Abordagens cirúrgicas na litíase renal: revisão integrativa / Surgical approaches in renal lithiasis: integrative review

Authors

  • Cinthia Stroher
  • Aliny Cristhina da Silva Souza Buriti
  • Sinara Rodrigues de Sá
  • Gabriela Silva Coelho
  • Palloma Loyanne Pereira Santana
  • Vitória Freese Alves
  • Kamilla Assis Diniz
  • Erla Lino Ferreira Carvalho

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n3-278

Keywords:

nefrolitíase, urolitíase, procedimentos cirúrgicos endoscópicos, conversão para cirurgia aberta.

Abstract

A litíase renal é uma condição dolorosa, de início agudo formada por um conglomerado de cristais e matriz orgânica no trato urinário. Manifesta-se com dor lombar em cólica, de início súbito, que pode irradiar para flancos, face interna da coxa, fossas ilíacas, testículos, uretra ou grandes lábios, dependendo da localização dos cálculos. O diagnóstico da litíase urinaria é feito pela clínica do paciente, exame físico e exames complementares de imagem, sendo a Ultrassonografia, Tomografia Computadorizada (TC), Radiografia de abdome e a Ressonância Magnética os mais utilizados. O tratamento dos cálculos renais pode ser clínico ou cirúrgico. No clínico são abordados técnicas de analgesia e expulsão espontânea do cálculo. As técnicas cirúrgicas são a litotripsia extracorpórea por ondas de choque (LECO), nefrolitotripsia percutânea (NLP), ureterorrenoscopia e a cirurgia aberta. O objetivo principal é descrever as abordagens cirúrgicas para o tratamento da urolitíase, ressaltando das características e as indicações de cada técnica, bem como sua aplicação, vantagens, desvantagens e complicações. O estudo emprega uma revisão integrativa a fim de sintetizar, de forma ordenada e abrangente, os resultados obtidos. Para a seleção dos estudos empregaram-seos seguintes critérios: descritores – “Urolitíase”, “Procedimentos Cirúrgicos Endoscópicos” e “Conversão para Cirurgia Aberta”, nas bases de dados - Pubmed, Electronic Library Online (Scielo) e Lilacs; no período de 2010 a 2022 e na língua inglesa e portuguesa. Infere-se, portanto que as abordagens terapêuticas no campo cirúrgico, conforme foi estabelecido ao longo do estudo tem vantagens e desvantagens a depender da tecnologia escolhida, perfil do pacientebem como do cálculo, necessitando uma busca para padronizar os métodos cirúrgicos a fim de reduzir as complicações, com base em critérios de indicação precisos e operador eficiente, através do melhor método a depender das melhores vantagens em relação às desvantagens do tratamento cirúrgico.

References

SANTOS, Francilayne Moretto dos et al. Metabolic investigation in patients with nephrolithiasis. Einstein (São Paulo), [S.L.], v. 15, n. 4, p. 452-456, 18 dez. 2017. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s1679-45082017ao4029. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/eins/a/SgdkScMDCcwyxYGjPcGYDkM/?lang=en>

MAYANS, Laura. Primary Care: Clinics in Office Practice. Nephrolithiasis. [S.L.], v. 46, n. 2, p. 203-212, jun. 2019. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.pop.2019.02.001.

TALSO, Michele et al. Extracorporeal shockwave lithotripsy: current knowledge and future perspectives. Minerva Urol Nefrol. 2019 Aug;71(4):365-372. doi: 10.23736/S0393-2249.19.03415-5. Disponível em: < https://www.minervamedica.it/en/journals/minerva-urology-nephrology/article.php?cod=R19Y2019N04A0365>

CHAUSSY, Christian G. e TISELIUS, Hans-Göran. How can and should we optimize extracorporeal shockwave lithotripsy? Urolithiasis. 2018 Feb;46(1):3-17. doi: 10.1007/s00240-017-1020-z. Disponível em: <https://link.springer.com/article/10.1007/s00240-017-1020-z>

CHUNG, Doo Yong et al. Comparison of stone-free rates following shock wave lithotripsy, percutaneous nephrolithotomy, and retrograde intrarenal surgery for treatment of renal stones: A systematic review and network meta-analysis. PLoSUm . 2019;14(2):e0211316. Publicado em 21 de fevereiro de 2019. doi:10.1371/journal.pone.0211316. Disponível em: < https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0211316>

OUYANG, Wei et al. Adjunctive medical expulsive therapy with tamsulosin for repeated extracorporeal shock wave lithotripsy: a systematic review and meta-analysis. Internacional brazurol [online]. 2021, v. 47, n. 1 [Acessado em 15 de maio de 2022], pp. 23-35. https://doi.org/10.1590/S1677-5538.IBJU.2020.0093. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1677-5538.IBJU.2020.0093>

MORALES Díaz E., et al. Tratamento cirúrgico da litíase renal por nefrolitotomia percutânea. Revista Cubana de Urologia [Internet]. 11 (1): 12 p. 2022. Disponível em: http://revurologia.sld.cu/index.php/rcu/article/view/706.

