Avaliação da efetividade dos métodos não farmacológicos no alívio da dor durante o trabalho de parto / Evaluation of the effectiveness of non-pharmacological methods in pain relief during labor

Authors

  • Nayara Susanne Silveira
  • Mônica das Graças de Azevedo

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-049

Keywords:

trabalho de parto, dor, manejo da dor, métodos não farmacológicos, terapias complementares, enfermagem.

Abstract

Objetivo: avaliar a efetividade dos métodos não farmacológicos de alivio da dor no trabalho de parto. Método: trata-se de uma pesquisa observacional descritiva, transversal de abordagem quantitativa. A coleta de dados foi definir o grau de dor por meio da escala visual analógica de dor antes e após a aplicação dos métodos não farmacológicos de acordo com os critérios de inclusão estabelecidos. Resultados: a amostra final contou com 27 pacientes, após análise por meio do teste de normalidade Shapiro  Wilk, foi definido a apresentação dos resultados em mediana e quartis. Foi observado melhora da dor nos métodos de respiração orientada, massagem e banho morno. Conclusão: os métodos não farmacológicos são de suma importância para alívio da dor no trabalho de parto, cabendo ao enfermeiro obstetra acompanhar orientar e auxiliar a mulher durante o processo.

 

References

Secretaria do Estado de Minas Gerais. Atendimento Multidisciplinar à Gestante em Trabalho de Parto. Protocolo Clinico, Belo Horizonte, 2011.

Motta SAMF, et. al. Implementação da humanização da assistência ao parto natural.Revista de Enfermagem UFPE, 2016, 10(2), p 593-99, [citado em 02 de abril de 2020]. DOI:10.5205/reuol.8557-74661-1-SM1002201628

American CollegeofObstetriciansandGynecologists. Guidelines para monitorização fetal intraparto - resumo do novo consenso da FIGO de 2015. ACOG, 2016, 10(1), p. 8-11.

Cavalcanti ACV, et al. Terapias Complementares no trabalho de parto: ensaio clínico randomizado. Revista Gaucha de Enfermagem, 2019, 40 [citado em: 10 abril de 2020]. DOI:10.1590/1983-1447.2019.20190026

Prendiville WJ, Elbourne D, McDonald S. Active versus expectant management in thethirdstageoflabour (Cochrane Review). The Cochrane Library, Issue 1, 2010. Oxford: Update Software; [citado em: 20 de abril de 2020]. DOI: 10.1002 / 14651858.CD000007

Yeung, MPS, Tsang, KWK, Yip, BHK et al. Bola de parto para gestantes em protocolo de pesquisa trabalhista: um estudo controlado randomizado multicêntrico. BMC Gravidez Parto, 2019, 19, p. 153; [citado em: 08 de março de 2020]. DOI: 10.1186/s12884-019-2305-8.

Lehugeur D, Strapasson, MR, Fronza E. Manejo não Farmacológico de alívio da dor em partos assistidos por enfermeira obstétrica. Revista de Enfermagem UFPE, 2017, 11(12), p. 4929-37[citado em: 7 de maio de 2020]. DOI: 10.5205/1981-8963 -v11i12a22487p4929-4937-2017.

Ministério da Saúde, Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal: versão resumida. Brasilia-DF, 2017, p 51.

Araújo ASC, et. al. Métodos não Farmacológicos no parto domiciliar. Revista de Enfermagem UFPE, 2018, 12(4), p. 1091-6; [citado em: 07 de maio de 2020]. DOI:10.5205/1981-8963-v12i4a230120p1091-1096-2018.

Silva JSSA, Ribeiro JN, Corrêa LP. Bola suíça no trabalho de parto: Revisão de Literatura. Braz. J. ofDevelop., 2019 ,5(12), p. 32867-32876[citado em: 04 de abril de 2020]. DOI: 10.34117/bjdv5n12-344.

Araújo AE, et.al. Prescriptionofbreathingorientationsgivenbythehealthcareteamduring labor: a cross-sectionalstudy. O mundo da saúde, 2018, 42(3), p. 628-41; [citado em: 10 de abril de 2020]. DOI: 10.15343/0104-7809.20184203628641

Cluett ER, Burns E, Cuthbert A. Imersão em agua no trabalho de parto. CochraneDatabaseofSystematicReviews2018,Issue5.Art.No.:CD000111. [citado em: 10 de junho de 2020]. DOI: 10.1002/14651858.CD000111.pub4.

