Interações medicamentosas em unidades de terapia intensiva do Brasil: Revisão integrativa/ Drug interactions in intensive care units in Brazil: Integrative review

Authors

  • Lucas Henrique de Souza Teixeira
  • Michele de Paula Maximo
  • André Roberto Machado Vieira
  • Laryssa Nathany Ferreira Souza
  • Aline Desidério Batista
  • Carla Soares Maximo Fonseca

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-314

Keywords:

Interação medicamentosa. Assistência farmacêutica. Unidade de terapia intensiva.

Abstract

A interação medicamentosa é a modificação, aumento ou diminuição do efeito de um fármaco diante de sua administração com outro fármaco. No ambiente de unidade de terapia intensiva (UTI) se faz necessário significante uso de medicamentos que podem propiciar eventos adversos como aqueles referentes aos resultados de potenciais interações fármaco-fármaco (pIFFs). Desta forma, o presente estudo tem como objetivo avaliar as características associadas às pIFFs em pacientes internados em UTIs do Brasil. Para isso, conduziu-se uma revisão integrativa nas bases de dados da Lilacs e Medline, onde se selecionou artigos científicos publicados nos anos de 2010 a 2020. Ao final da busca na literatura, foram incluídos oito artigos nesta revisão integrativa. O número de pacientes analisados nos estudos variou de 59 a 1124, atendidos por diferentes UTIs brasileiras. A idade média variou de 50 a 61 anos e houve maior predominância de indivíduos do sexo masculino. A prevalência de pIFFs foi alta na maior parte da literatura analisada. A interação de severidade moderada foi a mais encontrada e três estudos encontraram contraindicações nas prescrições analisadas. O fator mais associado às pIFFs foi o número de medicamentos. O par de interações mais encontrado foi o relacionado ao Fentanil e Midazolam. Conclui-se que os dados, ainda que extraídos de fontes heterogêneas, permitem a detecção das características associadas à problemática que envolve as pIFFs em UTIs.

References

ARANAZ-ANDRÉS, J. M. et al. Prevalence of adverse events in the hospitals of five Latin American countries: results of the ‘Iberoamerican study of adverse events’(IBEAS). BMJ Qual Saf, v. 20, n. 12, p. 1043-1051, 2011.

CARVALHO, Rhanna Emanuela Fontenele Lima de et al. Prevalência de interações medicamentosas em unidades de terapia intensiva no Brasil. Acta Paulista de Enfermagem, v. 26, n. 2, p. 150-157, 2013.

CARVALHO, Aline Reis de; SILVA, Trajano Felipe Barrabas Xavier da. Interações Medicamentosas no Âmbito Hospitalar e a Atuação do Farmacêutico nesse Cenário. Revista Saúde e Desenvolvimento, v. 12, n. 13, p. 84-101, 2019.

CORTES, Ana Laura Biral; SILVINO, Zenith Rosa. Fatores associados a interações medicamentosas potenciais em um Centro de Terapia Intensiva: estudo transversal. Escola Anna Nery, v. 23, n. 3, 2019.

FITZMAURICE, Mary Grace et al. Evaluation of Potential Drug–Drug Interactions in Adults in the Intensive Care Unit: A Systematic Review and Meta-Analysis. Drug safety, p. 1-10, 2019.

JANKOVI?, Slobodan M. et al. Risk factors for potential drug-drug interactions in intensive care unit patients. Journal of critical care, v. 43, p. 1-6, 2018.

HASNAIN, Hina et al. Incidence of drug interactions in intensive care units in tertiary care settings: Classification, facts and measures. Pakistan journal of pharmaceutical sciences, v. 31, 2018.

HOLLINGER, Alexa et al. Gender and survival of critically ill patients: results from the FROG-ICU study. Annals of intensive care, v. 9, n. 1, p. 43, 2019.

ISMAIL, Mohammad et al. Potential drug–drug interactions in medical intensive care unit of a tertiary care hospital in Pakistan. International journal of clinical pharmacy, v. 38, n. 5, p. 1052-1056, 2016.

MOREIRA, Érica Tavares et al. Perfil e gravidade dos pacientes admitidos em unidades de terapia intensiva: uma revisão de literatura. Caderno de Graduação: Ciências Biológicas e da Saúde, v. 1, n. 2, p. 45-52, 2013.

