Análise de práticas de autocuidado e a utilização de tecnologias digitais em idosos na atenção primária à saúde / Analysis of self-care practices and the use of digital technologies in the elderly in primary health care

Authors

  • Priscila da Silva Bezerra
  • Geruza Paiva Marques
  • Rafaela Pessoa Santana

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-074

Keywords:

idosos, tecnologias em saúde, autocuidado, atenção primária.

Abstract

INTRODUÇÃO: O envelhecimento populacional tem se tornado evidente nas últimas décadas e essa mudança contribuiu para uma transição gradual na estrutura da pirâmide populacional. Esta transformação só foi possível devido as mudanças nas condições de vida da população e os avanços da medicina no combate a enfermidades. Com o aumento expressivo da população idosa, faz-se necessário a adoção de estratégias políticas e sociais para atender às demandas necessárias para este público. Uma delas é o incentivo a participação mais ativa na sociedade, inclusive nas atividades tecnológicas, já que apesar do avanço e melhor acessibilidade das tecnologias atuais, os idosos ainda são o grupo mais excluído digitalmente. OBJETIVO: Analisar as práticas de autocuidado e a utilização de tecnologias digitais em idosos na atenção primária à saúde. MATERIAIS E MÉTODOS: Estudo exploratório, transversal e descritivo, com abordagem quantitativa, desenvolvido em Unidades Básicas de Saúde (UBS) da Cidade de Fortaleza- CE. Foi utilizada uma versão adaptada do questionário BRAZIL OLD AGE SCHEDULE (BOAS), sobre dados sociodemográficos, percepção de saúde, práticas de autocuidado e utilização de tecnologias que possibilitem comunicação e interação social. RESULTADOS: Foram avaliados 104 idosos, sendo 51% (n=53) do sexo feminino, 58 (55,8%) referiu uma percepção negativa de saúde, porém , 60,6% (n=63) afirma manter uma alimentação saudável, 85,6 (n=89) reforçou acreditar que a prática de atividade regular é importante, porém apenas 33,7% (n=35) afirmaram realizar prática de algum tipo de atividade física, 54,8% (n=57) acreditam não ser possível que através de aplicativos pode-se auxiliar na melhoria da saúde e da qualidade de vida, 62,5% (n=65) não possui dispositivos com acesso à internet e cerca de 63,5% (n=66) responderam não saber acessar internet através de dispositivos móveis. CONCLUSÃO: Observou-se que a amostra é adepta a práticas simples de autocuidado. Contudo, no que se refere ao uso de tecnologias, foi observado pouca adesão em relação a utilização de tais ferramentas, fato este que pode ser explicado pelo desconhecimento, falta de inclusão e as dificuldades encontradas pelos idosos em aprender e memorizar para acessar com segurança os diversos aplicativos disponíveis em dispositivos móveis. 

References

AUGUSTI, A. C. V.; FALSARELLA, G. R.; COIMBRA, A. M. V. Análise da síndrome da fragilidade em idosos na atenção primária - Estudo transversal. Rev Bras Med Fam Comunidade. v. 12, n.39, p. 1-9, 2017.

BARBOSA, K. T. F. et al. Aging and individual vulnerability: a panorama of older Adults attended by the family health strategy. Texto Contexto Enferm. v. 26, n. 2, p. 1-10, 2017.

BARBOSA, K. T. F.; OLIVEIRA, F. M. R. L.; FERNANDES, M. G. M. Vulnerability of the elderly: a conceptual analysis. Rev Bras Enferm. v. 72, n.2, p. 337-44, 2019.

BERNARDI, H.L.F; MOTTA, L. B. Desenvolvimento de aplicativo como ferramenta de apoio à investigação e prevenção de osteoporose. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro, v. 21 n. 4. p. 408-418, ago. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466 de 12 de dezembro de 2012.

BORBA, A. K. O. T. et al. Knowledge and attitude about diabetes self-care of older adults in primary health care. Ciências e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 125-136, 2019.

