A falta de medicamentos em um PSF no município de Araguari, Minas Gerais / The lack of medicines in a PSF in the city of Araguari, Minas Gerais

Authors

  • Eugênio Freire Fagundes Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Luis Filipe Marques da Silva
  • Natália Nunes Machado
  • Natália Oliveira Rocha
  • Natalia Xavier Ferreira
  • Pedro Henrique Fernandes
  • Rosânia Emilia Ribeiro Cunha

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-320

Keywords:

medicamento, publica, farmácia, educação.

Abstract

O medicamento é um recurso terapêutico quando bem utilizado de alta relação custo efetividade, sendo uma das ferramentas necessárias para melhorar e manter a saúde. A sua disponibilização gratuita pelo sistema único de saúde contribui para os indivíduos tratarem as doenças que foram diagnosticadas, pois o medicamento fica sendo de fácil aquisição com o receituário e não representa mais uma despesa para o orçamento da família. Contudo mesmo essa disponibilidade sendo garantida pela constituição e pelo artigo 6° da Lei 8080/90, que assegura a assistência terapêutica integral, observa-se que nos municípios brasileiros o seu fornecimento está prejudicado, e essa política está longe de ser cumprida integralmente. Ao analisar a situação de uma Unidade Básica de Saúde da Família da cidade de Araguari (MG), foi constatada também essa realidade. Há a ausência de medicamentos fundamentais tais como Ibuprofeno 600mg, Losartana 50mg, Omeprazol 20mg, Alodipina 5mg, Enalapril 20mg, Hidroclorotiazida 25mg, AAS 100mg, Sulfato Ferroso 190mg e Metformina 500mg com o agravante do funcionário responsável não ser devidamente instruído sobre como fazer os pedidos e adquirir os medicamentos ausentes na Unidade de saúde. Ao se deparar com essa situação vários questionamentos foram levantados, entre eles se essa falta era por escassez de recursos públicos, pelo farmacêutico responsável ser incapacitado, pela procura ser maior que a oferta ou se era por desinteresse da equipe de repor o estoque.

Com o objetivo de entender o que tem causado esse problema de estoque foi proposto abordar os problemas de gestão relacionados à falta de medicamentos em um PSF de Araguari. Essa analise se justifica pelo fato de que a falta do remédio no PSF torna necessário os usuários terem que o comprá-lo na farmácia, e a falta de recursos por aqueles de baixa condição social impede várias pessoas de adquiri-los e com isso a terapêutica acaba não sendo instituída, o que agrava a patologia, aumentando a morbidade e mortalidade desses pacientes, com riscos para a comunidade caso a doença não tratada for infecciosa. Foi realizado um estudo descritivo, transversal, observacional com a coleta, análise, registro e a interpretação dos fatos sem a interferência do pesquisador. Para a coleta de dados, foram feitas visitas ao PSF onde foi disponibilizada uma lista com medicamentos disponíveis para a população. Com estes dados, foi confeccionada uma planilha onde foi listado o nome dos medicamentos, posologia, seus equivalentes genéricos, saldo de entrada, de saída, lote e data de vencimento, estoque inicial, estoque final, número de comprimidos, frascos ou bisnagas, a data de entrada e saída de cada medicamento. Para a confecção da tabela foi feito um estudo aprofundado sobre estoque, o qual tem a função de funcionar como regulador de fluxo de negócios. Esse pode ser definido como recursos ociosos que possuem valor econômico, os quais representam um investimento destinado a incrementar as atividades de produção e servir aos clientes. O gerenciamento moderno avalia e dimensiona convenientemente os estoques em bases cientificas, substituindo o empirismo por soluções. Assim, os níveis devem ser revistos e atualizados periodicamente e constantemente para evitarem problemas provocados pelo crescimento de consumo ou vendas e alterações dos tempos de reposição. O proposito básico de qualquer estoque é reduzir a incerteza. A decisão correta a ser tomada hoje depende de se conhecer, tanto quanto possível, as condições que prevalecerão no futuro. Infelizmente, não se pode eliminar a incerteza. Não obstante, as previsões necessitam ser elaboradas.

Foi escolhido nesse cenário realizar uma ação educativa, que é uma das formas de se promover saúde, onde há a oportunidade o compartilhamento de saberes dos mais variados possíveis na busca de soluções das mais diversas problemáticas. A ação se traduz em sensibilizar e conscientizar a importância do controle de estoque, bem como se deve proceder seu manejo. As intervenções necessárias foram centradas em um trabalho coletivo e garantida através de uma assistência humanizada e resolutiva. Ensinar sobre o controle de estoque no PSF foi uma maneira encontrada de resolver esse problema de falta de medicamentos localmente, haja vista que o maior responsável por isso na unidade era a falta de seu controle. A disseminação do conhecimento adquirido através de material teórico e transmitido a eles e o ato feito de educar têm um papel importante no cotidiano, atuando como facilitadores das ações de atenção e de promoção da saúde, como norteadores da prevenção e da redução dos danos, podendo interferir positivamente na realidade local e fortalecer o vínculo entre o profissional e a comunidade que ele assiste. Com isso, espera-se que a partir de hoje ocorra maior controle e que a comunidade não sofra com a falta de remédios e insumos.

 

 

References

ALVES, Gehysa G.; AERTS, Denise. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciênc saúde coletiva, v. 16, n. 1, p. 319-25, 2011.

BARRETO, Joslene Lacerda; GUIMARÃES, Maria do Carmo Lessa. Avaliação da gestão descentralizada da assistência farmacêutica básica em municípios baianos, Brasil. 2010.

CASTRO, Claudia Garcia Serpa Osorio de. Estudos de utilização de medicamentos: noções básicas. Editora Fiocruz, 2000.

CHAVES, Gabriela Costa et al. Indicadores de uso racional de medicamentos e acesso a medicamentos: um estudo de caso. Rev Bras Farm, v. 86, n. 3, p. 97-103, 2005.

CORRER, Cassyano Januário; OTUKI, Michel Fleith; SOLER, Orenzio. Assistência farmacêutica integrada ao processo de cuidado em saúde: gestão clínica do medicamento. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 2, n. 3, p. 41-49, 2011.

DIAS, Marco Aurélio - Administração de Materiais. 4ª edição. Editora Atlas.

HELFER, Ana Paula et al. Capacidade aquisitiva e disponibilidade de medicamentos para doenças crônicas no setor público. 2012.

MENDES, Luiz Villarinho et al. Disponibilidade de medicamentos nas unidades básicas de saúde e fatores relacionados: uma abordagem transversal. Saúde debate, v. 38, n. spe, p. 109-123, 2014.

Mendonça GF. Educação em saúde, um processo educativo. In: Encontro Estadual de Experiências de Educação e Saúde. Porto Alegre; 1982. (mimeo).

NUNAN, Michael; DUKE, Trevor. Effectiveness of pharmacy interventions in improving availability of essential medicines at the primary healthcare level. Tropical Medicine & International Health, v. 16, n. 5, p. 647-658, 2011.

PANIZ, Vera Maria Vieira et al. Acesso a medicamentos de uso contínuo em adultos e idosos nas regiões Sul e Nordeste do Brasil. 2008.

PINHEIRO, Rafael Mota. Serviços farmacêuticos na atenção primária à saúde. Tempus Actas de Saúde Coletiva, v. 4, n. 3, p. 15-22, 2010.

Published

2021-04-09

Issue

Section

Original Papers