Projeto de extensão sobre doação de sangue: sensibilização e fidelização de doadores na terceira idade / Extension project on blood donation: awareness and fidelity of donors in the third age

Authors

  • Manuela Meinhardt Pinheiro dos Santos
  • Agnes Gabrielle Wagner
  • Fernanda Marcante Carlotto
  • Bruna Accorsi Machado
  • Cristiane da Silva Rodrigues de Araújo

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-024

Keywords:

doação de sangue, envelhecimento humano, educação.

Abstract

Qualquer indivíduo hígido entre 16 anos completos (mediante consentimento formal) e 69 anos, 11 meses e 29 dias – tendo realizado a primeira doação antes dos 60 anos -, pode se tornar um doador de sangue regular. Diariamente, hemocomponentes são necessários para transfusão de pessoas que sofrem acidente, realizam cirurgias, procedimentos, e também para tratamento de anemias e doenças onco-hematológicas. Ainda não existe nenhuma forma artificial que substitua o sangue, por isso a doação de sangue ainda se faz imprescindível para manutenção de vidas. Segundo a Organização Mundial da Saúde, para suprir essa demanda transfusional, é necessário que 5% da população de um país seja doadora. Contudo, de acordo com o Ministério da Saúde, atualmente, no Brasil, os índices não chegam a 2%, impondo uma situação insuficiente e alarmante para a saúde pública pela falta de doadores de sangue (BRASIL, 2018).  Ainda, apesar do aumento da população idosa e da amplificação da faixa etária, ainda persiste um baixo número de adesão a doação de sangue entre a faixa etária. Diante disso, o Programa ComSaúde – Projeto sobre Doação de Sangue, da Universidade de Passo Fundo (UPF), em parceria com o Serviço de Hemoterapia do Hospital São Vicente de Paulo de Passo Fundo (SHHSVP) e a Academia Passofundense de Letras vem promovendo ações voltadas à essa parcela da população desde 2018. O presente trabalho tem por objetivo expor as atividades voltadas à população idosa realizadas pelo projeto durante o período de 2018 e 2019, a partir de uma análise do perfil dos doadores de sangue do SHHSVP. 

References

BRASIL. Ministério da Saúde. Nota técnica n. 13/2020¬-CGSH/DAET/SAES/MS.

Atualização dos critérios técnicos contidos na Nota técnica n. 5/2020-CGSH/DAET/SAES/MS para triagem clínica dos candidatos à doação de sangue relacionados ao risco de infecção pelo SARS¬CoV¬2 (vírus causador da COVID¬19). República Federativa do Brasil. Brasília, 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria de consolidação Nº 5, de 28 de setembro de 2017. [S. l.], 5 set. 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0005_03_10_2017.html. Acesso em: 31 ago. 2020.

BRASIL, Agência do. Doadores de sangue somam 1,6% da população; jovens são maioria. Brasília: Agência Brasil, 14 jun. 2018. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2018-06/pelo-menos-16-da-populacao-brasileira-doa-sangue-jovens-sao-maioria. Acesso em: 31 ago. 2020

CARVALHO, et. al. Doadores de sangue envelhescentes e idosos: prevalência e reações adversas. Revista Kairós-Gerontologia, 22(4), 223-244. ISSNprint 1516-2567. ISSNe 2176-901X. São Paulo (SP), Brasil: FACHS/NEPE/PUC-SP. 2019.

GODIN, et. al.Factors explaining the intention to give blood among the general population. Vox Sang, 89(3), 140-149. 2005. Recuperado em 01 agosto, 2019, de: https://doi.org/10.1111/j.1423- 0410.2005.00674.x.

RODRIGUES, L. L. Elementos motivacionais para doação de sangue. Dissertação de mestrado. Brasília, DF: UNB. 2013. Recuperado em 01 agosto, 2019, de: http://www.repositorio.unb.br/bitstream/10482/14759/1/2013_LuandaLiraRodrigues.pdf

ZEILER, et. al. The safety of blood donation by elderly blood donors. Vox Sang., 101(4), 313–319. 2011. Recuperado em 01 agosto, 2019, de: https://doi.org/10.1111/j.1423-0410.2011.01492.x.

Published

2022-07-05

Issue

Section

Original Papers