MOREIRA, Maiara Benevides et al. Potenciais interações de medicamentos intravenosos em terapia intensiva. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 51, 2017.

MOURA, Cristiano; PRADO, Nília; ACURCIO, Francisco. Potential drug-drug interactions associated with prolonged stays in the intensive care unit. Clinical drug investigation, v. 31, n. 5, p. 309-316, 2011.

PIERDEVARA, Ludmila et al. Trigger Tool na segurança do doente: uma revisão sistemática de literatura. Portuguese Journal of Public Health, v. 35, n. 2, p. 69-76, 2017.

REIS, Adriano Max Moreira; CASSIANI, Silvia Helena De Bortoli. Prevalence of potential drug interactions in patients in an intensive care unit of a university hospital in Brazil. Clinics, v. 66, n. 1, p. 9-15, 2011.

RODRIGUES, Aline Teotonio et al. Prevalence of potential drug-drug interactions in the intensive care unit of a Brazilian teaching hospital. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, v. 53, n. 1, 2017.

ROQUE, Keroulay Estebanez; TONINI, Teresa; MELO, Enirtes Caetano Prates. Eventos adversos na unidade de terapia intensiva: impacto na mortalidade e no tempo de internação em um estudo prospectivo. Cadernos de Saúde Pública, v. 32, p. 1-15, 2016.

SANTOS, Jackeline L.; SPALLA, Luana R.; CASTILHO, Selma R. Evaluation of potential drug interactions in hospital admission. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, v. 10, n. 1, p. 384-384, 2019.

SCRIGNOLI, Caroline Pina; TEIXEIRA, Vivian Cássia Miron Carolino; LEAL, Daniela Costa Prates. Interações medicamentosas entre drogas mais prescritas em unidade de terapia intensiva adulta. Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde, v. 7, n. 2, 2016.

SHAKEEL, Faisal et al. Epidemiology of potential drug-drug interactions in elderly population admitted to critical care units of Peshawar, Pakistan. BMC Pharmacology and Toxicology, v. 19, n. 1, p. 85, 2018.

SILVA, Ana Carolina de Souza et al. Acompanhamento farmacoterapêutico em unidade de terapia intensiva respiratória: descrição e análise de resultados. Einstein (São Paulo), v. 16, n. 2, 2018.

SILVA, Uriel Davi et al. Interações medicamentosas e consequentes intervenções farmacêuticas na Unidade de Terapia Intensiva de um hospital privado em Macapá, Amapá. Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, v. 6, n. 2, p. 29-37, 2018.

SOUZA, Júlia Silva e; DAMASCENA, Rodrigo Santos. Avaliação das interações medicamentosas potenciais no âmbito da UTI adulta. Id on line Revista multidisciplinar de psicologia, v. 12, n. 39, p. 1-24, 2018.

SOUZA, M. T.; SILVA, M. D.; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010; 8 (1): 102-6. Rev. Eletr. Enf.[Internet], v. 18, p. e1173, 2010.

VANHAM, Delphine et al. Drug-drug interactions in the intensive care unit: Do they really matter?. Journal of critical care, v. 38, p. 97-103, 2017.

VIEIRA, Liliana Batista et al. Interações medicamentosas potenciais em pacientes de Unidades de Terapia Intensiva. Journal of Basic and Applied Pharmaceutical Sciences, v. 33, n. 3, 2012.

VIEIRA, Sônia; HOSSNE, William Saad. Metodologia científica para a área da saúde. Elsevier Brasil, 2015.

WAGH, Bhavika Ravindra et al. Identification and Assessment of Potential Drug-Drug Interactions in Intensive Care Unit Patients. Indian journal of critical care medicine: peer-reviewed, official publication of Indian Society of Critical Care Medicine, v. 23, n. 4, p. 170, 2019.

ZHENG, Wu Yi et al. Drug-drug interactions and their harmful effects in hospitalised patients: a systematic review and meta-analysis. European journal of clinical pharmacology, v. 74, n. 1, p. 15-27, 2017.

Published

2021-04-08

Issue

Section

Original Papers