Percepção das auxiliares e técnicas em saúde bucal do município de Três Lagoas/MS sobre biossegurança: reconsiderações em tempos de Covid-19 / Perception of oral health assistants and technicians of Três Lagoas/MS city about biosafety: reconsiderations in Covid-19 times

Authors

  • Kelly Regina Torres-da-Silva Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • André Valério da Silva
  • Juliana dos Santos Pereira Cavaretto Costa
  • Michela Melissa Duarte Seixas Sostena
  • Eliane Iguchi Nicolau
  • Acácia Gimenez Barreto

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv4n5-043

Keywords:

medidas de biossegurança, odontologia, equipes de saúde bucal, técnicos em saúde bucal, sistema único de saúde.

Abstract

A complexidade na qual o trabalho odontológico está inserido pode resultar em falhas com relação às medidas de biossegurança e expor todos os envolvidos aos riscos biológicos inerentes à profissão, resultando no comprometimento da eficiência e segurança do trabalho. A integração ensino-serviço demonstra ser uma valiosa estratégia de aprimoramento, atualização e incorporação de conhecimentos, resultando em melhorias no serviço em saúde, sendo esta integração sempre necessária principalmente quando do surgimento de novos riscos biológicos, como observado na atual pandemia da COVID-19. Desta forma, foi proposto analisar o conhecimento e a execução das medidas de biossegurança das auxiliares e técnicas em saúde bucal vinculadas ao setor público de saúde do Município de Três Lagoas, Estado de Mato Grosso do Sul (MS). Para tanto, foi realizada a aplicação de questionário antes e após curso de capacitação e atividade prática sobre biossegurança, elaborado e ministrados por dentistas vinculadas à equipe de saúde bucal do mesmo setor. Este estudo transversal utilizou-se de um questionário semiestruturado, autoaplicável, dividido em processo de trabalho, preparo do operador e preparo do ambiente. Foi observado que, de modo geral, houve a compreensão da importância da biossegurança pelas auxiliares e técnicas em saúde bucal. Entretanto, observou-se uma melhor percepção das falhas cometidas nos procedimentos de biossegurança e dos riscos de acidentes no ambiente de trabalho após a capacitação. Os métodos de prevenção dos riscos biológicos apontados pelas profissionais foram relacionados somente ao uso de equipamentos de proteção individual (EPIs), sendo compreendidos após a capacitação que EPIs, vacinação e higiene das mãos são os métodos eficazes de prevenção no trabalho em saúde. Também foi observado um melhor entendimento quanto à necessidade de limpeza das superfícies com água e sabão previamente ao uso de desinfetantes, assim como a realização da sequência correta de paramentação e desparamentação para a efetiva proteção fornecida pelos EPIs, com ênfase no uso adequado das máscaras N95 e protetor facial. Deste modo, verificou-se que as auxiliares e técnicas em saúde bucal aplicam medidas de biossegurança durante o seu trabalho, entretanto, a execução dos procedimentos visando eliminar, prevenir e reduzir riscos foram reavaliados e reconsiderados, principalmente no atual cenário da pandemia ocasionada pelo coronavírus.

 

 

References

BEZERRA, A. L. D.; SOUSA, M. N. A.; FEITOSA, A. N. A.; ASSIS, E. V. A.; BARROS, C. M. B; CAROLINO, E. C. A. Biossegurança na odontologia. ABCS Health Sci., v. 39, p. 29-33, 2014.

BRANDÃO-JUNIOR, P.S. Biossegurança e AIDS: As dimensões psicossociais do acidente com material biológico no trabalho em hospital. 138 fl. Dissertação (Mestre em Ciências na área da Saúde Pública) - Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh) da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp) da Fiocruz, 2000.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Serviços odontológicos: prevenção e controle de riscos. Brasília, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes da política nacional de saúde bucal. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Reorganização das ações de saúde bucal na atenção básica: portaria de incentivos financeiros. Portaria nº. 1444, de 28 de dezembro de 2000.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. NR 32 – Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Portaria GM n.º 485, de 11 de novembro de 2005; Portaria GM n.º 939, de 18 de novembro de 2008; Portaria GM n.º 1.748, de 30 de setembro de 2011. Diário Oficial da União, 2005.

BRASIL. Nota Técnica GVIMS/GGTES/ANVISA N 0 04/2020. Orientações para Serviços de saúde: medidas de prevenção e controle que devem ser adotadas durante a assistência aos casos suspeitos ou confirmados de infecção pelo Novo coronavírus (SARS-CoV-2) atualizada em 08/05/2020, Brasília, 2020.

BRASIL. Nota técnica Nº01/2018 GVIMS/GGTES/ANVISA: Orientações gerais para higiene das mãos em serviços de saúde. Brasília, 2018

CARMO, M. R. C. Avaliação microbiológica das mãos de cirurgiões-dentistas em atendimentos clínicos. 112 fl. Tese (Doutorado acadêmico em Biologia Oral) -Universidade Sagrado Coração, Bauru, São Paulo, 2013.

CASTILHO, A. V. S. S.; SANTOS, L. F.; AZEVEDO-SILVA, L. J.; CASTRO, M. S; SALES-PERES, S. H. C. COVID-19: risco biológico e protocolo de cuidados clínicos em Odontologia. Odontologia e Integralidade do Cuidado: aspectos da formação profissional e dos serviços de saúde. Guarujá/SP: Editora Científica, 2021. p. 101-113.

COSTA, M. A. F.; COSTA, M.F.B. Biossegurança e a pandemia de Covid-19: reflexões sobre os agentes psicossociais de risco em profissionais de saúde. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.5, p. 43899-43907, 2021.

