A atribuição do ambiente hospitalar na prevalência e disseminação dos microrganismos / The attribution of the hospital environment on the prevalence and dissemination of microorganisms

Authors

  • Gerlan da Silva Rodrigues
  • Luiz Felipe da Cunha Prata
  • Damião Reinnan Silva de Jesus
  • Katiane Gomes de Melo Veras
  • Julyanna Assunção Silva Monteiro
  • Tereza Cristina Barbosa Ribeiro do Vale
  • Rita Karla Pereira de Araújo
  • Ingridy Evangelista Viana Lucena

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-037

Keywords:

microrganismo, sepse, infecções.

Abstract

Muitos fatores corroboram para o risco de transmissão de microrganismos no ambiente hospitalar, como a esterilização e desinfecção inadequada de equipamentos, quebra nas rotinas de limpeza dos setores hospitalares, os instrumentos e mãos dos profissionais de saúde. O presente estudo tem como objetivo analisar a prevalência de microrganismos no ambiente hospitalar pela circulação entre setores por meios das mãos e instrumentos usados por profissionais de saúde.Estudo bibliográfico realizado a partir da seleção de artigos e demais publicações, oriundas do banco de dados de revistas e outras publicações literárias.Os resultados encontrados demonstram que os principais microrganismos circulantes nas unidades hospitalares foram as bactérias como:Pseudomonasaeruginosa, Escherichia coli, Klebsiellapneumoniae, Staphylococcuscoagulase negativa, entre outros, e que a circulação desses patógenos para o meio extra-hospitalar é facilitada pelo contato de forma direta ou indireta entre os pacientes e visitantes. Conclui-se que a circulação microrganismos como as bactérias nas unidades hospitalares é um tema de grande relevância científica, uma vez que influencia diretamente no surgimento de microrganismos cada vez mais resistente a fármacos, fato este que dificulta às opções de tratamento efetivos em diversos quadros de infecções hospitalares graves de diversas doenças.

 

References

ABEGG, PatriciaTerronGhezzi da Mata; SILVA, Ligiane de Lourdes da. Controle de infecção hospitalar em unidade de terapia intensiva: estudo retrospectivo. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, [S.L.], v. 32, n. 1, p. 47-58, 30 jul. 2011. Universidade Estadual de Londrina. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2011v32n1p47. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/3907. Acesso em: 05. ago. 2019.

ALBUQUERQUE, Adriana Montenegro de et al. Infecção cruzada no centro de terapia intensiva à luz da literatura. Rev. Ciênc. Saúde Nova Esperança, Paraíba, v. 1, n. 10, p.78-87, 21 maio 2013. Disponível em: <http://www.facene.com.br/wp-content/uploads/2010/11/INFEC%E2%94%9C%2587%E2%94%9C%2583O-CRUZADA-NO-CENTRO-.pdf>. Acesso em: 05.ago. 2019.

ALVES, L. et al. Hemoculturas: estudo da prevalência dos microrganismos e o perfil de sensibilidade dos antibióticos utilizados em Unidade de Terapia Intensiva. J Health Sci Inst. 2012;30(1):44-7

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA. Segurança do Paciente em Serviços de Saúde – Higienização das Mãos. Brasília, 2009. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/seguranca_paciente_servicos_saude_higienizacao_maos.pdf>. Acesso em 05. ago. 2020.

BARBOSA, Maria EmiliaArcondes; SIQUEIRA, Denise de Carvalho de; MANTOVANI, Maria de Fátima. Controle de infecção hospitalar no paraná: facilidades e dificuldades do enfermeiro. Rev. Sobecc, São Paulo, v. 1, n. 10, p.50-59, set. 2012. Disponível em: <http://sobecc.org.br/arquivos/artigos/2012/Arquivos/artigos/2.pdf>. Acesso em: 05. ago. 2019.

BASSO, Maria Emilhaet al. Prevalence of bacterial infections in patients admitted to an intensive care unit. Rbac, Rio Grande do Sul, v. 1, n. 5, p.1-5, 01 fev. 2016. Disponível em: <http://www.rbac.org.br/artigos/prevalencia-de-infeccoes-bacterianas-em-pacientes-internados-em-uma-unidade-de-terapia-intensiva-uti/>. Acesso em: 13 abr. 2019.

CÂNDIDO, A. L. ; CARNEIRO, Maria Regina Pires ; TUNON, G. I. L.. Microbiologia Geral. 1 ed. 2010. v. 1. 192p

COELHO, M.S.; SILVA, C, Arruda; SIMÕES, SM. Higienização das mãos como estratégia fundamental no controle de infecção hospitalar: um estudo quantitativo. Revista Enfermeria Global, São Paulo, v.10, n.21, p.1-12, 2011. Disponível em: <http://scielo.isciii.es/pdf/eg/v10n21/pt_clinica2.pdf>. Acesso em 05. ago. 2020.

