Declínio funcional das extremidades de membros superiores e membros inferiores em uma unidade de terapia intensiva / Functional decline of the extremities of upper and lower members in an intensive care unit

Authors

  • Ellen Antônia Barros Mendes
  • Wanessa Karen Bueno Divino
  • Dalila Beatriz da Silva
  • Robert Henrique de Oliveira
  • Jorge Luiz de Brito
  • Mônica Beatriz Ferreira
  • José Roberto Sostena Neto
  • Viviane Cristine Ferreira

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-072

Keywords:

unidade de terapia intensiva, avaliação da deficiência, fisioterapia, punho, tornozelo.

Abstract

O imobilismo no leito pode ser associado ao paciente crítico na unidade de terapia intensiva (UTI), a considerar que o período de internação hospitalar predispõe fraqueza generalizada, acometendo diversos sistemas. Objetivou-se, por meio de uma pesquisa de campo, descritiva e quantitativa, identificar os fatores predispostos ao declínio funcional das extremidades de membros superiores e inferiores em pacientes internados em 24 horas e mais em unidade de terapia intensiva, pautando-se na justificativa de que a avaliação precoce do declínio de punho e tornozelo nesses indivíduos favorece maior independência e funcionalidade pós-alta hospitalar. Justifica-se na assertiva de que a Fisioterapia, enquanto ciência do movimento humano, vem sendo ressaltada em suas funções e importância na área hospitalar. A amostra foi composta por 20 pacientes críticos, submetidos a avaliações fisioterápicas, utilizando-se e escalas para a coleta dos dados necessários: Escala de Cirtometria e Escala de Goniometria – para as medidas de membros superiores e membros inferiores; Escala de Coma de Glasgow (ECG) – para o nível de consciência a; Escala de Richmond Agitation-SedationScale (RASS) – para o nível de agitação e sedação e; Escala Medical Research Counsil (MRC) – para quantificar a força muscular. Os dados coletados foram tratados estatisticamente, pelo software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 21.0. Concluiu-se que os 20 pacientes internados em 24 horas e mais em UTI não apresentaram declínio funcional das extremidades de membros superiores e inferiores; contudo, uma discreta redução de amplitude do movimento foi percebida entre os pacientes homens quando comparando aos resultados apresentados pelas pacientes mulheres.

References

AGÊNCIA IBGE NOTÍCIAS. Idosos indicam caminhos para uma melhor idade. Revista Retratos, 19 mar. 2019. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/24036-idosos-indicam-caminhos-para-uma-melhor-idade>. Acesso em: 28 fev. 2021.

AMERICAN COLLEGE OF SURGIONS COMMITTEE ON TRAUMA. Advanced Trauma Life Suport, 10 ed. 2018.

BARBOSA, T. P. et al. Associação entre nível de sedação e mortalidade de pacientes em ventilação mecânica em terapia intensiva. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v. 54, n.3, 2020.

BLAIR, R. C.; TAYLOR R. A. VIEIRA, D. Bioestatística para ciências da saúde. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional. Nota Técnica. 2004. Disponível em: <http://tabnet.datasus.gov.br/cgi-win/SISVAN/CNV/notas_sisvan.html>. Acesso em: 28 fev. 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: <https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf>. Acesso em: 26 fev. 2021.

CALLES A. C. N., et al. O impacto da hospitalização na funcionalidade e na força muscular após internamento em unidade de terapia intensiva. Interfaces Cientificas Saúde e Ambiente, v.5, n.3, p.67-76, 2017.

CASTRO, A. Mobilidade torácica: confiabilidade da cirtometria. Life Style, v. 5, n. 1, p. 61-75, 7 dez. 2018.

CAVALCANTI, I. F. D. M.; SILVA, A. C. B.; DA SILVA, A. K.; DA SILVA GOMES, B. M.; FERREIRA, Y. A.; DE LIMA JUNIOR, A. A. Assistência de enfermagem aos idosos portadores do mal de Alzheimer. Revista Saúde-UNG-Ser, v. 11, n. 1, p. 58, 2019.

CORDEIRO, A. L. L., et al. Análise do grau de independência funcional pré e na alta da UTI em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca. Revista Pesquisa em Fisioterapia, v. 5, n.1, p. 21-27, abr. 2015.

DIAZ-GUZMAN, E.; SANCHEZ, J.; ARROLIGA, A. C. Update in intensive care medicine: studies that challenged our practice in the last 5 years. Cleve Clin J Med, v. 78, n.1, p. 665-674, 2011.

DIETRICH, C., et al. Funcionalidade e qualidade de vida de pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva. Assobrafir Ciência, v. 5, n.1, p. 41-51, 2014.

FARIA, L. M. Impacto do processo de internação em UTI na funcionalidade de pacientes adultos ventilados mecanicamente. Dissertação (Mestrado em Fisioterapia) – Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2013.

FARIA, A. M. et al. Utilização da Escala do Medical Research Council no desmame em pacientes críticos: revisão de literatura. Rev. Educ. Saúde, v.6, n.2, p. 125-132, 2018.