Araújo AE, et.al. Prescription of breathing orientations given by the healthcare team during labor: a cross-sectional study. O mundo da saúde, 2018, 42(3), p 628-41. [citado em 02 de maio de 2020]. DOI: 10.15343/0104-7809.20184203628641.

Ingvild A, Amundsen HH, Skaget LC. Is a midwife’scontinuouspresenceduringchildbirth a matterofcourse?Midwives’.experiencesandthoughtsaboutfactorsthatmayinfluencetheircontinuoussupportofwomenduringlabour . Midwifery ,2014, 30(1), p. 89-95; [citado em: 12 de abril de 2020]. DOI: 10.1016 / j.midw.2013.02.001.

Boateng, EA, Kumi, LO &Diji, AK Experiências de enfermeiras e parteiras no uso de intervenções não farmacológicas para o tratamento da dor no trabalho de parto: um estudo qualitativo em Gana. BMC Gravidez Parto, 2019, 19, p.168; [citado em: 06 de junho de 2020]. DOI: 10.1186 / s12884-019-2311-x

InternationalAssociation for theStudyofPain (IASP). Faces painscale. [citado em: 02 de março de 2021]. Disponível: http://www.iasp-pain.org/Content/NavigationMenu/GeneralResourceLinks/FacesPainScaleRevised/default.htm

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, Diário Oficial da União, 12 dez. 2012.

Mielke KC, Gouveia HG, Gonçalves CA. A prática de métodos não farmacológicos para o alívio da dor de parto em um hospital universitário no Brasil. 2019. AvEnferm, 37(1): 47-55. DOI: 10.15446/av.enferm.v37n1.72045.

Majed S. Alshahrani , MD. Anevaluationofthediferente typesof labor painrelief, preferredmethodsofpainrelief, andeffectsof social media onawarenessandknowledgeamongpregnantwomen. A cross-sectionalstudy in theKingdomof Saudi Arabia. Saudi Medical Journal September 2019, 40 (9) 914-921; [citado em 02 de março de 2021]. DOI: 10.15537/smj.2019.9.24511

AlmeidaJM, AcostaLG, PinhalMG. Conhecimento das puérperas com relação aos métodos não farmacológicos de alívio da dor do parto. REME- Revista Mineira de Enfermagem, 2015, 19(3), [citado em 01 de março de 2021]. DOI: 10.5935/1415-2762.20150054

Thomson G, Feeley C, Moran VH, Downe S, Oladapo OT. Experiências femininas de métodos farmacológicos e não farmacológicos de alívio da dor no trabalho de parto e parto: uma revisão sistemática qualitativa. Reprod. Health. 2019; 16: 71 [citado em 01 de março de 2021]. DOI:10.1186 / s12978-019-0735-4

Medeiros J, HamadGBNZ, Costa RRO, Chaves AEP, Medeiros SM.MÉTODOS NÃO FARMACOLÓGICOS NO ALÍVIO DA DOR NO PARTO: PERCEPÇÃO DE PUÉRPERAS.REVISTA ESPAÇO PARA A SAÚDE, Londrina, 16 (2), p. 37-44. [citado em 02 de março de 2021]. DOI: 10.22421/15177130-2015v16n2p37

Davim RMB, Torres GV, Dantas JC. Efetividade de estratégias não farmacológicas no alívio da dor de parturientes no trabalho de parto. Rev. esc. enferm. USP, 2009. vol.43 no.2. [citado em 02 de março de 2021]. DOI: 10.1590/S0080-62342009000200025

Organização Mundial de Saúde. Maternidade segura. Assistência ao parto normal: um guia prático. Genebra: OMS; 1996.

SILVA TMA, GÓIS GAS , FILGUEIRAS TF , CANDEIA RMS. Significados e práticas da equipe de enfermagem acerca do parto humanizado: uma revisão de literatura. Braz. J. ofDevelop., 2019, 26(1), p.90-94. [citado em 02 de março de 2021]. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20190306_114700.pdf

Published

2022-07-12

Issue

Section

Original Papers