Azeite de oliva: avaliação do rótulo e pesquisa com consumidores / Olive oil: label evaluation and consumer survey

Authors

  • Mariana Aline de Paula Krempser Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Karine Lima Nogueira Almeida
  • Michelle Garcêz de Carvalho

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n1-316

Keywords:

azeite de oliva, rotulagem, consumidor, origem.

Abstract

Objetivou-se avaliar o perfil dos consumidores e rótulos de azeite de oliva comercializados em Aracaju/SE. Para isso, foi realizada uma visita in loco a sete hipermercados da cidade e avaliados 152 rótulos de 54 marcas de azeite de oliva. O perfil dos consumidores foi traçado através de formulários on-line com perguntas associadas à fatores socioeconômicos, consumo e uso de azeite de oliva. Após seleção dos hipermercados, foram observados os rótulos de diferentes marcas, avaliados de acordo com a legislação vigente. A pesquisa caracteriza-se como levantamento do tipo survey de caráter exploratório com total de 370 respondentes. Nos resultados 75,9% das marcas apresentaram pelo menos um tipo de inconformidade frente a legislação, principalmente ausência do registro do fabricante. Houve uma baixa disponibilidade de marcas nacionais (1,3%). O perfil é composto majoritariamente por mulheres (64,9%) de nível superior, que consomem diariamente azeite de oliva extra virgem (AOEV) (54,9%) e não apresentam histórico de doenças crônicas. Observou-se baixo conhecimento da população sobre processamento de AOEV, visto que haja diferentes itens relativos a qualidade. Logo, percebeu-se a necessidade de aumentar as fiscalizações do cumprimento às legislações, afim de amenizar a lacuna de informações entre consumidores e produtores. A maioria dos entrevistados preferiu adquirir azeites de marcas internacionais, mesmo que paguem um preço mais elevado. É importante salientar a necessidade de mais estudos sobre rotulagem de alimentos, visto que são ferramentas essenciais de comunicação entre consumidor e indústria alimentícia.

References

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Instrução Normativa nº 1, de 30 de janeiro de 2012. Aprova o Regulamento técnico do azeite de oliva e do óleo de bagaço de oliva. Disponível em: [https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-vegetal/legislacao-1/normativos-cgqv/pocs/instrucao-normativa-no-1-de-30-de-janeiro-de-2012-azeite-de-oliva/view]. Acesso em: out./2020.

Santis S, Cariello M, Piccinin E, Sabbá C, Moschetta A. Extra virgin olive oil: lesson from nutrigenomics. Nutrients. 2019; 11 (9): 1-17.

Food and Agriculture Organization of the United Nations. FAOSTAT: Statistical database, FAO, 2018. Disponível em: [http://www.fao.org/faostat/en/?#country/21]. Acesso em: 02 Jul. 2021.

Internacional Olive Council. (COI). OliveWorld. 2020. Disponível em: [https://www.internationaloliveoil.org/about-ioc/mission-basic-text/]. Acesso em: 19 de out. 2020.

Roselli, L, Cicia G, Giudice T, Cavallo C, Vecchio R, Carfora V, Gennaro B. Testando a aceitação dos consumidores para um azeite virgem extra com um conteúdo naturalmente aumentado em polifenóis: O caso da extração por ultrassom. Journal of Functional Foods. v. 69, p. 103940, 2020.

Kalogiouri NP, Aalizadeh R, Thomaidis NS. Aplicação de um fluxo de trabalho de triagem não-alvo avançado e amplo com LC-ESI-QTOF-MS e quimiometria para a classificação das variedades de azeite grego. Química alimentar. 2018; 256: 53-61.

Huk TTS, Scapinello J, Croce DM, Kuhn F, Bohn A, Dal Magro J. Determinação da composição química e potencial antioxidante do azeite de oliva produzido na região oeste de Santa Catarina. Blucher Chemical Engineering Proceedings. 2015. 1(2): 4224-4231.

