Importância do diagnóstico precoce e o acesso ao rastreamento do câncer de mama por mulheres da zona rural da região nordeste do Brasil/ Importance of early diagnosis and access to breast cancer tracking by women in the rural area of the northeast region of Brazil

Authors

  • Caio Ferreira Filgueiras de Souza
  • Isabella Juliana Silva Nascimento
  • Nathália Ferreira Carvalho
  • Alícia Nathália Terra Perígolo Oliveira
  • Welsher Braga Ribeiro Chaves
  • Pedro Henrique Sulz Marx
  • Luiz Eduardo Canton Santos

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-125

Keywords:

Atenção Integral à Saúde da Mulher, câncer de mama, rastreamento, zona rural, mulher, atenção primária à saúde.

Abstract

Introdução: O câncer de mama é uma neoplasia com alta incidência e prevalência no Brasil e no mundo, sendo a principal causa de morte de mulheres no Brasil, com exceção aos cânceres não melanomas. O acesso ao rastreamento do câncer de mama como forma de prevenção e diagnóstico precoce é essencial, com o propósito de instituir políticas para se obter uma diminuição da morbidade e mortalidade por essa neoplasia na região Nordeste. Objetivos: Demonstrar a importância do diagnóstico precoce do Câncer de Mama por meio da realização dos exames de rastreamento, e evidenciar as causas que afastam mulheres do mesmo de modo a modificar essa problemática. Metodologia: Para realização deste trabalho foi utilizado um estudo ecológico de uma população específica: mulheres da zona rural da região nordeste do Brasil. Foram coletados dados de estimativa de câncer de mama para 2020; distribuição percentual da população residente, por Grandes Regiões, a partir dos 40 anos; distribuição da população por sexo a partir dos 40 anos na região Nordeste; os fatores relacionados a não realização de exames de rastreio para câncer de mama por mulheres; taxa de analfabetismo para as Grandes Regiões; taxa de analfabetismo para mulheres com 15 ou mais, segundo o sexo, na região Nordeste, e renda per capita no municípios nordestinos. Resultados: Foi encontrado um risco estimado para câncer de mama de 44,29 por 100 mil habitantes na região Nordeste; na região Nordeste 23% de indivíduos com 40 anos ou mais, e 13,4% com 60 anos ou mais; distribuição da população por sexo, segundo os grupos de idade na região Nordeste, homens e mulheres, respectivamente, a partir dos 40 anos, 7.453.510/8.618.118. Fatores associados à não realização de exames de rastreamento: (1) acesso ao sistema de saúde; (2) desigualdades relacionadas ao gênero e trabalho; (3) grandes distâncias entre as residências e os serviços de saúde; (4) idade avançada; (5) nível de escolaridade. Para taxa de analfabetismo, foi encontrado 16,2% em 2015, sendo que 14,5% das mulheres de 15 anos ou mais de idade eram analfabetas. Conclusão: Diante dos fatos encontrados, vários fatores distanciam essa população do acesso aos exames de rastreamento. Devido a estes fatores se observa a importância da ampliação dos serviços de saúde como forma de modificar as suas condições, garantindo assim que as dificuldades de acesso ao exame de rastreamento possam ser superadas, fazendo-se valer os princípios de integralidade, equidade e universalidade do Sistema Único de Saúde.

References

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA/ MINISTÉRIO DA SAÚDE. Estimativa 2020: Incidência de Câncer no Brasil [livro online]. Rio de Janeiro, 2020. [acesso em 05 jun 2020]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA/ MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes para a Detecção Precoce do Câncer de Mama no Brasil. Rio de Janeiro, 2015. [acesso em 10 jun 2020]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/publicacoes/livros/diretrizes-para-deteccao-precoce-do-cancer-de-mama-no-brasil

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Atenção Primária / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010.

BARBOSA, Y.C., OLIVEIRA, A.G.C., RABÊLO, P. P. C., SILVA, F.S.S., SANTOS, A.M. Fatores associados à não realização de mamografia: Pesquisa Nacional de Saúde. Revista Brasileira de Epidemiologia [online]. 2013; v. 22: 1-13.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher / Ministério da Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília :Ministério da Saúde, 2004.

MINISTÉRIO DA SAÚDE/SECRETARIA DE ATENÇÃO BÁSICA. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Princípios e Diretrizes [livro online]. Brasília, 2004. [acesso em 10 jun 2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_atencao_mulher.pdf.

INSTITUTO NACIONAL DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro; 2018. [acesso em 10 jun 2020]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101629.pdf.

Viacava F, Bellido JG. Condições de saúde, acesso a serviços e fontes de pagamento, segundo inquéritos domiciliares. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; vol. 21: 1-24.

Antunes JLF. Desigualdades em saúde: Entrevista com Nancy Krieger. Tempo Soc. [Internet]. 1 de junho de 2015 [citado 11 de junho de 2020];27(1):177-94. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ts/article/view/103360Autor/es.

SANTOS, L.A. MULHER CAMPONESA: UMA LUTA POR VISIBILIDADE E DIREITOS NO MEIO RURAL. Goianésia: Faculdade Evangélica de

Goianésia; 2019.

Soares S, Ribeiro LC. COMPARAÇÃO E MAPEAMENTO DO RENDIMENTO PRINCIPAL. 2019. Revista Multidisciplinar. Humanidades & Tecnologias. Ano XIV; vol 20.

Goldman Rosely Erlach, Figueiredo Elisabeth Niglio, Fustinoni Suzete Maria, Souza Káren Mendes Jorge de, Almeida Ana Maria de, Gutiérrez Maria Gaby Rivero de. Brazilian Breast Cancer Care Network: the perspective of health managers. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2019 Feb [cited 2020 Nov 22]; 72(Suppl 1):274-281. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672019000700274&lng=en. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0479.

Cunha GN, Vianna MM, Mosegui GBG, Silva MPR, Jardim FN. Rastreamento do câncer de mama: modelo de melhoria do acesso pelo uso de mamógrafos móveis. Rev Panam Salud Publica. 2019;43: e19. https://doi.org/10.26633/RPSP.2019.19

Lima BM. Desigualdades em saúde: uma perspectiva global. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. Julho de 2017 [citado em 22 de novembro de 2020]; 22 (7): 2097-2108. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017002702097&lng=en. https://doi.org/10.1590/1413-81232017227.02742017.

Gonzaga CMR, Freitas-Junior R., Souza MR, Curado MP, Freitas NMA. Disparities in female breast cancer mortality rates between urban centers and rural areas of Brazil: Ecological time-series study. Breast [Internet]. 2014;23(2):180–7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.breast.2014.01.006

Graells-Sans A, Serral G, Puigpinós-Riera R. Social inequalities in quality of life in a cohort of women diagnosed with breast cancer in Barcelona (DAMA Cohort). Cancer Epidemiol [Internet]. 2018;54(March):38–47. Available from: https://doi.org/10.1016/j.canep.2018.03.007

Kroenke CH, Kubzansky LD, Schernhammer ES, Holmes MD, Kawachi I. Social networks, social support, and survival after breast cancer diagnosis. J Clin Oncol. 2006;24(7):1105–11. Available from: https://doi.org/10.1200/JCO.2005.04.2846.

Spada FC, Pires KG, Costa LO, Figueiredo SBC. Fatores de risco e prevenção do câncer de mama risk factors and prevention of. 02:135–45

Published

2021-03-15

Issue

Section

Original Papers