Análise do Mini Exame do estado mental de Folstein em idosos institucionalizados e não institucionalizados/ Analysis of Folstein's Mini State examination in institutionalized and non institutionalized elderly people

Authors

  • Tanise Nazaré Maia Costa
  • Juan Pablo de Sá Nieto
  • Letícia Sayumi Morikawa
  • Amanda Vallinoto Silva de Araújo
  • Antônio Augusto Moreira Cardoso
  • Bárbara Gabriel Mafra
  • Mariana do Nascimento Eiró
  • Vânia Nazaré Maia dos Santos
  • Victória Oliveira da Costa

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-357

Keywords:

Mini-Exame do Estado Mental, idosos institucionalizados, idosos não institucionalizados, cognição.

Abstract

INTRODUÇÃO: O envelhecimento populacional é uma realidade no Brasil, isso se deve a queda da taxa de fecundidade, avanço da medicina, tratamento de doenças, diagnósticos precoces e criação de políticas para a saúde do idoso. Nesse contexto, é importante destacar a Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPI), que são instituições governamentais ou não governamentais de caráter residencial, consideradas domicílio coletivo de idosos, com ou sem suporte familiar. Segundo o Ministério da Saúde (MS) cerca de 50% dos residentes das ILPI são portadores de algum problema psiquiátrico, sendo que os quadros demenciais e depressão são os mais comuns. Em meio a esse cenário, o Mini Exame do Estado Mental (Mini Mental State Examination/MEEM) vem sendo cada vez mais utilizado para avaliar a função cognitiva do idoso. OBJETIVOS: Analisar o Mini Exame do Estado Mental em idosos institucionalizados e não institucionalizados. METODOLOGIA: Foi aplicado um protocolo de pesquisa para obtenção de dados epidemiológicos como idade, sexo, estado civil, escolaridade, mobilidade e tempo de permanência em ILPI (se aplicável), além de teste rápido para análise cognitiva como Mini Exame do Estado Mental (MEEM). Os dados epidemiológicos foram registrados em ficha de pesquisa própria desenvolvida pelos autores. A amostra total foi de 90 pacientes, 60 não institucionalizados atendidos ambulatorialmente no CEMEC e 30 institucionalizados na ILPI Lar da Providência. RESULTADOS: Em nossa pesquisa, obtivemos uma nota média do MEEM de 20,4. No grupo de indivíduos não institucionalizados a média foi de 22,11 contrapondo 17,03 no grupo dos institucionalizados. As médias encontradas para idosos da comunidade em outros estudos foram de 26,315, 24,53 e 24,720 próximas das médias encontradas em nosso estudo e sempre maiores que as da ILPI: 19,921, 11,715 e 12,5620. Constatamos, portanto, que a institucionalização contribui para o declínio da capacidade cognitiva (DCC) e que a falta de autonomia gerada pela própria ILPI ao fornecer o que idoso precisa (alimentação, higiene ambiental e pessoal) acaba gerando um comprometimento da sua capacidade funcional e do envelhecimento saudável. CONCLUSÃO: Os resultados podem ser estudados e utilizados para promoção de ações em saúde que objetivem melhorar o atendimento à população idosa, favorecendo na elaboração de políticas públicas voltadas para a manutenção da capacidade funcional e cognitiva visando condições de saúde dos idosos que promovam bem estar, independência e vitalidade.

References

IBGE, Instituto de Geografia Estatística. Mudanças Demográficas no Brasil. Subsídios para as Projeções da População. Rio de Janeiro. 2015.

Borges GM, Campos MB, Silva LGC. Transição da estrutura etária no Brasil: oportunidades e desafios para a sociedade nas próximas décadas. 3ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

Grden CRB, Rocha JHL, Cabra LPA, Sousa JAV, Reche PM, Borges PKO. Fatores associados ao desempenho no Mini Exame do Estado Mental: estudo transversal. Online Brazilian Journal of Nursing. 2017. vol. 16, n.2.

Borges PLC, Bretas RP, Azevedo SF, Barbosa JMM. Perfil dos idosos frequentadores de grupos de convivência em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 2008; 24(12):2798-2808.

Perlini NMOG, Leite MT, Furini AC. Em busca de uma instituição para a pessoa idosa morar: motivos apontados por familiares. Rev. Esc. Enferm. USP. 2007; 41(2):229-236.

Camarano AA, Kanso S. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Rev. bras Estud pop. 2010; 27:232-235.

BRASIL, Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada e Temática. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Martins RM. A depressão no idoso. Spectrum. 2016; 119-123.

Soares E, Coelho MO, Carvalho SMR. Capacidade funcional, declínio cognitivo e depressão em idosos institucionalizados: possibilidade de relações e correlações. Revista Kairós Gerontologia. Set. 2012. vol. 15, n. 5, p. 117-139.

MacKinnon D, Folstein M, Folstein S. Psych and Behavioral Sciences. 2014; [acessado em: 17 abr. 2018]. Disponível em:http://www.hopkinsmedicine.org/psychiatry/about/anniversary/stars/folsteins.html.