Bonvino NP, Liang J, McCord ED, Zafiris E, Benetti N, Ray NB, Karagiannis TC. “OliveNet™: a comprehensive library of compounds from Olea europaea.” Database: the journal of biological databases and curation vol. 2018 (2018): bay016. doi:10.1093/database/bay016.

Dutra LB., Duarte MS, Souza ECG. Tendência do perfil dos consumidores de azeite de oliva. Rev Inst Adolfo Lutz. 2013; 72 (4): 322-326.

Salazar-Ordóñez M. et al. “The effects of person-related and environmental factors on consumers' decision-making in agri-food markets: The case of olive oils.” Food research international (Ottawa, Ont.). 2018; 112: 412-424.

Anjos MGC. Rótulos de produtos alimentícios como elementos informativos: um estudo da percepção dos consumidores (2018). Dissertação (Mestrado em Design) – Programa de Pós-Graduação em Design, Centro de Ciências e Tecnologia, Universidade Federal de Campina Grande, Paraíba, Brasil, p.186, 2018.

Bellumori M, Cecchi L, Innocenti M, Clodoveo ML, Corbo F, Mulinacci N. A alegação de saúde da EFSA sobre polifenóis de azeite: validação da hidrólise ácida e determinação de hidroxitirosol e tirosol total em azeites de oliva virgens italianos. Molecules (Basel, Suíça). 2019; 24 (11): 2179. Publicado em 10 de junho de 2019. doi: 10.3390 / moléculas 24112179.

Pérez Y Pérez, L.; Gracia, A.; Barreiro-Hurlé, J. Not Seeing the Forest for the Trees: The Impact of Multiple Labelling on Consumer Choices for Olive Oil. Foods, v. 9, n. 2, p. 186, 2020.

Instituto Brasileiro de Olivicultura. (IBRAOLIVA). Safra 2020 dos azeites nacionais chega ao mercado com novidades - 2020. Disponível em [https://www.ibraoliva.com.br/noticias/detalhe/84/safra-2020-dos-azeites-nacionais-chega-ao-mercado-com-novidades]. Acesso em 14 de out. 2020.

Bimbo F, Roselli L, Carlucci D, Gennaro BC. Uso indevido do rótulo do país de origem pelo consumidor: percepções do mercado italiano de azeite de oliva extravirgem. Nutrients. 2020. vol. 12,7 2150. 19 de julho de 2020, doi: 10.3390 / nu12072150.

PREFEITURA DE ARACAJU. Zonas e bairros de Aracaju (2020). Disponível em: [https://todoscontraocorona.net.br/wpcontent/uploads/2020/06/Evolu%C3%A7%C3%A3o-dos-%C3%93bitos-por-COVID-19-no-Munic%C3%ADpio-de-AracajuSergipe.-Parte-I.-EpiSERGIPE.-Prof.-Paulo-Martins-Filho-e-cols...pdf]. Acesso em: julho/2021.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002. Aprova o Regulamento Técnico sobre Rotulagem de Alimentos Embalados. Diário Oficial da União. 23 set. 2002(a).

BRASIL. Instituto Nacional de Meteorologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO). Portaria nº 157 de 19 de agosto de 2002. Diário Oficial da União; Poder Executivo, 20 de agosto de 2002(b).

BRASIL. Ministério da Saúde - MS. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. Lei nº 10.674, de 16 de maio de 2003. Disponível em: [http://portal.anvisa.gov.br/wps/portal/anvisa/anvisa/home/alimentos]. Diário Oficial da União. Acesso em jan. de 2021.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução-RDC nº 429, de 08 de outubro de 2020. Dispõe sobre a rotulagem nutricional dos alimentos embalados. Diário Oficial da União. 09 out. 2020(a).

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Instrução Normativa - IN nº 75, de 8 de outubro de 2020. Estabelece os requisitos técnicos para declaração da rotulagem nutricional nos alimentos embalados. Diário Oficial da União. 09 out. 2020(b).

