Epidemiologia da sífilis gestacional no município de Montes Claros, Minas Gerais, Brasil / Epidemiology of gestational syphilis in the municipality of Montes Claros, Minas Gerais, Brazil

Authors

  • Adelaine de Cássia Soares
  • Jéssica Polyana Pereira Soares
  • Ivana Pereira David Maia
  • Valéria Farias Andrade
  • Luis Paulo Ribeiro Ruas
  • Thaisa de Almeida Pinheiro
  • Thales de Almeida Pinheiro

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-090

Keywords:

sífilis gestacional, sífilis, Treponema pallidum, gestante.

Abstract

A sífilis gestacional é uma doença de notificação compulsória e nos últimos anos tem corrido aumento significativo, isso se torna preocupante porque existe grande chance de acontecer a transmissão congênita, ocasionando várias sequelas para o feto, inclusive óbito. O objetivo desse trabalho foi descrever a epidemiologia da sífilis gestacional no município de Montes Claros, MG. O estudo apresenta caráter transversal e descritivo com abordagem quantitativa. Foram avaliados os casos de sífilis gestacional notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) no período de 2015 a 2018 no município de Montes Claros, MG, considerando as variáveis idade, período gestacional, escolaridade e ocupação da gestante. Os dados foram avaliados pelo programa SPSS 20.0 for Windows. Foi utilizado o teste Qui-quadrado para avaliar as diferenças de proporções, considerado significativo p≤0,05. Verificou-se aumento de casos notificados entre os anos de 2015 a 2018. Isso se deve em parte pela ampliação do uso de testes rápidos, redução do uso de preservativo, aprimoramento do sistema de vigilância, além da ausência de pré-natal ou baixo número de consulta pré-natais. A maior parte das notificações ocorreu em mulheres com idade entre 21 a 25 anos, com prevalência nas gestantes donas de casa com menor escolaridade. Conclui-se que a sífilis gestacional é uma infecção prevenível de diagnóstico e tratamento simples. Os resultados evidenciam a subnotificação. São necessárias políticas públicas para o enfretamento ao agente infeccioso, aliado a capacitação dos profissionais e o desenvolvimento de estratégias que alcance os grupos mais vulneráveis.

References

ALVES, S. de O. Sífilis congênita na maternidade do Hospital Universitário – UFSC. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2009.

BRASIL, Secretaria de Vigilância em Saúde – Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico vol. 48, n. 36 – 2018.

BRASIL, Secretaria de Vigilância em Saúde – Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico vol. 48, n. 36 – 2017.

BRASIL, Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde ISSN 2358-9450. Boletim Epidemiológico v. 48, n. 4, 2017.

BRASIL, Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde ISSN 2358-9450. Boletim Epidemiológico v. 46, n. 9, 2017.

BRASIL, Secretaria de Estado De São Paulo − Ministério da Saúde ISSN 2358-9450. Guia de Bolso, 2º ed, 2016.

CAMPOS, A. L. D. A.; ARAUJO, M. A. L.; MELO, S. P. D.; ANDRADE, R. F. V.; GONÇALVES, M. L. C. Sífilis em parturientes: aspectos relacionados ao parceiro sexual. Revista Brasileira Ginecologista Obstétrica, Rio de Janeiro, v. 34, n. 9, 2012.

CAMPOS, A. L. D. A.; ARAUJO, M. A. L.; MELO, S. P. D.; GONÇALVES, M. L. C. Epidemiologia da sífilis gestacional em Fortaleza, Ceará, Brasil: um agravo sem controle. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 9, 2010.

DOMINGUES, R. M. S. M., Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cadernos de Saúde Pública. v.32 n.6, 2016.

FIGUEIRÓ-FILHO, E.A.; FREIRE, S. S. A.; SOUZA, B. A.; AGUENA, G. S.; MAEDO, C. M. Sífilis e gestação: estudo comparativo de dois períodos (2006 e 2011) em populações de puérperas. Revista Brasileiro Doenças Sexualmente Transmissíveis, v. 24, n. 1, 2012.

KUPEK, E.; OLIVEIRA, J. F. D. Transmissão vertical do HIV, da sífilis e da hepatite B no município de maior incidência de AIDS no Brasil: um estudo populacional no período de 2002 a 2007. Revista brasileira epidemiologia, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 478487, 2012.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Guia de Vigilância em Saúde, Vol. único, 2º ed. 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Guia de Vigilância em Saúde, Vol. único, 3º ed. 2006.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Manual Técnico para Diagnostico da Sífilis, Vol. único, 1º ed. 2016.

MESQUITA, K. O.; LIMA, G. K.; FILGUIERA, A. A.; FLOR, S. M. C.; FREITAS, C. A. S. L.; GUBERT, F. A.; Análise dos Casos de Sífilis Congênita em Sobral, Ceará: Contribuições para Assistência Pré-Natal. DST – Jornal Brasileiro Doenças Sexualmente Transmissíveis, v.24, n. 1, pp. 20-27, 2012.

SERAFIM, A. S., MORETTI, G. P., SERAFIM, G. S., NIERO, C. V., ROSA, M. I., PIRES M. M. S, et. al., Incidence of congenital syphilis in the South Region of Brazil. Revista Social Brasileira Medicina Tropical. 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para atenção integral às pessoas com infecções sexualmente transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

MAGALHAES, Daniela Mendes dos Santos, KAWAGUCHI, Inês Aparecida Laudares, DIAS, Adriano, CALDERON, Iracema de Mattos Paranhos. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, n. 6, p. 1109-1120, 2013

Published

2022-07-19

Issue

Section

Original Papers