Instrumentos utilizados por fisioterapeutas para a avaliação de pacientes com sequelas de acidente vascular cerebral / Instruments used by physiotherapists for the evaluation of patients with stroke sequelae

Authors

  • Maria Herlândia Lima do Nascimento
  • Vanessa Vilela
  • Thalita Evelyn da Silva Gonçalves
  • Rafaela Pessoa Santana

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-051

Keywords:

avaliação, acidente vascular cerebral, fisioterapia.

Abstract

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma doença neurológica, causada pela interrupção da circulação sanguínea cerebral, por meio de uma hemorragia ou uma isquemia. Essa interrupção resulta em falta de oxigênio para o cérebro, o que gera lesões cerebrais e perda da função da região do corpo que é controlada pela área do cérebro que foi acometida. As complicações do AVC podem desencadear muitas sequelas em partes sensitivas, motoras e cognitivas. Diante disso é muito importante a realização de um processo de reabilitação, no qual é necessária uma avaliação precisa do fisioterapeuta responsável. Tal avaliação deve envolver anamnese e exame físico, combinado a instrumentos como testes, escalas e questionários, pois eles fornecem dados para o planejamento e priorização do tratamento, e também para monitorar a evolução desses pacientes, permitindo ainda identificar se há necessidade de reajuste da intervenção e contribuindo para o prognóstico.   Objetivo: Analisar instrumentos utilizados por fisioterapeutas para a avaliação de pacientes com sequelas de AVC. Métodos: Este estudo foi elaborado a partir de uma revisão da literatura nas bases de dados PubMed e Scielo, de caráter exploratório, no período de 2005 a 2020. Foram utilizados os seguintes descritores: “Avaliação”, “Acidente vascular encefálico” e “Fisioterapia”, relacionados também com seus sinônimos e termos semelhantes em inglês “Measurement”, “Stroke” e “Physiotherapy”. Resultados: Foram encontrados nas bases de dados um total de 201 artigos, dos quais 22 foram selecionados e continham os desfechos de interesse desta revisão. Conclusão: Os testes, escalas e questionários utilizados para avaliar indivíduos com sequelas de AVC são confiáveis, validados e alguns deles podem ser instrumentos indicadores da gravidade de comprometimentos motores, sensitivos e cognitivos. Isso facilita e incentiva fisioterapeutas a utilizarem-nos em sua prática clínica, permitindo que esses profissionais tenham mais segurança para o planejamento do tratamento, maior capacidade para ajustes nas medidas de intervenção, assim como maior controle e precisão da evolução desses pacientes.

References

AGUIAR, L.T.; MARTINS, J.C.; LARA, E.M.; ALBUQUERQUE, J.A.; SALMELA, T. L.F. FARIA, C.D.C.M. Dynamometry for the measurement of grip, pinch, and trunk muscles strength in subjects with subacute stroke: reliability and different number of trials. Braz J Phys Ther. 2016 Sept-Oct; 20(5):395-404.

ALGHADIR, A.H.; AL-EISA, E.S.; ANWER, S.; SARKAR, B. Reliability, validity, and responsiveness of three scales for measuring balance in patients with chronic stroke. BMC Neurology. 2018.

BARBOSA, M.T.L.M.J. Custos e efetividade da reabilitação após Acidente Vascular Cerebral: uma revisão sistemática. Dissertação de Mestrado em Gestão e Economia da Saúde, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra para obtenção do grau de Mestre, Coimbra, 2012.

BLOEMENDAAL, M.V.; BOUT, W.; BUS, S.A.; NOLLET, F.; GEURTS, A.C.H.; BEELEN, A. Validity and reproducibility of the Functional Gait Assessment in persons after stroke. Clinical Rehabilitation. 2019, Vol. 33(1) 94–103.

BLUM, L.; BITENSKY, K.N. Usefulness of the berg balance scale in stroke rehabilitation: a systematic review. Physical Therapy. 2008.