FERREIRA, V. D., et al. Relação entre força muscular periférica e funcionalidade em pacientes críticos. Conscientia e Saúde, v. 17, n.3, p. 315-321, 2018.

FREITAS, E. M.; MIQUQLOTI, A. F. Intervenção da fisioterapia na mobilização precoce em unidade hospitalar com ênfase em UTI: uma revisão. Revista de Humanidades, Ciências Sociais e Cultura, v.2, n.1, p. 14-26, jan-jun.de 2020

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HOLSTEIN, J. M.; VASTRO, A. A. M. Benefícios e métodos da mobilização precoce em UTI: uma revisão sistemática. LifeStyle Journal, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 7-22, 2019.

JESUS. F. S., et al. Declínio da mobilidade dos pacientes internados em unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira Terapia Intensiva, v. 28, n.2, p.114-119, 2016.

JORNAL DA USP. Em 2030, o Brasil terá a quinta maior população idosa do mudo. Redação, 7 jun. 2018. Disponível em: <https://jornal.usp.br/atualidades/em-2030-brasil-tera-a-quinta-populacao-mais-idosa-do-mundo/>. Acesso em: 28 fev. 2021.

JÚNIOR, B. R. V. N.; MARTINEZ, B. P.; NETO, M. G. Impacto do internamento em unidade de cuidados intensivos na amplitude de movimento de pacientes graves: estudo piloto. Rev. Bras. Ter. Intensiva, v. 26, n.1, jan./mar. 2014.

MACHADO, A. S.; NUNES, R. D.; REZENDE, A. A. B. Intervenções fisioterapêuticas para mobilizar precocemente os pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva: estudo de revisão. Revista Amazônia Science & Health, v.4, n.2, p.41-46, 2016.

MANUAL DE GONIOMETRIA. Medição dos ângulos articulares. 2016. Disponível em: <http://acegs.com.br/wp-content/uploads/2016/06/MANUAL-DE-GONIOMETRIA-FINAL.pdf>. Acesso em: 12 fev. 2021.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos da metodologia científica. 8 ed. São Paulo: Atlas, 2017.

MARTINEZ, B. P., et al. Declínio funcional em uma unidade de terapia intensiva (UTI). Revista Inspirar Movimento e Saúde. v. 5, n.1, 2013.

MOECKE, D. M. P.; BÍSCARO, R. R. M. Análise do estado funcional de pacientes críticos internados em unidade de terapia intensiva. Fisioterapia Brasil, v. 20, n.1, p.17-26, 2019.

NAMIGAR, T. et al. Correlação entre a escala de sedação de Ramsay, escala de sedação-agitação de Richmond e escala de sedação-agitação de Riker durante sedação com midazolam-remifentanil. Rev. Bras. Anestesiologia, Campinas, v. 67, n. 4, p. 347-354, jul. 2017.

PARENTE, L. M. Avaliação da capacidade funcional dos pacientes em terapia intensiva. 2015. Disponível em: <https://bdm.unb.br/bitstream/10483/15288/1/2015_LaysedeMedeirosParente.pdf>. Acesso em: 18 fev. 2021.

PERES, N. T., et al. Avaliação da independência funcional em pacientes críticos até 90 dias após alta da UTI. Fisioterapia Brasil, v.19, n. 2, p 162-170, 2018.

PINTO, B. F. et.al. Efeitos sistêmicos da mobilização precoce em pacientes adultos internados na unidade de terapia intensiva: revisão atualizada. Fisioterapia Brasil, v.19, n.6, p.857-865, 2018.

SANTOS, F. et al. Relação entre mobilização precoce e tempo de internação em uma unidade de terapia intensiva. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, Santa Catarina, v. 6, n. 2, p.1394-1407, fev. 2015.

SANTOS, L. J., et al. Avaliação funcional de pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva adulto do Hospital Universitário de Canoas. Fisioterapia em Pesquisa, v. 24, n.4, p. 437-443, 2017.

SILVA, M. S. P., et al. Fatores de risco associados ao infarto agudo do miocárdio. Revista Interdisciplinar em Saúde, Cajazeiras, v,6, n.1, p. 29-43, abr./jun. 2019.

SILVA, T. L. S., et al. Conhecimento dos enfermeiros sobre drogas vasoativas. Rev Enferm. UFPE, v.13 [on line]. 2019. Disponível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/239528>. Acesso em: 28 fev. 2021.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. 2010. Disponível em: <http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_associados.pdf>. Acesso em: 27 fev. 2021.

TORRES, A. S. C. Os efeitos e protocolos da mobilização precoce: uma revisão bibliográfica. Revista Interfaces da saúde, v. 4, n. 1, p. 15-22, 2017.

WIETHAN, J. R. V, et al. Avaliação da funcionalidade e qualidade de vida em pacientes críticos: série de casos. Revista Acta Fisiátrica, v. 24, n 1, p.7-12, 2017.

ZAMORA, V. E. C.; CRUZ, M. R. Polineuromiopatia do paciente crítico: uma revisão da literatura. Revista HUPE, v. 12, n.3, p.118-129, 2013.

Published

2022-07-18

Issue

Section

Original Papers