Sífilis congênita, escolaridade materna e cuidado pré-natal no Pará entre 2010 e 2020: um estudo descritivo / Congenital syphilis, maternal schooling and prenatal care in Pará between 2010 and 2020: a descriptive study

Authors

  • Esther Castello Branco Mello Miranda
  • Jean Marcos Souza da Silva
  • Rodrigo Lima do Nascimento
  • Izabelle Cristine Melo de Lima
  • Núbia Rocha Marques
  • Sol Belén Morales Orué
  • Gabriel Silva Novais
  • Laís Oliveira Matos

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-078

Keywords:

sífilis congênita, escolaridade, cuidado pré-natal, epidemiologia.

Abstract

A sífilis é uma doença infectocontagiosa provocada por uma espiroqueta, o Treponema pallidum, cuja transmissão ocorre por contato sexual e por via transplacentária (transmissão vertical). A sífilis congênita é a consequência da disseminação do Treponema pallidum por via hematogênica, da genitora infectada não tratada ou inadequadamente tratada durante a gestação para o feto. Ao analisar o nível educacional de uma população é possível inferir indiretamente suas condições de renda, acesso à serviços de saúde, bem como hábitos alimentares, higiênicos e comportamentais. A escolaridade apresenta as condições socioeconômicas, que podem ser vistas como determinantes de saúde e bem-estar. A atenção pré-natal de qualidade e humanizada é essencial para a saúde materna e neonatal. O cuidado à gestante deve incluir atitudes de prevenção e promoção de saúde, além do diagnóstico e tratamento adequado dos eventuais problemas que surgirem neste período. O objetivo é descrever o perfil epidemiológico de sífilis congênita no período de 2010 a 2020 no estado do Pará e relacionar às condições maternas como escolaridade, realização ou não realização do acompanhamento pré-natal e a evolução dos casos confirmados. Trata-se de um estudo transversal, com delineamento descritivo e usando abordagem quantitativa. Os dados apurados foram referentes à incidência de sífilis congênita no estado do Pará, localizado na região Norte do Brasil, no período de 2010 a 2020. O número de casos confirmados e notificados de sífilis congênita no Pará, de 2010 a 2020, totalizou 7.170 casos. Ao observar os dados sobre a escolaridade da genitora, 24,4% (1.754) não haviam completado o ensino fundamental II (quinta a oitava série). O valor de ignorado/branco para a escolaridade materna correspondeu a 26,4% (1896) da amostra. O acompanhamento pré-natal foi realizado por 84,5% (6.058) das mães e não realizado por 12,8% (920), ignorado/branco 2,7% (192). A assistência pré-natal é uma ferramenta importante para a prevenção e controle da sífilis congênita, sendo o seu controle classificado como um indicador de qualidade da atenção pré-natal, de acordo com o Ministério da Saúde (MS). No Pará, a maior parte dos casos teve a escolaridade materna ignorada (26,4%) e as mães que não haviam completado a quinta a oitava série corresponderam a 24,4%. Torna-se visível a deficiência no sistema de notificação, devido ao grau elevado de subnotificação em relação à escolaridade das mães.

References

AVELELLEIRA, J. C. R; BOTTINO, G. Sífilis: diagnóstico, tratamento e controle. An. Bras. Dermatol. v. 81, n. 2, p. 111-126. 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico de Sífilis. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Diretrizes para controle da sífilis congênita: manual de bolso / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST/Aids. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Diretrizes para o Controle da Sífilis Congênita / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids. Brasília: Ministério da Saúde. 2005.

BRASIL, Ministério da Saúde. Banco de dados do Sistema Único de Saúde-DATASUS. Disponível em http://www.datasus.saude.gov.br [Acesso em 10 de jul de 2022] .

CABRAL B.T.V; DANTAS, J.C., SILVA, J.A.,Dannielly, A. O.D.A. Sífilis em gestante e sífilis congênita: um estudo retrospectivo. Revista Ciência Plural, 2017.

CASAL, C. A. D.; ARAÚJO, E. C.; CORVELO, T. C. O. Aspectos imunopatogênicos da sífilis materno-fetal: revisão de literatura. Rev. para. med. v. 26, n. 2. 2012.

CAVALCANTE, P. A. M.; PEREIRA, R. B. L.; CASTRO, J. G. D. Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 26, n. 2, p. 255-264, 2017 .

LEITÃO, E. J. L. et al. Sífilis gestacional como indicador da qualidade do pré natal no Centro de Saúde n.° 2 Samambaia-DF. Com. Ciências Saúde. 20(4):307-314. 2009.

MOTA, A. C. C. et al. Sífilis congênita no Pará: O panorama de uma década na região metropolitana de Belém. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 4, p. 8568-8580 jul./ago. 2020.

NONATO, S. M.; MELO, A. P. S.; GUIMARAES, M. D. C.. Syphilis in pregnancy e factors associated with congenital syphilis in Belo Horizonte-MG, Brazil, 2010- 2013. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 24, n. 4, p. 681-694, 2015 .

ROSA, T. L.; TRAEBERT, E. Prevalência e fatores associados de doenças infecciosas na gestação em uma coorte no município de Palhoça/SC. Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Medicina) - Universidade do Sul de Santa Catarina. 2020.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE. Serviço de vigilância epidemiológica. Coordenação do Programa Estadual DST/Aids-SP. Coordenadoria de controle de doenças. Secretaria de Estado da Saúde - SES/SP. Sífilis Congênita e sífilis na gestação. Rev. Saúde Pública. v. 42, n. 4, p. 768-772.

TRAVAIM, S. F. et al. Análise do perfil epidemiológico dos casos de sífilis notificados no município de Ji-Paraná no período de 2012 a 2016. Rev. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research. v. 21, n. 2, p. 42-46. 2018.

Published

2022-07-19

Issue

Section

Original Papers