DOS ANJOS, P. P.; CAVALCANTE, A. S; DOS ANJOS, C. P.; DOS SANTOS, C. R. B; BRANDÃO, B.; VANDESMET, L. C. S. Análise microbiológica de fômites de funcionários de um hospital. Revista Expressão Católica Saúde; v. 3, n. 1, 2018.

ENGELMANN, A. I; DAÍ, A. A.; MIURA, C. S. N.; BREMM, L. L.; BOLETA-CERANTO, D. C. F. Avaliação dos procedimentos realizados por cirurgiões-dentistas da região de Cascavel-PR visando ao controle da biossegurança. Odontol. Clín.-Cient., 9 (2), p. 161-165, 2010.

FERREIRA, L.; BARBOSA, J. S. A.; ESPOSTI, C. D. D.; CRUZ, M. M. Educação Permanente em Saúde na atenção primária: uma revisão integrativa da literatura. Saúde debate, v. 43, p. 223-239, 2019.

FERREIRA, R.C.; MARTINS, A.M.B.L.; MOTA, D.L.; PEREIRA R.D.; SANTOS, N.C.; QUEIROZ, I.O.A. Uso de equipamentos de proteção individual entre cirurgiões-dentistas de Montes Claros. Arq. Odontol., v. 46 (2), p. 88-97, abril/jun 2010. Disponível em: http://revodonto.bvsalud.org/pdf/aodo/v46n2/a05v46n2.pdf. Acesso em: 30 jul 2021.

FRANCO, J. B.; CAMARGO, A. R.; PERES, M. P. S. M. Cuidados Odontológicos na era da COVID-19: recomendações para procedimentos odontológicos e profissionais. Rev assoc paul cir dente, v. 74(1), p. 18-21, 2020.

GAMA, T.M.; MATSUURA, A.B.J.; MALASPINA, O.A. Avaliação do nível de contaminação por bioaerossóis no ambiente clínico da Policlínica Odontológica da Universidade do Estado do Amazonas. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 6, p. 37397-37410 jun. 2020.

GONÇALVES, P. R. V.; MARTINS, R. J.; MOIMAZ, S. A. S.; SUNDEFELD, M. L. M. M.; GARBIN, A. J. I.; GARBIN, C. A. S. Influência dos fatores individuais, relativos ao trabalho e organizacionais na adesão às precauções padrão por profissionais da odontologia. R Epidemiol Control Infec, Santa Cruz do Sul, 6(2), p. 44-49, 2016.

MENDONC?A, A. P.; FERNANDES, M. S. C.; AZEVEDO, J. M. R.; SILVEIRA, W. C. R.; SOUZA, A. C. S. Lavagem das mãos: adesão dos profissionais de saúde em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Acta Sci Health Sci., 25(2), p. 147-53, 2003.

MENEZES, A. R.; SILVA, M. M. S; PAPA, L.P. Covid- 19: importância do manejo clínico do cirurgião-dentista. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.1, p. 3729-3736, 2021.

MOURA, L. L. D.; GOMES, M. E. N.; FIRMO, W. C.A.; FERNANDES, R. M. T.; VIÉGAS, H. D. C. Conhecimento em biossegurança e uso de equipamento de proteção individual pelos profissionais de enfermagem do município de Bacabal-MA. Revista Científica do ITPAC, Araguaína, v.10, n.2, 2017.

OLIVEIRA, A. H. A.; MILFONT, J. A.; PEREIRA, G. L.; LIMA, J. P.; M. LIMA, F. J. Uso de equipamentos de proteção individual por cirurgiões-dentistas em unidades básicas de saúde: estudo piloto. Rev. Interfaces, v. 5, n. 15, p. 64-70, 2017.

RAMOS, L. F. S.; SOBRINHO, A. R. S.; SOARES, M. L., FILHO, E. S. D. D., FERREIRA, S. J., CARVALHO, M. V. Conhecimento e uso da biossegurança por profissionais de saúde bucal do SUS do Sertão Pernambucano. Arq Odontol, Belo Horizonte, n.56, v. 15, 2020.

SANCHES, A. P. M.; MAROLDI, M. A. C.; DA SILVA, D. M.; ROSEIRA, C. E.; PASSOS, I. P. B. D.; DE FIGUEIREDO, R. M. Concepções da equipe de odontologia da atenção primária à saúde sobre precauções padrão. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2016.

SCHEIDT, K. L. S.; CARVALHO, M. Avaliação prática da lavagem das mãos pelos profissionais de saúde em atividades lúdico-educativas. R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, n. 14, v. 2, p.221-225, 2006.

SILVA, A. R.; PIZANTE, C.R. Visualização de áreas de contaminação, na prática odontológica, através do indicador químico fenolftaleína. J Health Sci Inst. v.35(2), p.101-104, 2017.

TREZENA, S.; FARIAS, L. P. M.; BARBOSA, G. F. A.; COSTA, S. M.; BARBOSA JÚNIOR, E. S.; PINTO, M. Q. C. Práticas em biossegurança frente aos acidentes ocupacionais entre profissionais da odontologia. Arq Odontol, 2020.

UMER F.; HAJI Z.; ZAFAR K. Role of respirators in controlling the spread of novel coronavirus (COVID-19) amongst dental healthcare providers: a review. International Endodontic Journal, 2020.

VAN DOREMALEN, N et al. Aerosol and Surface Stability of SARS-CoV-2 as Compared with SARS-CoV-1. N Engl J Med, v. 382, p.1564-1567, 2020.

VEENA, H.R.; MAHANTESHA, S.; JOSEPH, P.A.; PATIL, S.R.; PATIL, S.H. Dissemination of aerosol and splatter during ultrasonic scaling: a pilot study. Journal of Infection and Public Health v. 8, p. 260-265, 2015.

Published

2021-09-06

Issue

Section

Original Papers