BRAUN, T.; MARKS, D.; THIEL, C.; GRÜNEBERG, C. Reliability and validity of the de Morton Mobility Index in individuals with sub-acute stroke. Disability and rehabilitation. 2018.

BRITO, R.G; LINS, L.C.R.F.; ALMEIDA, C.D.A.; RAMOS, N.E.S.; ARAÚJO, D.P; FRANCO, C.I.F. Instrumentos de Avaliação Funcional Específicos

Para o Acidente Vascular Cerebral. Rev Neurocienc 2013;21(4):593-599.

CACHO, E.W.A.; MELO, F.R.L.V.; OLIVEIRA, R. Avalição da recuperação motora de pacientes hemiplégicos através do protocolo de desempenho físico Fulg-Meyer. Rev Neurocienc 2004;12(2):94-102.

CHAN, P.P.K.; SI TOU, J.I.F.; TSE, M.M.Y.; NG, S.S.M. The Reliability and Validity of the Timed Up and Go (Motor) Test for People with Chronic Stroke. Archives of physical medicine and rehabilitation. 2017.

CHENG, D.K.; NELSON, M.; BROOKS, D.; SALBACH, N.M. Validation of stroke-specific protocols for the 10-meter walk test and 6-minute walk test conducted using 15-meter and 30-meter walkways. Topics in Stroke Rehabilitation. 2019.

CORREIA, J.N.; OLIVEIRA, M.Z. Avaliação do risco de acidente vascular cerebral em pacientes com hipertensão arterial sistêmica. Ciência et Praxis. 2011;4(7):21- 26.

Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Acidente Vascular Cerebral. 2016. Disponível em: bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_reabilitacao_acidente_vascular_cerebral.pdf. Acesso em 16 de abril de 2021.

D'ISABELLA, N.T.; SAHKREDOVE, D.A.; RICHARDSON, J.A.; TANG, A. Effects of exercise on cardiovascular risk factors following stroke or transient ischemic attack: a systematic review and meta-analysis. Clin Rehabil. 2017 Dec;31 (12): 1561-1572.

EKSTRAND, E.; LINDGREN, I.; LEXELL, J.; BROGÅRDH, C. Test-Retest Reliability of the ABILHAND Questionnaire in Persons With Chronic Stroke. American Academy of Physical Medicine and Rehabilitation. 2014 April Vol. 6, 324-331.

FAGUNDES, J.S.; BINDA, A.C.; FARIA, J.G.; PERES, D.; MICHAELSEN, S.M. Instrumentos de avaliação sensorial pós-acidente vascular encefálico (AVE) descritos em português: uma revisão sistemática. Fisioter Pesq. 2015;22(4):435-42.

FREITAS, A.S.; et al. Jogo educativo sobre acidente vascular cerebral para pré-adolescentes. Mostra Interdisciplinar do curso de Enfermagem, v.02, n.2, 2016.

HAFSTEINSDÓTTIR, T.B.; RENSINK, M.; SCHUURMANS, M. Clinimetric Properties of the Timed Up and Go Test for Patients With Stroke: A Systematic Review. Topics in stroke rehabilitation. 2014.

HONG S.J.; GOH, E.Y.; CHUA, S.Y.; NG, S.S. Reliability and Validity of Step Test Scores in Subjects With Chronic Stroke. Arch Phys Med Rehabil. 2012, Vol. 93,1065-71.

LIMA, N.M.F.V.; RODRIGUES, S.Y.; FILLIPO, T.M.; OLIVEIRA, R.; OBERG, T.D.; CACHO, E.W.A. Versão brasileira da Escala de Comprometimento do Tronco: um estudo de validade em sujeitos pós-acidente vascular encefálico. Fisioterapia e Pesquisa. 2008, v.15, n.3, p.248-53.

MACCHIAVELLI, A.; GIFFONE, A.; FERRARELLO, F.; PACI, M. Reliability of the six-minute walk test in individuals with stroke: systematic review and meta-analysis. Neurological Sciences. 2020.

