Características do Melanoma Cutâneo e sua incidência na população brasileira / Cutaneous Melanoma Features and its incidence in brazilian population

Authors

  • Carolline Damas de Andrade Oliveira
  • Renata Batista Ostrowski
  • Gabriella Fernandes Trindade
  • Maria Gabriela Teixeira Valentini
  • Rebeka Daiany Duarte Dantas
  • Ellen Cristine Pacheco Ramos
  • Angélica Souza Duarte
  • Matheus Cattini Sampaio Tavares

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-018

Keywords:

Melanoma Cutâneo, diagnóstico, lesões, incidência.

Abstract

Sabe-se que o melanoma cutâneo é uma doença maligna que ocorre devido a diversas condições que causam alterações nos melanócitos. A princípio, inicia-se com coloração nivelada e externa na pele e, com o decorrer da doença, ocorre progressão vertical. Dessa forma, mostram-se como métodos eficazes de diagnóstico o exame físico, a dermatoscopia, a biópsia e a tomografia computadorizada. Assim, é importante analisar a assimetria, a irregularidade das bordas, a pigmentação e o diâmetro da lesão. Visto que esta patologia possui índice elevado de mortalidade e considerando que a população desconhece sobre as lesões suspeitas, é relevante que sejam realizadas orientações a respeito da prevenção para reduzir as taxas de incidência desta doença. O objetivo desta revisão de literatura é abordar as particularidades do melanoma cutâneo, abordando as características clínicas e histopatológicas, e analisar as estatísticas do Instituto Nacional do Câncer (INCA) a respeito das estimativas para o ano de 2022. Para isso, foram realizadas pesquisas nas bibliotecas virtuais Scielo e MedLINE, buscando artigos do período de 2017 a 2022 e, ademais, foram realizadas análises das estatísticas do INCA para o ano de 2022.

References

Queiroz, Fernandes. Melanoma: Fatores Ambientais, Diagnóstico, Tratamento e Perspectivas Futuras. Environmental. 2016. (v. 1, n. 1): 72-82.

Banco de imagens: https://visualsonline.cancer.gov/details.cfm?imageid=12537. Acesso em 27 de Abril de 2022.

Estrozi, Bruna. Avaliação anatomoclínica e molecular do melanoma cutâneo em pacientes jovens (idade 18-30 anos) [tese]. São Paulo: Faculdade de Medicina; 2015 [citado 2017-08-01]. doi:10.11606/T.5.2015.tde-01042015-144721.

Banco de imagens UNICEPLAC – Centro Universitário do Planalto Central Apparecido dos Santos. Acesso em 15 de Maio de 2021.

INCA. Estimativa 2020/2022 – Estimativa de Melanoma no Brasil. Disponível em: < https://www.inca.gov.br/estimativa >. Acesso em: 12 de Maio de 2022.

Lapa MS, Guedes KF, Schalch FO, Landman G. Melanomas malignos cutâneos tratados no Hospital do Câncer de São Paulo. Estudo retrospectivo para avaliação de distribuição, fatores prognósticos e sobrevida. An Bras Dermatol. 2001;77(3):313-20.

Nasser N. Epidemiologia do melanoma maligno em Blumenau – SC. An bras Dermatol 1993;68(1):17-20.

Gon AS, Minelli L, Guembarovski AL. Melanoma cutâneo primário em Londrina. An Bras Dermatol.2001;76(4):413-26.

Sortino-Rachou AM, Curado MP, Latorre MRDO. Melanoma cutâneo: estudo de base populacional em Goiânia, Brasil, de 1988 a 2000. An Bras Dermatol. 2006;81(5):449-55.

Fernandes NC, Calmon R, Maceira JP, Cuzzi T, Silva CSC. Melanoma cutâneo: estudo prospectivo de 65 casos. An Bras Dermatol. 2005;80(1):25-34.

Ferrari Júnior NM, Muller H, Ribeiro M, Maia M, Sanches Júnior JA. Cutaneous melanoma: descriptive epidemiological study. Sao Paulo Med. J. 2008;126(1):41-7.

Brozyna A, Zbytek B, Granese J, Carlson AJ, Ross J, Slominski A. Mechanism of UV-related carcinogenesis and its contribution to nevi/

Published

2022-07-04

Issue

Section

Original Papers