Abordagem terapêutica em mulheres com Vaginismo: revisão de literatura / Therapeutic approach in women with Vaginism: literature review

Authors

  • Letícia Luiza Miranda Amaral
  • Júlia Sá Nascimento
  • Laura Rodrigues Silva
  • Luiza Lourensute Porto
  • Analina Furtado Valadão
  • Caroline Kíssila Pereira Pascoal
  • Lorena Miranda de Souza

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-015

Keywords:

Vaginismo, técnicas de fisioterapia, distúrbios do assoalho pélvico.

Abstract

Introdução: o vaginismo é caracterizado por contrações involuntárias dos músculos do assoalho pélvico, que pode ocasionar redução da qualidade e satisfação nas relações sexuais, e consequentemente, predispor a diminuição do bem-estar das mulheres portadoras desse distúrbio doloroso. Experiências sexuais negativas, opressões, abuso e medos são alguns dos fatores que desencadeiam essa doença, sendo o tratamento individualizado, estabelecido por meio de uma equipe multidisciplinar e com múltiplas modalidades. Objetivo: revisar as modalidades terapêuticas utilizadas para o tratamento do vaginismo, descritas na literatura. Método: trata-se de uma revisão descritiva e exploratória de literatura. O levantamento de dados foi realizado por meio de pesquisas de artigos delimitados entre os anos de 2016 e 2021, indexados em bases de dados como, PubMed, Scielo, Cochrane Library e Elsevier. Desenvolvimento: o vaginismo é uma desordem de esfera dolorosa e emocional, caracterizada pelo receio quanto à penetração, devido à presença de desconforto durante o ato sexual. A epidemiologia acerca da dor gênito-pélvica ainda é muito escassa, e por mais difícil que seja avaliar a precisão da frequência, a grande maioria dos autores colocam entre 1% a 2% de ocorrência nas mulheres em contexto mundial. Dispareunia, desconforto, dor, ardência e medo são os sintomas mais relatados entre as mulheres com vaginismo. Após estabelecido o diagnóstico, deve ser definida uma equipe multidisciplinar para acompanhamento dessa paciente, visto que a melhor estratégia terapêutica é resultante de combinações de múltiplas modalidades. Intervenções fisioterapêuticas, terapia cognitiva- comportamental, eletroterapia, estímulo por biofeedback e aplicação de toxina botulínica estão entre as mais aplicadas segundo a literatura pesquisada. Conclusão: com essa revisão de literatura, conclui-se que existem várias modalidades terapêuticas utilizadas atualmente para o tratamento do vaginismo. Independente da causa dessa doença, é indispensável uma abordagem multidisciplinar e individualizada, levando em consideração que esse transtorno doloroso pode afetar a vida da paciente e de sua família em vários aspectos. É fundamental a disseminação de maiores informações acerca do vaginismo para que não seja tratado como tabu, a fim de facilitar o diagnóstico e tratamento dessas mulheres.

References

AALAIE, B; TAVANA, B; REZASOLTANI, Z; AALAEI, S; GHADERI, J; DADARKHAH, A. Biofeedback versus electrical stimulation for sexual dysfunction: a randomized clinical trial. International Urogynecology Journal, 2020. Disponível em: <https://link.springer.com/article/10.1007/s00192-020-04373-7> Acesso em: 15 jul. 2021.

ACHOUR, R; KOCH, M; ZGUEB, Y; OUALI, U; HMID, R.B. Vaginismus and pregnancy: epidemiological profile and management difficulties. Psychology Research and Behavior Management, v. 12, p. 137-143, 2019. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6419599/pdf/prbm-12-137.pdf> Acesso em: 22 mar. 2021.

AMARAL, A. D; PINTO, A. M. Female Genito-Pelvic Pain/Penetration Disorder: Review of the Related Factors and Overall Approach. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 40, n. 12, 2018. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/rbgo/a/bRgwnWsJMq8hVVMGrbb9XcG/?lang=en.> Acesso em: 12 jul. 2021.

APA. AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5, 5. ed. Porto Alegre: Artmed, p. 423-450, 2014.

ASLAN, M; YAVUZKIR, S; BAYKARA, S. Is “Dilator Use” More Effective Than “Finger Use” in Exposure Therapy in Vaginismus Treatment?. Journal of Sex & Marital Therapy, 2020. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32052704/> Acesso em: 18 jul. 2021.

BONDER, J. H; CHI, M; RISPOLI, L. Myofascial Pelvic Pain and Related Disorders. Physical Medicine and Rehabilitation Clinics of North America, v. 28, p. 501-515, 2017. Disponível em: <https://www.pmr.theclinics.com/article/S1047-9651(17)30021-9/pdf#:~:text=Myofascial%20pelvic%20pain%20is%20often,therapy%2C%20and%20botulinum%20toxin%20injections> Acesso em: 13 jul. 2021.

CARVALHO, J. C. G. R; AGUALUSA, L.M; MOREIRA, L. M. R; COSTA, J. C. M. Terapêutica multimodal do vaginismo: uma abordagem inovadora por meio da infiltração de pontos gatilho e radiofrequência pulsada do nervo pudendo. Revista Brasileira de Anestesiologia, Campinas, v. 67, n. 6, 2017. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942017000600632&lang=pt> Acesso em: 01 abr. 2021.

CIRQUEIRA, R. P; ALVES, M. A. Sintomas do Vaginismo em Mulheres Submetidas à Episiotomia. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v.13, n. 43, p. 329-339, 2019. Disponível em: <https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/1525#:~:text=O%20vaginismo%20%C3%A9%20uma%20contra%C3%A7%C3%A3o,total%20de%20ter%20rela%C3%A7%C3%A3o%20sexual> Acesso em: 08 de abr. 2021.

