Lesões pré-malignas e malignas de colo uterino em um município do Sudoeste goiano: análise de 05 anos / Premalignant and malignant lesions of uterine cervix in a city of Southwest of Goias: period of 05 years

Authors

  • Cássio Antônio Barros
  • Lucas Queiroz Mendes
  • Matheus Maciel Machado Ribeiro
  • Leana Ferreira Crispim

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-034

Keywords:

câncer de colo uterino, papiloma vírus humano, neoplasia intraepitelial cervical, biópsia.

Abstract

Introdução: O segundo tipo de câncer mais frequente entre as mulheres é o câncer de colo uterino (CCU), representando a quarta causa de morte por câncer em mulheres no mundo e tem como principal etiologia a infecção pelo papiloma vírus humano (HPV).  Objetivo: Fazer uma análise epidemiológica das lesões pré-malignas e malignas diagnosticadas em colo uterino, detectadas através de análise histopatológica, nos últimos cinco anos (2015 a 2019), em um município localizado na região sudoeste do estado de Goiás. Método: Estudo transversal, retrospectivo e descritivo, com busca de dados em laudos de biópsias realizadas em colo uterino no período de 2015 a 2019.  Os dados foram coletados no período de julho a setembro de 2020, armazenados em banco de dados informatizado e submetidos à análise estatística descritiva. Resultados: Após aplicação dos critérios de inclusão/ exclusão, resultou-se em uma amostra total de 407 laudos analisados dos quais, mais da metade, 64,1% (n=261), foram compatíveis com lesões pré-malignas e malignas. A lesão histopatológica mais frequente foi a compatível com infecção pelo HPV, em mulheres com idade média próxima de 33 anos, seguida por neoplasia intraepitelial cervical grau III (NIC III), com média de idade próxima de 34 anos.  Conclusão: Há um número expressivo de doenças cancerizáveis na cidade e, possivelmente, na região, evidenciando a necessidade na melhoria de prevenção às doenças do colo uterino, principalmente ao HPV, e do estabelecimento de rastreamento e diagnósticos de lesões precursoras do CCU em fases mais brandas.

References

Johnson CA, James D, Marzan A, Armaos M. Cervical cancer: an overview of pathophysiologia and management. Semin Oncol Nurs. 2019; 35 (2): 166-74.

INCA – Instituto Nacional Do Câncer. Câncer de colo uterino. Brasil, 2019. Disponível em < https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-do-colo-do-utero > Acesso em: 01 de fevereiro de 2020.

Rocha SS, Rosal MA. Análise comparativa entre citologia, colposcopia e histopatologia do colo uterino em serviço de ginecologia em um hospital universitário. J. Ciênc. Saúde. 2018; 1 (1): 69-75.

Stofler MECW, Nunes RD, Rojas PFB, Trapani Júnior A, Schneider IJC. Avaliação do desempenho da citologia e colposcopia comparados com a histopatologia no rastreamento e diagnóstico das lesões do colo uterino. Revista ACM. 2011; 40 (3): 30-6.

Origoni M, Prendiville W, Paraskevaidis E. Cervical cancer prevention: new frontiers of diagnostic strategies. Biomed Res Int. 2015.

Favaro CRP, Durant LC, Paterra TSV, Panobianco MS, Gozzo TO. Perfil epidemiológico de mulheres com câncer de colo do útero tratadas em hospital terciário. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro. 2019; 9 (3253).

Bray F, Ferlay J, Soerjomataram I, Siegel RL, Torre LA, Jemal A. Global cancer statistics 2018: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. CA Cancer J Clin. 2018; 68 (6): 394-424.

Shrestha AD, Neupane D, Vedsted P, Kallestrup P. Cervical Cancer Prevalence, Incidence and Mortality in Low and Middle Income Countries: A Systematic Review. Asian Pac J Cancer Prev. 2018; 19(2):319-24.

Guido R. Cervical cancer screening. Clinical obstetrcs and gynecology. Clinical Obstretics and Gynecology. 2017; 61 (1): 40-51.

Souza M, Gonçalves M, Pinto AR. Discrepâncias na correlação de exames colposcopicos, citológicos e histológicos: estudo de caso. Citotech Online – Case Review. 2018; 12-20.

Freitas BG, Pereira GHF, Michelan DD, Carvalho SL, Tavela Junior JS. Citologia oncótica em paciente com síndrome de Herlyn-Werner-Wunderlich com dois resultados diferentes simultaneamente. Revista Científica da UNIFENAS. 2019; 1(2): 12-9.

Bruni L, Albero G, Serrano B, Mena M, Gómez D, Muñoz J, Bosch FX, de Sanjosé S. ICO/IARC Information Centre on HPV and Cancer (HPV Information Centre). Human Papillomavirus and Relater Diseases in the World. Summry report. 2019; p. 98.

International Collaboration of Epidemiological Studies of Cervical Cancer, corp-author. Cervical carcinoma and sexual behavior: collaborative reanalysis of individual data on 15,461 women with cervical carcinoma and 29,164 women without cervical carcinoma from 21 epidemiological studies. Cancer epidemiology, biomarkers & prevention, Philadelphia. 2009; 18(4): 1060-9.

Gomes CHR, Silva JÁ, Ribeiro JÁ, Penna RMM. Cancêr Cervicouterino: Prevenção. Revista Brasileira de Cancerologia. 2012; 58 (1): 41-5.

Silva RC, Silva AC, Peres AL, Oliveira SR. Perfil das mulheres com câncer de colo de útero atendidas para tratamento em centro de oncologia. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2018; 18(4): 685-702.

Musa J, Achenbach CJ, O’Dwyer LC, Evans CT, McHugh M, Hou L, et al. Effect of cervical cancer education and provider recommendation for screening on screening rates: a systematic review and meta-analysis. 2017; 12(9): 1-28.

Martin CM, O‘Leary JJ. Histology of cervical intraepithelial neoplasia and the role of biomarkers. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol. 2011; 25 (5): 605-15.

Tao XH, et al. Efficacy and safety of photodynamic therapy for cervical intraepithelial neoplasia: a systemic review. Photodiagnosis and Photodynamic Therapy. 2014; 11(2): 104-12.

Published

2022-07-06

Issue

Section

Original Papers