MAKI, T.; QUAGLIATO, E.M.A.B.; CACHO, E.W.A.; PAZ, L.P.S.; NASCIMENTO, N.H. INOUE, M.M.E.A.; VIANA, M.A. Estudo de confiabilidade da aplicação da escala de fugl-meyer no Brasil. Rev. bras. fisioter. Vol. 10, No. 2 (2006), 177-183.

MEHRHOLZ, J.; WAGNER, K.; RUTTE, K.; MEINER, D.; POHL, M. Predictive Validity and Responsiveness of the Functional Ambulation Category in Hemiparetic Patients After Stroke. Arch Phys Med Rehabil. 2007, v.88:1314-9.

MONG. Y.; TEO, T.W.; NG, S.S. 5-repetition sit-to-stand test in subjects with chronic stroke: reliability and validity. Arch Phys Med Rehabil. 2010, v.91:407-13.

OLIVEIRA, R.R. Análise dos fatores de risco associados ao acidente vascular encefálico em adultos jovens [tese]. Goiânia, Goiás: Pontifícia Universidade Católica de Goiás; 2012.

PEREIRA, N.D.; MICHAELSEN, S.M.; MENEZES, I.S.; OVANDO, A.C.; LIMA, R.C.M.; SALMELA, T. L.F. Confiabilidade da versão brasileira do Wolf Motor Function Test em adultos com hemiparesia. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2011 maio/jun v. 15, n. 3, p. 257- 65.

PÉREZ, P.E.R.; RODRÍGUEZ, F.I.; CEBREIRO, P.J.M. National Institutes of Health Stroke Scale, modified Rankin Scale, and modified Thrombolysis in Cerebral Infarction as autonomy predictive tools for stroke patients. Rev. Neurosci. 2019.

RODRIGUES, M.S.; SANTANA, L.F.; GALVÃO, I.M. Fatores de risco modificáveis e não modificáveis do AVC isquêmico: uma abordagem descritiva. Rev Med. 2017;96(3):187-192.

SANCHES, T.; TOMAZ G.O.; CARVALHO M.P. Ebook AVC Fisioterapia Neurofuncional, 2020. Disponível em: https://linktr.ee/cerne.oficial acessado em 16 de abril de 2021.

SHI, D.; CHEN, X.; LI, Z. Diagnostic test accuracy of the Montreal Cognitive Assessment in the detection of post-stroke cognitive impairment under diferente stages and cutoffs: a systematic review and meta-analysis. Neurological Sciences. 2018.

SULLIVAN, K.J.; TILSON, J.K.; CEN, S.Y.; ROSE, D.K.; HERSHBERG, J.; CORREA, A.; GALLICHIO, J.; MCLEOD, M.; MOORE, C.; WU, S.S.; DUNCAN, P.W. Fugl-Meyer Assessment of Sensorimotor Function After Stroke Standardized Training Procedure for Clinical Practice and Clinical Trials. Strokeahajounals. 2011 Feb;42(2):427-32.

TUCAK, C.; SCOTT, J.; KIRKMAN. A.; SINGER, B. Relationships between initial Motor Assessment Scale scores and length of stay, mobility at discharge and discharge destination after stroke. NZ J Physiother. 2010;38(1):7-13.

WANG, T.; LIN, K.; WU, C.; CHUNG, C.; PEI, Y.; TENG, Y. Validity, Responsiveness, and Clinically Important Difference of the ABILHAND Questionnaire in Patients With Stroke. Phys Med Rehabil. 2011, v.92:1086-91.

WHITALL, J.; DOUGLAS JR, S.N.; LOVE, H.M.; WALLER, S.M. Psychometric Properties of a Modified Wolf Motor Function Test for People With Mild and Moderate Upper-Extremity Hemiparesis. Arch Phys Med Rehabil. 2006.

ZAQUELINE, F.G.; CARLA M.E.; PÉRSIO, R.M.V. J.; PRISCILLA, A.S. Avaliação da capacidade funcional pós acidente vascular cerebral (AVC). Rev Bras Cien Med Saúde. 2017;5(5):1-5.

Published

2022-07-13

Issue

Section

Original Papers