Relato de experiência – late no serviço de atendimento móvel de emergência (SAMU) em 2019 / Experience report - late in the mobile emergency care service (SAMU) in 2019

Authors

  • Renata dos Santos Mota
  • Jedalva Elias dos Santos
  • Paloma Luiza Santos de Almeida
  • Erica Rodrigues Lins de Oliveira
  • Ana Luiza Machado Souza
  • Adalberto Santana Cruz Junior
  • Fernanda Alves Barbosa
  • Carlos Vitorio de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-053

Keywords:

enfermagem em emergência, educação, ambulâncias, medicamentos de emergência, enfermeiros.

Abstract

Introdução A Política Nacional de Atenção à Urgência e Emergência (PNAU), instituída em setembro de 2003, tem a finalidade de intermediar a atenção básica e os serviços de média e alta complexidade, e como parte desta política, o SAMU - 192, auxilia na constituição do atendimento na rede de urgência e emergência à população 24 horas por dia.  O enfermeiro tem sua presença obrigatória no Atendimento Pré-Hospitalar (APH) definida na Resolução nº 375 de 22 de março de 2011(²), do Conselho Federal de Enfermagem. Diante disso, a Liga Acadêmica de Trauma e Emergência Profº Irany Salomão–LATE, da Universidade Estadual de Santa Cruz, em parceria com o SAMU-Ilhéus, viabilizaram um estágio extracurricular para os ligantes, em vista da necessidade de ampliar a visibilidade e promover conhecimento e vivências de assistência de enfermagem no ambiente pré-hospitalar. Objetivo: Pretende-se relatar a experiência de acadêmicos de enfermagem nas atividades desenvolvidas no estágio extracurricular no SAMU-Ilhéus.  Métodos: O estágio ocorreu no período de dezembro 2019 a fevereiro de 2020, com plantões de 12 horas semanais. Os acadêmicos receberam treinamento teórico sobre o atendimento básico e avançado, com os seguintes temas: atendimento inicial ao politraumatizado, Suporte Básico de Vida, medidas avançadas de ressuscitação cardiopulmonar, crises convulsivas, entre outros. Resultados: Durante as vivências, foram presenciados casos de obstrução de vias aéreas, perfuração por arma de fogo, perfuração por arma branca, crises convulsivas e metabólicas, acidente vascular encefálico, traumas por acidentes de trânsito, paradas cardiorrespiratórias e outros. Como resultado, os acadêmicos perceberam a importância a qual os profissionais enfermeiros precisam estar capacitados para o atendimento pré-hospitalar, tema pouco abordado durante a formação acadêmica. Os estudantes, uma vez formados precisam estar capacitados, e isso despertou nos discentes a avidez de aprofundar seus estudos sobre Atendimento Pré-Hospitalar, dos quais foram preparados para atuar em situações de urgência e emergência e estimulados a valorizar o serviço. Além dos ligantes desenvolverem habilidades e confiança, também adquiriram novos saberes para contribuir com a sociedade, enquanto cidadãos, ao passar para população informações sobre o serviço realizado pelo SAMU, tornando-o mais conhecido e valorizado. Conclusão: Dessa forma, o estágio no serviço sob a forma de plantões foi bastante favorável e serviu para o melhor entendimento do conteúdo teórico estudado e para o treinamento prático, e evidenciou que a parceria da LATE-UESC com o serviço do SAMU foi muito significativa e bem-sucedida no aprendizado dos educandos de enfermagem sobre a rede urgências e emergências no Atendimento Pré-Hospitalar.

References

Brasil. Ministério da Saúde. Política nacional de atenção às urgências / Ministério da Saúde. – 3. ed. ampl. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006. 256 p.: il. – (Série E. Legislação de Saúde).

BRASIL. Resolução COFEN nº 375 de 22 de março de 2011. Dispõe sobre a supervisão direta das atividades de enfermagem no pré-hospitalar por enfermeiros pelo Ministério da Saúde conforme portaria 2011.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. 9394/1996. Artigo 207 - Constituição Federal / 1988.

CICONET, R. M.; MARQUES, G. Q.; LIMA, M. A. D. da S.; Educação em serviço para profissionais de saúde do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU): relato da experiência de Porto Alegre-RS. v.12, n.26, p.659-66, jul./set. 2008.

SANTOS, K. A.; VILELA, A. B. A.; DUARTE, A. C. S.; CRUZ, N. M.; SANTOS, K. A.; VIEIRA, S. N. S. Sentimentos vivenciados por discentes durante as práticas: implicações no processo de aprendizagem. Revista Cuidarte, Bucaramanga, v.11 n.1 Jan/Apr 2020. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2216-09732020000100300&lang=pt. Acesso em: 28 jan. 2021.

SOUZA, J. G. S.; PEREIRA, R. S.; CARLOS, J. F.; ABREU, A. A.; PINHEIRO, A. N.; ABREU, R. M. S. X.; SILVA, R. L.; NASCIMENTO, J. A. Estágio extracurricular como ferramenta potencializadora para a formação do enfermeiro: relato de experiência. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 11, nov. 2020. DOI 10.34117/bjdv6n11-256. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/19805/15867. Acesso em 29 jan. 2021.

Published

2022-07-13

Issue

Section

Original Papers