FRARE, L. E. C; BOSCARIOLI, M. L. N; SABEC-PEREIRA, D. K. Vaginismo em idade reprodutiva: uma revisão. Research, Society and Development, São Paulo, v. 9, n. 10, p. 1-14, 2020. Disponível em: <https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/9187> Acesso em: 22 mar. 2021.

GHADERI, F; BASTANI, P; HAJEBRAHIMI, S; JAFARABADI, M. A; BERGHMANS, B. Reabilitação do assoalho pélvico no tratamento de mulheres com dispareunia: um ensaio clínico randomizado controlado. International Urogynecology Journal, v. 30, 7ª ed, 2019. Disponível em: <https://link.springer.com/content/pdf/10.1007/s00192-019-04019-3.pdf> Acesso em: 24 mar. 2021.

KARP, B. I; TANDON, H; VIGIL, D; STRATTON, P. Methodological approaches to botulinum toxin for the treatment of chronic pelvic pain, vaginismus, and vulvar pain disorders. International Urogynecology Journal, 2019. Disponível em: <https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00192-018-3831-z> Acesso em: 14 jul. 2021.

LIU, M; JURAVIC, M; MAZZA, G; KRYCHMAN, M. L. Vaginal Dilators: Issues and Answers. Sexual Medicine Reviews, 2020. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32014450/> Acesso em: 18 jul. 2021.

MARINHO, L. B.; SANTOS, K. L.; MENDONÇA, R. C. F. Intervenção fisioterapêutica no vaginismo tipo primário: revisão integrativa. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v. 3, n. 4, p. 7958-7964, 2020. Disponível em: <https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/viewFile/12998/11017> Acesso em: 27 jan. 2021.

MOORE, K. L; DALLEY, A. F.; AGUR, A. M. R. Moore Anatomia Orientada para a Clínica, 7ª. ed, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Defining sexual health: report of a technical consultation on sexual health. Geneva: WHO, 2006. Disponível em: <http://www.who.int/reproductivehealth/topics/gender_rights/defining_sexual_health.pdf> Acesso em: 01 abr. 2021.

NAGAMINE, B. P; DANTAS, R. S; SILVA, K. C. C. A importância do fortalecimento da musculatura do assoalho pélvico na saúde da mulher. Research, Society and Development, v. 10, n. 2, 2021. Disponível em: <https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/12894/11606> Acesso em: 02 jul. 2021.

NAGAMINE, B. P; SILVA, K. C. C. A utilização dos massageadores perineais e dilatadores vaginais como métodos de tratamento fisioterapêutico nas Disfunções Pélvicas: Vaginismo e Dispareunia. Research, Society and Development, v. 10, n. 6, 2021. Disponível em: <https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/16028/14253> Acesso em 05 jul. 2021.

PACIK, P.T; BABB, C. R; POLIO, A; NELSON, C. E; GOEKELER, C. E; HOLMES, L, N. Case Series: Redefining Severe Grade 5 Vaginismus. The Journal of Sexual Medicine, v. 7, n. 4, p. 489-497, 2019. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6963107/> Acesso em: 25 mar. 2021.

PACIK, P; GELETTA, S. Vaginismus Treatment: Clinical Trials Follow Up 241 Patients. Sexual Medicine, v. 5, 2 ed., p. 114-123, 2017. Disponível em: <https://www.smoa.jsexmed.org/article/S2050-1161(17)30018-1/fulltext> Acesso em: 19 jul. 2021.

ROCHERA, M. B. Physiotherapy in Treating Sexual Pain Disorders in Women: A Systemactic Review. Advances in Sexual Medicine, v. 6, p. 26-32, 2016. Disponível em: <https://www.scirp.org/pdf/ASM_2016071415000372.pdf> Acesso em: 02 jul. 2021.

SOBOTTA, J. Atlas de Anatomia Humana – Órgãos Internos, 23 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018.

STEIN, A; SAUDER, S, K; REALE, J. The Role of Physical Therapy in Sexual Health in Men and Women: Evaluation and Treatment. Sexual Medicine Reviews, 2018. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S2050052118301069?via%3Dihub> Acesso em: 12 jul. 2021.

URITS, I; CALLAN, J; MOORE, W. C; FULLER, M. C; RENSCHLER, J. S; FISHER, P et al. Cognitive Behavioral Therapy for the Treatment of Chronic Pelvic Pain. Best Practice & Research Clinical Anaesthesiology, 2020. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1521689620300707> Acesso em: 20 jul. 2021.

VETTORAZZI, J; GROSSI, F; VALÉRIO, E. G; VELHO, I; HENTSCHEL H. Sexualidade feminina. In: PASSOS, E. P et al. Rotinas em ginecologia, 7. ed. Porto Alegre: Artmed, cap. 17. p. 455-478, 2017.

WALLACE, S. L; MILLER, L. D; MISHRA, K. Pelvic floor physical therapy in the treatment of pelvic floor dysfunction in women. Current Opinion in Obstetrics and Gynecology, v. 31, n. 6, p. 485-493, 2019. Disponível em: <https://journals.lww.com/co-obgyn/Abstract/2019/12000/Pelvic_floor_physical_therapy_in_the_treatment_of.19.aspx> Acesso em: 15 jul. 2021.

Published

2022-07-04

Issue

Section

Original Papers