Melo DM, Barbosa AJG. O uso do Mini-Exame do Estado Mental em pesquisas com idosos no Brasil: uma revisão sistemática. Ciência & saúde coletiva. 2015; 20(12):3865-3876.

Brucki SMD, Nitrini R, Caramelli P, Bertolucci PHF, Okamoto IH. Suggestions for utilization of the mini-mental state examination in Brazil. Arq Neuropsiquiatria 2003; 61(3B):777-781.

Trentini CM. Qualidade de vida em idosos. [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Medicina; 2004.

Valle EA, Castro-Costa E, Firmo JOA, Uchoa E, Lima-Costa MF. Estudo de base populacional dos fatores associados ao desempenho no Mini Exame do Estado Mental entre idosos: Projeto Bambuí. Cadernos de Saúde Pública. 2009; 25(4):918-926.

Trindade APNT, Barboza MA, Oliveira FB, Borges APO. Repercussão do declínio cognitivo na capacidade funcional em idosos institucionalizados e não institucionalizados. Fisioterapia em movimento. 2013; 26(2): 281-289.

Nascimento RASA, Batista RTS, Rocha SV, Vasconcelos LRC. Prevalência e fatores associados ao declínio cognitivo em idosos com baixa condição econômica: estudo MONIDI. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. 2015; 64(3):187-192.

Wajman JR, Bertolucci PHF. Intellectual demand and formal education as cognitive protection factors in Alzheimer’s disease. Dement Neuropsychol. 2010; 4(4):320-324.

Ferrantin A, Borges C, Morelli J, Rebelatto, J. A execução de AVDS e mobilidade funcional em idosos institucionalizados e não-institucionalizados. Fisioterapia em Movimento. 2017. 20(3).

Moraes DC. Instabilidade postural e a condição de fragilidade física em idosos. [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2017

Caixeta GCS, Ferreira A. Cognitive Performance and Functional Balance in elderly. Revista Neurociencias. 2009; 17(3): 202-208.

Ferreira LS, Pinho MSP, Pereira MWM, Ferreira AP. Perfil cognitivo de idosos residentes em Instituições de Longa Permanência de Brasília-DF. Revista Brasileira de Enfermagem. 2014; 67(2): 247-251.

Campos ACBF. Prevalência e fatores associados ao comprometimento cognitivo mensurado através do Mini Exame do Estado Mental em idosos longevos de dois municípios do sul de Santa Catarina. [tese]. Criciúma: Universidade do Extremo Sul Catarinense, Unidade Acadêmica de Ciências da Saúde; 2018.

Bertoldi JT, Batista AC, Ruzanowsky S. Cognitive impairment on institucionalized elderly: a literature review. Cinergis. 2015; 16(2):152-156.

Langa KM, Levine DA. The Diagnosis and Management of Mild Cognitive Impairment: A Clinical Review. JAMA. 2014; 312(23):2551–2561.

Domiciano BR, Braga DKAP, Silva PN, Vasconcelos TB, Macena RHM. Education, age, and cognitive impairment of elderly residents in long-term institutions. Revista Neurociências. 2014; 22(3): 330-336.

Lentsck MH, Pilger C, Schoereder EP, Prezotto KH, Mathias TAF. Prevalence of depressive symptoms and signs of dementia in the elderly in the community. Revista Eletr. Enf. 2015; 17(3).

Nune WA, Dias FA, Nascimento JS, Gomes NC, Tavares DMS. Cognição, funcionalidade e indicativo de depressão entre idosos. Revista Rene. 2016; 17(1):103-111.

Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci SR, Juliano Y. O miniexame do estado mental em uma população geral. Impacto da escolaridade. Arq Neuropsiquiatr 1994; 52(1):1-7.

Ho V, Zainal H, Lim L, Ng A, Silva NG, Kandi N. Voluntary cognitive screening: characteristics of participants in an Asian setting. Clinical Interventions in Aging. 2015; 10:771–780.

Domiciano BR, Braga DKAP, Silva PN, Vasconcelos TB, Macena RHM. Escolaridade, idade e perdas cognitivas de idosas residentes em instituições de longa permanência. Rev Neurocienc. 2014; 22(3):330-336.

Machado JC, Ribeiro RCL, Cotta RMM, Leal PFG. Declínio cognitivo de idosos e sua associação com fatores epiemiológicos em Viçosa, Minas Gerais. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2011; 14(1):109-121.

Ribeiro VM. Alfabetismo funcional: referências conceituais e metodológicas para a pesquisa. Educação & Sociedade. 1997. vol.18, n.60, p.144-158.

Vasconcelos LG, Brucki SMD, Bueno OFA. Cognitive and functional dementia assessment tools: Review of Brazilian literature. Dement Neuropsychol 2007; 1:18-23.

Published

2021-04-14

Issue

Section

Original Papers