KAMEI, D. J., et al. Comparação dos Resultados Cirúrgicos da Nefrolitotripsia Percutânea entre as Posições Prona e Valdivia-Galdakao. Revista Médica. Paraná, Curitiba, 2020; 78 (1):32-39. Disponível em: <https://www.amp.org.br/site/arquivos/revistasarquivos/revista-medica-do-parana-volume-78-n-1-janeiro-junho-2020_1596733284.pdf.>

OLIVEIRA, Pedro Henrique Martins et al. Cirurgia endoscópica intrarrenal combinada (ECIRS) em posição galdakao-valdívia modificada: um relato de caso de cirurgia endoscópica intrarrenal combinada (ECIRS) em posição galdakao-valdívia modificada: relato de caso. Brazilian Journal Of Health Review. Curitiba, v. 5, n. 2, p. 4316-4324, mar./apr2022. Bimestral. doi:10.34119/bjhrv5n2-026 Disponível em: < https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/44915>

ACEVES, Jorge Gutierrez et al. A minipercutânea é o novo padrão para a nefrolitotomia percutânea? Confederação americana de urologia (CAU). Aua News: The Official Newsmagazine Of The American Urological Association | And Sociedade Brasileira De Urologia, Brasil, v. 2, n. 1, p. 1-13, abr. 2020. Disponível em: https://portaldaurologia.org.br/medicos/wp-content/uploads/2020/05/Revista-AUA.pdf.

SIMONETI, Fernanda Soares et al. Considerações Atuais Sobre A Cirurgia Aberta Em Nefrolitíase Em Nível Uretero Pélvico E Ureteral Inferior. Revista Fac. Ciência Médica. Sorocaba, v. 17, n. 1, p. 48-49, fev. 2015. Disponível em: < https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/21903/pdf>

JÚNIOR, N. A. et al. Litotripsia Extracorpórea e Tratamento Cirúrgico da Litíase Urinária. Urologia Fundamental, cap.13, p.128-134. São Paulo, 2010.

LI, H. et al. Does prior failed shock-wave lithotripsy impact outcomes of ureterorenoscopy? a systematic review and meta-analysis. Eur Rev Med Pharmacol Sci., [s. l], 26(7), p. 2501-2510, abr. 2022. doi: 10.26355/eurrev_202204_28486. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/35442465/>

DYBOWSKI, Bartosz et al. Risk factors for infectious complications after retrograde intrarenal surgery – a systematic review and narrative synthesis. Central European Journal Of Urology, [S.L.], v. 73, n. 3, p. 437-445, set. 2021. PolishUrological Association. http://dx.doi.org/10.5173/ceju.2021.250 Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8552946/>

Astolfi RH. et. al. Current scenario of endourological treatment of kidney stones in brazil: results of a national survey. Int Braz J Urol. 2020 May-Jun; 46(3):400-408. doi: 10.1590/S1677-5538.IBJU.2019.0363 Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7088489/>

MA R, Reddy S, Vanstrum EB, Hung AJ. Innovations in UrologicSurgical Training. CurrUrol Rep. 2021 Mar 13;22(4):26. doi: 10.1007/s11934-021-01043-z. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8106917/>

El-HUSSEINY T, BUCHHOLZ N. The role of open stone surgery. Arab J Urol. 2012 Sep;10(3):284-8. doi: 10.1016/j.aju.2012.03.004. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4442944/>

ZHANG Friedrich Bo-Yan, et al. Outcomes of percutaneous nephrolithotomy versus open stone surgery for patients with staghorn calculi. Urological Science. v. 28, n. 2, p. 97-100. Junho 2017. doi.org/10.1016/j.urols.2017.02.001 Disponível em: < https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1879522617300076>

Published

2022-06-14

Issue

Section

Original Papers