Satisfação no trabalho e estresse percebido do teletrabalho no Brasil / Satisfaction at work and perceived stress of home office in Brazil

Authors

  • Sérgio Rodrigues Pimentel Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Diego Jacob Kurtz

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-134

Keywords:

Teletrabalho, Home Office, Estresse no Trabalho, Satisfação no Trabalho, COVID-19.

Abstract

Este trabalho tem o objetivo de analisar a satisfação com o trabalho e o estresse percebido no trabalho verificando as diferenças entre as modalidades de trabalho presencial e teletrabalho em diferentes dados demográficos. As medidas de distânciamento social impostas pela pandemia da COVID-19 aceleraram as implantações ou expansões da modalidade de teletrabalho podendo impactar a satisfação com o trabalho ou o estresse percebido no ambiente de trabalho. A pesquisa ocorreu através de levantamento com abordagem quantitativa. Foi aplicado o questionário Satisfação no Trabalho S20/23 que mensura a satisfação com o ambiente físico, com as relações hierárquicas e a satisfação intrínseca do trabalho. O estresse percebido com o trabalho foi mensurado pelo questionário Job Stress Scale que através da demanda, da capacidade de solucionar os problemas e do apoio social classifica a situação de estresse dos participantes da pesquisa. Participaram do estudo 361 respondentes. Pelas conclusões deste estudo o teletrabalho se apresenta como modalidade que proporciona ganhos para as empresas brasileiras, com possibilidade de oferta de melhores serviços públicos à população brasileira, sem prejuízos para a satisfação com o trabalho e apresentando níveis gerais de estresse com o trabalho mais positivos para a maior parte dos teletrabalhadores. Recomenda-se estudos para redução do estresse no gênero feminino, nos cargos de alta administração e no setor privado além de avaliações sobre produtividade para propor ações que tornem a modalidade de teletrabalho cada vez mais benéfica aos trabalhadores, à família, às empresas e à sociedade.

 

References

Alves, M. G. M. et al. Versão resumida da" job stress scale": adaptação para o português. Revista de Saúde Pública, v. 38, p. 164-171, 2004

Araújo, T. M. D., Graça, C. C.;Araújo, E. (2003). Estresse ocupacional e saúde: contribuições do Modelo Demanda-Controle. Ciência & Saúde Coletiva, 8, 991-1003

Barros, A. M.; Silva, J. R. G. (2010). Percepções dos Indivíduos sobre as consequências do teletrabalho na configuração home-office: estudo de caso na Shell Brasil. FGV, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Brocchi, P. M. L. P. (2017). Saúde Ocupacional em Oncologia: Um Estudo Sobre Estresse, Enfrentamento e Resiliência. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, DF, Brasil

Carlotto, M. S.; Câmara, S. G. Propriedades psicométricas do Questionário de Satisfação no Trabalho (S20/23). Psico-USF, v. 13, n. 2, p. 203-210, 2008

Ferreira, J. A.; Fernandes, R.; santos, E. R.; Peiró, J. M. Contributo para o estudo psicométrico da versão portuguesa do Cuestionario de Satisfacción Laboral S20/23. Psychologica, 2010,52 – Vol II, 7-34, Universidade de Coimbra. http://hdl.handle.net/10400.19/1565

França, A. C. L.; Rodrigues A. L. (2019). Stress e Trabalho: Uma Abordagem Psicossomática. São Paulo, SP: Atlas

Marqueze, E. C. ; Moreno, C. R. C. Satisfação no trabalho - uma breve revisão. Rev. bras. saúde ocup., São Paulo , v. 30, n. 112, p. 69-79, Dec. 2005 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0303-76572005000200007&lng=en&nrm=iso>. access on 25 June 2020. https://doi.org/10.1590/S0303-76572005000200007

Martinez, M.; Paraguay, A. (2003). Satisfação e saúde no trabalho: aspectos conceituais e metodológicos. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 6, 59-78. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v6i0p59-78

Pinheiro, G. D. A., Luna, G. I., Dos Santos, R. A. C., Pimentel, S. F. P., & Varão, A. C. (2020). Estresse percebido durante período de distanciamento social: diferenças entre sexo. Brazilian Journal of Health Review, 3(4), 10470-10486

Rodrigues, A. C. B. (2011). Teletrabalho: A Tecnologia Transformando as Relações de Trabalho. USP. São Paulo, São Paulo, Brasil

Saane, N. V., Sluiter, J. K., Verbeek, J. H. A. M., & Frings?Dresen, M. H. W. (2003). Reliability and validity of instruments measuring job satisfaction—a systematic review. Occupational medicine, 53(3), 191-200

Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades- SOBRATT. Estudo Home Office novembro de 2018. Recuperado em 21 de junho de 2020 de http://www.sobratt.org.br/site2015/wp-content/uploads/2018/12/pesquisa-sap-2018-completa.pdf

Thom, J. B. S. (2017). A Regulamentação do Teletrabalho no Brasil e a Reforma Trabalhista. Unicesumar, Maringá, Paraná, Brasil

Wecki, A. (2015). Taw: o modelo de Karasek e a mediação pelo engagement como forma de prever o bem-estar. Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Published

2021-03-17

Issue

Section

Original Papers