Edentulismo como fator predisponente à Queilite Angular: revisão da literatura / Edentulism as a predisposing factor for Actinic Cheilitis: literature review

Authors

  • Lilian Carla Antonino da Silva
  • Laryssa Kawanny Pereira Albuquerque
  • Bianca Omena Carnauba Guedes
  • Mayara Cavalcante Silva
  • Jenielly Mellyna da Conceição Alexandre
  • Lorena Gabrielle Alves Teixeira
  • Liriel Bizerra da Silva
  • Fernanda Braga Peixoto

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-012

Keywords:

Queilite, dimensão vertical, arcada edêntula.

Abstract

O edentulismo ainda é visto como uma resultante do envelhecimento, no entanto, atualmente, entende-se que ocorre por meio de fatores biológicos e não patológicos. Por consequência da ausência dentária, pode ocorrer alterações na fisiologia oral, sendo uma delas a reabsorção óssea maxilar e mandibular, cujo definem as mudanças nas dimensões ocluso-faciais e tecidos moles. Entre elas, destaca-se a dimensão vertical de oclusão (DVO) pode acarretar no surgimento de lesões como queilite angular. O objetivo deste trabalho foi realizar uma revisão da literatura sobre o edentulismo como fator predisponente à queilite angular, evidenciando sua etiologia e tratamento. É uma revisão qualitativa e de caráter descritivo, desenvolvida mediante estratégia de busca por meio dos DeCS: “Queilite”, “Dimensão Vertical” e “Arcada Edêntula”, em bases de dados como SciELO, PubMed, Elsevier e Scholar Google. Estabeleceu-se o critério de inclusão, publicações nos idiomas português e inglês, com limite temporal dos últimos 12 anos. Foi evidenciado que a associação da queilite angular em pacientes com edentulismo ocorre por meio da redução da dimensão vertical, causando dobras oclusivas nos ângulos da boca devido ao fechamento excessivo dos maxilares, tornando-se um sítio conveniente para acúmulo de saliva. Conclui-se, portanto, que o tratamento precoce deve ser realizado para que não haja surgimento de patologias.

References

Abduo, J. & Lyons, K. (2012). Clinical considerations for increasing occlusal vertical dimension: a review. Autralian Dental Journal, 57 (1), 2-10.

Aires, I. O., de Sousa, L. L. C., de Souza, D. J. M., de Araujo, D. S. C., Oliveira, I. K. F. & Alencar, M. S. S. (2019). Consumo alimentar, estilo de vida e sua influência no processo de envelhecimento. Res., Soc. Dev., 8 (11).

Agostinho, A. C. M. G., Campos, M. L. & da Silveira, J. L. G. C. (2015). Edentulismo, uso de prótese e autopercepção de saúde bucal entre idosos. Revista de Odontologia da UNESP, 44 (2).

Andrade, S. R. et al. (2017). O estudo de caso como método de pesquisa em enfermagem: uma revisão integrativa. Texto & contexto enferm. 26 (4), e5360016.

Brar, A., Mattoo, K. A., Singh, Y., Khurana, P. R. S. & Singh M. (2014). Clinical Reliability of Different Facial Measurements in Determining Vertical Dimension of Occlusion in Dentulous and Edentulous Subjects. Int J Prosthodont Restor Dent, 4 (3), 68-77.

Brantes, M. F., Azevedo, R. S., Rozza-de-Menezes, R. E., Póvoa, H. C., Tucci, R., Gouvêa, A. F. & Takahama-Jr, A. (2019). Analysis of risk factors for maxillary denture-related oral mucosal lesions: A cross-sectional study. Med Oral Patol Oral Cir Bucal, 24 (3), 305-313.

Cabras, M., Gambino, A., Broccoletti, R., Lodi, G. & Arduino P. G. (2019). Treatment of angular cheilitis: a narrative review and authors’ clinical experience. Oral Diseases, 26 (1), 1107-1115.

da Rosa, A. P. B., de Araujo, T. S. B., Freitas, T. D., Fenti, M. R. M., & Beneti, I. M. (2015). Tratamento de queilite angular: relato de caso clínico. Revista Dental Press de Estética, 12(3).

de Carvalho, L. F., Melo, J. R. O., Ramos, J. G., Lima, R. A. & Carvalho, F. A. A. (2019). O impacto do edentulismo na qualidade de vida de pacientes edentulos. RvACBO, 8 (1), 40-48.

Disccaciati, J. A. C., de Souza, E. L., Vasconcellos, W. A., Costa, S. C. & Barros, V. M. (2013). Dimensão vertical aumentada da oclusão: sinais, sintomas, diagnóstico, tratamento e opções. The Journal of Contemporany Dental Practice, 14 (1): 123-128.

Emani, E., de Souza, R. F., Kabawat, M. & Feine, J. S. (2013). The impact of edentulism on oral and general health. International journal dentistry, 1- 13, 2013.

Gonzaga, A. K., Bezerra, H. I. O., Cavalcante, I. L., Santana, T., Oliveira, P. T., Medeiros, A. M. & Silveira, E. J. (2021). Na update about cheilitis. J Oral Maxillofac Surg Med Pathol, 33 (5), 555-560.

Gopi C., N., & Venkat, R. (2011). An appraisal on increasing the occlusal vertical dimension in full occlusal rehabilitation and its outcome. The Journal of Indian Prosthodontic Society, 11(2), 77-81.

Federico, J. R., Basehore, B. M. & Zito, P. M. (2021). Angular Chelitis. In StatPearls. StartPearls Publishing.

Jafari, A. A., Lotfi-Kamran, M. H., Falah-Tatfi, A. & Shirzadi, S. (2013). Distribution profile of Candida Species involved in angular cheilitis lesions before and after denture replacement. Jundishapur Journal of Microbiology, 6 (6).

Martori, E. Ayuso-Montero, R., Martinez-Gomis, J., Viñas, M. & Peraire, M. (2014). Risk factores for denture-related oral mucosal lesions in a geriatric population. The Journal of Prosthetic Dentistry, 111 (4), 273-279.

Oliveira, B. A. D. (2021). Edentulismo: o impacto do uso de próteses totais convencionais na autoestima do idoso.

Oza, N. & Doshi, J. J. (2017). Angular cheilitis: a clinical and microbial study. Indian J Dent Res., 28 (6), 661-665.

Polzer, I., Schimmel, M., Müller, F., & Biffar, R. (2010). O edentulismo como parte dos problemas gerais de saúde do idoso. Revista dental internacional , 60 (3), 143-155.

Rahmi, Argadianti, A. F., Radithia, D. & Soebadi, B. (2019). Angular cheilitis in elderly patient with diabetes mellitus and decrease of vertical dimension. Acta medica philippina, 53 (5).

Yamashita, S., Shimizu, M. & Katada, H. (2014). A newly proposed method to predict optimum occlusal vertical dimension. Journal of phosthodontic, 24 (4), 2015, 287-290.

Published

2022-07-01

Issue

Section

Original Papers