Sífilis congênita: analise epidemiológica no estado de São Paulo de 2008 a 2012/ Congenital syphilis: epidemiological analysis in the state of Sao Paulo from 2008 to 2012

Authors

  • Fernando da Silva Raposo
  • Jorge Glauber Massunari
  • Wilson Jolando Ojeda Junior
  • Gabriel Mieli Fortuce
  • Daniela Tereza Ascencio Russi
  • Nair Toshiko Tashima

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv2n6-054

Keywords:

sífilis, sífilis congênita, doença fetal, epidemiologia, neonatologia

Abstract

A sífilis congênita (SC) é uma doença infectocontagiosa com crescimento alarmante, responsável por mais de 300 mil mortes fetais/neonatais no mundo, possuindo elevadas taxas de transmissão vertical. Este estudo tem como objetivo analisar a incidência e os aspectos epidemiológicos do estado de São Paulo e suas macrorregiões. Os dados foram coletados na plataforma DATASUS onde foram pesquisados os casos confirmados, período de diagnóstico, mortalidade, número de nascidos vivos para cálculo da incidência, número de internações e gastos hospitalares relacionados a SC no período 2008-2012.Os resultados obtidos revelaram um aumento generalizado da incidência de SC no estado, especialmente nos anos 2011 e 2012, grande quantidade de diagnóstico tardio, uma concentração de internações e gastos na região da Grande São Paulo. Conclui-se que a falha na atenção básica, especialmente no pré-natal e os aspectos socioeconômicos maternos ajudam no crescimento da SC e dificultam o alcance da meta preconizada.

References

Ministério da Saúde (BRASIL). Secretaria de vigilância em saúde, coordenação-geral de desenvolvimento da epidemiologia em serviços. Guia de vigilância em saúde. 1. Ed. vol. 2. Brasilia, DF;2017

World Health Organization. Global guidence on criteria and processes for validation: elimination of mother-to-child tranmission (EMTCT) of HIV and syphilis. Geneva: World Health Organization; 2014..

Ministério da Saúde (BRASIL). Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST/AIDS. Diretrizes para controle da sífilis congênita: manual de bolso. 2. ed. Brasilia (DF); 2006.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Transmissão Vertical do HIV e Sífilis: Estratégias para Redução e Eliminação. Brasília, DF; 2014.

Secretaria de Estado da Saúde SES-SP. Serviço de Vigilância Epidemiológica; Coordenação do Programa Estadual DST/Aids-SP; Coordenadoria de Controle de Doenças CCD. Sífilis congênita e sífilis na gestação. Rev Saúde Pública, v. 42, n. 4, p. 768-72, 2008.

PAHO (Pan American Health Organization). Elimination of motherto-child transmission of HIV and syphilis in the Americas. Washington D.C (WA); 2017

Flores RLR. Sífilis congênita no município de Belém (Pará): análise dos dados registrados nos sistemas de informação em saúde (SINAN, SIM e SINASC). [Dissertação de Mestrado em Saúde Pública]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2011. [acesso em 2019]. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/24623

Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2016 junho; 32(6). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000605002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Ministério da Saúde(Brasil), Secretaria de Vigilância em Saúde, Boletim Epidemiológico. Sífilis 2016. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. 47(35).

COSTA CC, FREITAS LV, SOUSA DMN, OLIVEIRA LL, CHAGAS ACMA, LOPES MVO, DAMASCENO AKC. Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Rev. esc. enferm. USP. 2013 Fev; 47(1):152-159. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342013000100019

Lafetá KRG, Martelli Júnior H, Silveira MF, Paranaíba LMR. Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Rev. bras. epidemiol. 2016 jan-mar; 19(1):63-74. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2016000100063&lng=en

Magalhães DMS, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon IMP. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cad. Saúde Pública. 2013 jan-jun; 29(6):1109-1120. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2013000600008

Published

2019-12-04

Issue

Section

Original Papers