DEWES, J. O. Amostragem em Bola de Neve e Respondent-Driven Sampling: Uma descrição dos métodos. Monografia (Bacharelado em estatística) – Instituto de matemática, departamento de estatística Universidade Federal do Rio Grande do Sul. P.53, 2013.

ESQUENAZI. D.; SILVA, S. R. B.; GUIMARAES, M. A. M. Aspectos fisiopatológicos do envelhecimento humano e quedas em idosos.

Revista HUPE, v. 13, n. 2, p. 11-20, 2014.

FECHINE, B. R. A.; TROMPIERI, N. O processo de envelhecimento: as principais alterações que acontecem com o idoso com o passar dos anos. Revista Científica Internacional. v. 1, n. 7, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação, 2020. Disponível em: ibge.gov.br/apps/populacao/projecao//. Acesso em: 21 abr. 2020.

JANINI, P. J.; BESSLER, D.; VARGAS, B. A. Educação em saúde e promoção da saúde: impacto na qualidade de vida do idoso. SAÚDE DEBATE. Rio de Janeiro, v. 39, n. 105, p. 480-490, 2015.

MARQUES, M. B. et al. Intervenção educativa para a promoção do autocuidado de idosos com diabetes mellitus. Rev. esc. enferm. USP. v. 53: e03517. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2018026703517.

MENDES, J. L. V. et al. O Aumento da População Idosa no Brasil e o Envelhecimento nas Últimas Décadas: Uma Revisão da Literatura. Revista Educação, Meio Ambiente e Saúde. Minas Gerais. v. 8, n. 1, p 13-26, jan./mar. 2018.

OLIVEIRA, M. S. N. et al. Autocuidado de idosos diagnosticados com hipertensão arterial e/ou diabetes mellitus. Rev Enferm UFSM. v. 7, n. 3, p. 490-503, 2017.

PEREIRA, R. A.; SOUZA, R. A. A.; VALE, J. S. O processo de transição epidemiológica no brasil: uma revisão de literatura. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, v. 6 n. 1, p. 99-108, 2015.

PEREIRA, S. M. M. R. et al. Utilização de Dispositivos Móveis por Idosos de um Programa de Extensão Universitária. Revista Novas Tecnologias na Educação. v. 17, n. 3, 2019.

RIBEIRO, I. A. et al. Frailty syndrome in the elderly in elderly with chronic diseases in Primary Care. Rev Esc Enferm USP. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S1980-220X2018002603449.

ROCHA, F. S. et al. Uso de apps para a promoção dos cuidados à saúde. III SEMINÁRIO DE TECNOLOGIAS APLICADAS EM EDUCAÇÃO E SAÚDE. Disponível em: file:///C:/Users/Ibyte/Downloads/3832-10109-1-SM.pdf. Acesso em 04 mai. 2020.

SALES, M. B.; SOUZA, J. J.; SALES, A. B. Idosos, aplicativos e smartphone: uma revisão integrativa. Revista Kairós-Gerontologia, São Paulo, v. 22 n. 1 p. 131-151. Brasil.

SILVA, C. A. A.; FIXINA, E. B. Meanings of old age and expectations for the future from the perspective of the elderly. Geriatr Gerontol Aging, v. 12, n. 1, p. 8-14, 2018.

VASCONCELOS, A. M. N.; GOMES, M. M. F. Transição demográfica: a experiência brasileira. Epidemiologia e serviços de saúde. Brasília, v. 21, n 4 p. 539-548, out/dez 2012.

VERAS, R.; DUTRA, S. Perfil do idoso Brasileiro, questionário BOAS. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: http://www.crde-unati.uerj.br/liv_pdf/perfil.pdf. Acesso em: 02 Mai 2020.

VESCOVI, S. J. B. et al. Aplicativo móvel para avaliação dos pés de pessoas com diabetes mellitus. Acta paul. enferm. São Paulo, v. 30, n. 6, p. 607-613, 2017.

Published

2022-07-18

Issue

Section

Original Papers