; OLIVEIRA, G.; CADE, N. V. Transtorno Mental Comum e Condição Socioeconômica em Adolescentes do Erica. Revista de Saúde Pública; v.54, n.4, 2020.

ROCHA, A. P. R.; GARCIA, C. A. A adolescência como ideal cultural contemporâneo. In Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 28, n. 3, p. 622-631, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932008000300014&lng=en&nrm=iso

RUSCHENA, E.; PRIOR, M.; SANSON, A.; SMART, D. A longitudinal study of adolescent adjustment following family transitions. Journal of Child Psychology and Psychiatry: Association for Child Psychology and Psychiatry, v.46, p. 353-363, 2005.

SAITO, M. I. Síndrome da Adolescência Normal: Interface com a patologia. In: SAITO, M. I.; SILVA, L. E. V.; LEAL, M. M. (Orgs.). Adolescência, prevenção e risco. 3ª edição. São Paulo: Atheneu, 2014.

SALUM JUNIOR, G. A.; ALVARENGA, P. G.; MANFRO, G. G. In: POLANCZYK, G. V.; LAMBERT, M. T. M. R. (Orgs.). Psiquiatria da infância e adolescência. São Paulo: Monole, p. 193-209, 2012.

SIMON G. E.; VON KORFF, M.; SAUNDERS, K.; MIGLIORETTI, D. L.; CRANE, P. K.; VAN BELLE, G. et al. (2006). Association between obesity and psychiatric disorders in the US adult population. Arch Gen Psychiatry. v.63, n.7, p.824 - 830, 2006. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1001/archpsyc.63.7.824>

VINCENTIN, M. C. G. Criançar o descriançável. In: Caderno de debates do NAAPA: questões do cotidiano escolar. São Paulo: SME / COPED, 2016. Disponível em: <http://portal.sme. prefeitura.sp.gov.br/Portals/1/Files/27154.pdf>

VILLEMOR-AMARAL, A. E. As Pirâmides Coloridas de Pfister. São Paulo: Cento Editor de Testes e Pesquisa em Psicologia, 2005.

VILLEMOR-AMARAL, A. E. As Pirâmides Coloridas de Pfister: versão para crianças e adolescentes. São Paulo: Pearson Clinical Brasil, 2018.

WEFFORT, V. R. S. Sobrepeso, Obesidade e Síndrome Metabólica. In: REATO, L. F. N.; AZEVEDO, A. E. B. I. (Orgs.). Manual de Adolescência. Barueri (SP): Artmed. p. 143-154, 2019.

Published

2021-03-15

Issue

Section

Original Papers