O uso da pele de tilápia para cicatrização de queimaduras / The use of tilapia skin for burn healing

Authors

  • Paula de Abreu Ferreira Antunes
  • Thalles Simões Ruback

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-094

Keywords:

eficácia, pele de tilápia, queimaduras.

Abstract

Introdução: Queimadura é toda lesão dos tecidos orgânicos provocada pelo contato direto com alguma fonte de origem térmica, produtos químicos, corrente elétrica ou radiação. Tal lesão acomete mais de um milhão de pessoas no país com consequências mais diversas. Em virtude da expressividade dos números e da necessidade de melhora no tratamento do queimado, estudos estão sendo levados a cabo na busca por alternativas no que diz respeito, especialmente, aos curativos oclusivos (aqueles que atuam como barreira mecânica vedando a ferida). Surge, então, a pele da tilápia (Oreochromis niloticus) como uma opção com aplicabilidade clínica no tratamento de queimaduras. Objetivo: Apresentar a eficácia da pele de tilápia no processo de cicatrização de queimaduras. Método: Foram utilizados artigos disponíveis Scielo (Scientific Eletronic Library Online), Google Scholar, Cochrane e PUBMED (US National Library of Medicine National Institutes of Health) por meio das palavras- chave: eficácia, pele de tilápia, queimaduras. Resultados: Estudos clínicos vêm demonstrando cada vez mais a qualidade da pele de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) é uma alternativa viável a ser utilizada como terapia oclusiva nos pacientes vítimas de lesão por queimadura que são tratados pelos centros de queimados. Conclusão: É perceptível a necessidade de desenvolver mais estudos e pesquisas acerca da utilização da pele de tilápia como curativo biológico no tratamento de queimaduras, buscando mais conhecimentos sobre esta prática, possibilitando que este tipo de tratamento seja implantado na rede pública de saúde.

References

LIMA-JUNIOR, Edmar Maciel, et al. Uso da pele de tilápia (Oreochromis niloticus), como curativo biológico oclusivo, no tratamento de queimaduras. Rev Bras Queimaduras, 2017, 16.1: 10-7.

ALVES, Gilson FP, et al. Avaliação da qualidade de vida de indivíduos queimados pós alta hospitalar. Revista Brasileira de Queimaduras, 2010, 9.4: 140-145.

MORAES, Aida Carla Santana de Melo, et al. Amplitude de movimento e sua interferência na capacidade funcional de pacientes com sequelas de queimaduras. Revista Brasileira de Queimaduras, 2016, 15.4: 261-266.

DO VALE, Everton Carlos Siviero. Primeiro atendimento em queimaduras: a abordagem do dermatologista Inicial management of burns: approach by dermatologists. An Bras Dermatol, 2005, 80.1: 9-19.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Cartilha para Tratamento de Emergência das Queimaduras. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

SILVA, Maria Lúcia Santos Jacinto da. Evidências sobre uso de pele de tilápia em pacientes queimados. In: II Congresso Norte-Nordeste de Feridas e Coberturas - Hotel Best Western Premier - Maceió/AL, 2018.

ALVES, A. P. N. N., et al. Avaliação microscópica, estudo histoquímico e análise de propriedades tensiométricas da pele de tilápia do Nilo. Rev Bras Queimaduras, 2015, 14.3: 203-10.

JÚNIOR, Edmar Maciel Lima. Tecnologias inovadoras: uso da pele da tilápia do Nilo no tratamento de queimaduras e feridas. Rev Bras Queimaduras, 2017, 16.1: 1-2.

MELO, Edla Freire. Biocompósitos de gelatina de pele e hidroxiapatita de escamas de resíduos do beneficiamento de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus). 2017. 90 f. Dissertação (Mestrado em Química)- Universidade Federal do Ceará, Fortaleza,2017.

BEZERRA, Leonardo Robson Pinheiro Sobreira, et al. Tilapia Fish Skin: a new biological graft in gynecology. Revista de Medicina da UFC, 2018, 58.2: 6-8.

FRANCO, M. L. R. S., et al. Comparação das peles de tilápia do Nilo, pacu e tambaqui: Histologia, composição e resistência. Archivos de zootecnia, 2013, 62.237: 21-32.

DE MIRANDA, Marcelo José Borges; BRANDT, Carlos Teixeira. Xenoenxerto (pele da Tilápia-do-Nilo) e hidrofibra com prata no tratamento das queimaduras de II grau em adultos. Rev. bras. cir. plást, 2019, 34.1: 79-85.

Published

2022-07-22

Issue

Section

Original Papers