CÂNDIDO, A. L. ; CARNEIRO, Maria Regina Pires ; TUNON, G. I. L.. Microbiologia Geral. 1 ed. 2010. v. 1. 192p

CARVALHO, M. et al. Incidência de bactérias multirresistentes em uma unidade de terapia intensiva. R. Interd. v. 8, n. 2, p. 75-85, abr. mai. jun. 2015

FONTANA, Rosane Teresinha. As infecções hospitalares e a evolução histórica das infecções. Revista Brasileira de Enfermagem, [S.L.], v. 59, n. 5, p. 703-706, out. 2006. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0034-71672006000500021.Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672006000500021&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 05. ago. 2020

JÚNIOR, E. et al. Incidência de Sepse Nocomial Em Adultos De Uma Unidade De Terapia Intensiva, Tubarão (Sc), Em 2013. Arq. Catarin. Med., v. 46, n 4, p. 17-26, 2017. Disponível em: <http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/161/201>. Acesso em 05. ago. 2020.

LOURENÇO, Catarina. Diagnóstico laboratorial em microbiologia clínica: Um estudo no centro hospitalar. dez. 2012. Disponível em: https://run.unl.pt/bitstream/10362/8867/1/Lourenco_2012.pdf. Acesso em: 1 ago. 2020.

MACHADO, Flavia Ribeiro et al . Chegando a um consenso: vantagens e desvantagens do Sepsis3 considerando países de recursos limitados. Rev. bras. ter. intensiva, São Paulo , v. 28, n. 4, p. 361-365, Dec. 2016. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/rbti/v28n4/0103-507X-rbti-28-04-0361.pdf>. Acesso em 05. ago. 2020.

OLIVEIRA, HadelândiaMilon de; SILVA, Cristiane Pavanello Rodrigues; LACERDA, Rúbia Aparecida. Policies for control and prevention of infections related to healthcare assistance in Brazil: a conceptual analysis. Revista da Escola de Enfermagem da Usp, [S.L.], v. 50, n. 3, p. 505-511, jun. 2016. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0080-623420160000400018. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n3/pt_0080-6234-reeusp-50-03-0505.pdf>. Acesso em: 05. ago. 2020.

OLIVEIRA, Adriana Cristina de; DAMASCENO, Quésia Souza. Superfícies do ambiente hospitalar como possíveis reservatórios de bactérias resistentes: uma revisão. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo , v. 44, n. 4, p. 1118-1123, Dec. 2010 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342010000400038&lng=en&nrm=iso>.Acesso em 29 July 2020. https://doi.org/10.1590/S0080-62342010000400038.

OLIVEIRA, et al. Resistência bacteriana e mortalidade em um centro de terapia intensiva. Rev. Latino-Am. Enfermagemnov-dez 2010;18(6):[10 telas]

SILVA, Edilsa Rosa da; SOUZA, Aparecida Sônia de. Introdução ao estudo da microbiologia: teoria e prática. Brasília – Distrito Federal: Editora do IFB, 2013.

SILVA, Marlene das Dores Medeiros. Caracterização epidemiológica microrganismos presentes em jalecos dos profissionais de saúde de um hospital geral [manuscrito]: / Marlene das Dores Medeiros Silva. - - Belo Horizonte: 2011.

SANTOS, Jaciara Aparecida Dias. ESTETOSCÓPIO: instrumento de diagnóstico e de propagação microbiana ? . Revista Saúde e Pesquisa, v. 8, n. 3, p. 577-584, set./dez. 2015 - ISSN 1983-1870 - e-ISSN 2176-9206

SANTOS, Anna Karoeny da Silva et al. Microbiological profile of nosocomial infections at intensive care units. J NursUfpe Online, Recife, v. 10, n. 3, p.1432-1440, abr. 2016.Disponível em :. Acessoem 11 abr.2019

SOUZA, BELEI, et al. Mortalidade e riscos associados a infecção relacionada à assistência à saúde. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2015 Jan-Mar; 24(1): 220-8.

SANTOS, Anna Karoeny da Silva et al. Microbiological profile of nosocomial infections at intensive care units. J NursUfpe Online, Recife, v. 10, n. 3, p.1432-1440, abr. 2016.Disponível em :.Acessoem05.ago.2019

UJVARI, Stefan Cunha. A história da disseminação dos microrganismos. Estudos Avançados, [S.L.], v. 22, n. 64, p. 171-182, dez. 2008. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0103-40142008000300011. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S010340142008000300011&1ng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 05. ago. 2020.

Published

2022-07-07

Issue

Section

Original Papers