Diretoria de Vigilância Sanitária do Estado de Santa Catarina - DIVS/SC. Check list – Rotulagem Geral. Florianópolis. 24 ago. 2017. Disponível em: [http://www.vigilanciasanitaria.sc.gov.br/index.php/component/finder/search?q=check+list&Itemid=464]. Acesso em: março/2021.

Mello AV, Abreu ES, Spinelli MGN. Avaliação de rótulos de alimentos destinados ao público infantil de acordo com as regulamentações da legislação brasileira. J Health Sci Inst. 2015; 33 (4): 351-359.

Ambrosini LB, Specht S, Roni BPLJ. Comportamento de compra dos consumidores de azeite de oliva no Brasil: um estudo exploratório. Anais: 55º Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. Santa Maria - RS, 30 de julho a 03 de agosto de 2017.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

Malhotra NK. Pesquisa em marketing: uma orientação aplicada. 3ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Pedro H. Fatores que influenciam a decisão de compra de azeite. (2019) Tese de Doutorado. Instituto Politécnico de Lisboa, Escola Superior de Comunicação Social, Lisboa, Portugal, p.90, 2019.

Gorzynik-Debicka, Monika et al. “Potential Health Benefits of Olive Oil and Plant Polyphenols.” International journal of molecular sciences. vol. 19, 3 686. 28 Feb. 2018, doi:10.3390/ijms19030686.

Carzedda M, Gallenti G, Troiano S, Cosmina M, Marangon F, Luca P, Pegan G, Nassivera F. Preferências do consumidor quanto à origem e atributos orgânicos do azeite de oliva extra virgem: uma experiência de escolha no mercado italiano. Foods (Basel, Suíça). 2021. vol. 10.5 994. 2 de maio. 2021. Doi: 10.3390 / foods10050994.

Souza, P. G., Moura, M. R. L., Rodrigues, I. A., Carneiro, C. S. Efeito da embalagem na qualidade físico-química e avaliação sensorial de azeites de oliva durante o armazenamento. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 3, p. 5307-5320, 2020.

BRASIL. Lei no 10.831, de 23 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2007(a).

BRASIL. Decreto Lei nº 6.323 de 27 de dezembro de 2007. Dispõe sobre a agricultura orgânica, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2007(b).

Código de Defesa do Consumidor e normas correlatas. CDC – 3 ed. – Brasília: Senado Federal Coordenação de Edições Técnicas, 131 p. 2020. Disponível em: [https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/555106/cdc_e_normas_correlata _3ed.pdf]. Acesso em 29 de out. 2020.

Homma VK. Adulteração em azeite de oliva: uma visão metodológica. 2019. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização-Vigilância Laboratorial em Saúde Pública) Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, CEFOR/SUS-SP, Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, 2019.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução-RDC nº270, de 22 de setembro de 2005. Aprova o Regulamento técnico para óleos vegetais, gorduras vegetais e creme vegetal. Diário Oficial da União. 22 set. 2005.

Montaño A, Hernández M, Garrido I, Llerena JL, Espinosa F. Concentrações de ácidos graxos e compostos fenólicos em oito diferentes azeites virgens monovarietais da Extremadura e a relação com a estabilidade oxidativa. Int J Mol Sci. 2016; 17 (11): 1960. Publicado em 23 de novembro de 2016. doi: 10.3390 / ijms17111960.

Lancaster K. J. A new approach to consumer theory. Journal of Political Economy. (1966); vol.74 (2): p. 132-157. The University of Chicago Press, 1966.

Amirante, P., Clodoveo, M., Tamborrino, A., Leone, A. D. Controle da concentração de oxigênio durante o processo de extração do azeite: um novo sistema para enfatizar as propriedades organolépticas e saudáveis do azeite virgem. In: VI Simpósio Internacional de Olivicultura. Acta Horticulturae. 949 p. 473-480, 2012.

Published

2022-02-23

Issue

Section

Original Papers