Perfil dos pacientes com Síndrome Coronariana Aguda submetidos a Cineangiocoronariografia em hospital público - privado

Profile of patients with Acute Coronary Syndrome undergoing Cineangiocoronariography in public - private hospital

Authors

  • Kamyla Mascena Teixeira
  • Rodrigo Veng Magalhães
  • João Avelar Issa Neto
  • Cristiano Ferreira de Araujo
  • Arnon Francisco Rocha Vasconcelos
  • Thiago Nogueira de Faria
  • Luiz Augusto de Freitas Carvalho
  • Anna Marcella Neves Dias
  • Nathália Barbosa do Espírito Santo Mendes
  • Maria Augusta de Mendonça Lima

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n4-121

Keywords:

revascularização miocárdica, Síndrome Coronariana Aguda, cateterismo, infarto agudo do miocárdio

Abstract

As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte no Brasil, dentre elas há um destaque maior para a doença isquêmica do coração. As formas terapêuticas são selecionadas de acordo com a história clínica, exame físico e avaliações complementares de cada paciente, como destaque na intervenção há a cineangiocoronariografia que é um importante método de revascularização miocárdica. O objetivo foi identificar o perfil dos pacientes com Síndrome Coronariana Aguda submetidos à cineangiocoronariografia internados em hospital público/privado de Juiz de Fora, MG e analisar a prevalência de fatores de risco para doença arterial coronariana. Foi realizado um estudo observacional, transversal, prospectivo, de série de casos em pacientes com SCA submetidos à cineangiocoronariografia internados em hospital público/privado de Juiz de Fora – MG, no período de janeiro à março de 2021. Foram incluídos 40 pacientes com idade entre média de idade de 60,67±8,54 anos (41-80 anos) sendo a faixa etária predominante a dos indivíduos de 50 a 70 anos, correspondendo a 75% da amostra; 67,5% dos pacientes eram do sexo masculino, os fatores de risco predominantes foram a história familiar positiva para coronariopatia, tabagismo e hipertensão arterial sistêmica. É notório a importância das influências ambientais e dos fatores de risco convencionais no desenvolvimento da DAC. No entanto, com base nesse estudo, não se pode inferir políticas de saúde pública devido ao baixo número da amostra e outras limitações do estudo.

Published

2022-07-28

Issue

Section

Original Papers