Aspectos que englobam a síndrome da bexiga dolorosa

Aspects encompassing the painful bladder syndrome

Authors

  • Ingrid Oliveira Camargo
  • Sayro Louis Figuerêdo Fontes
  • Fernanda Porto de Almeida
  • Anderson Alves Brandão
  • Thayane Fogaça de Medeiros
  • Vinicius Morais de Sousa

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n5-004

Keywords:

diagnóstico, síndrome da bexiga dolorosa, tratamento

Abstract

Introdução: A Síndrome da Bexiga Dolorosa (SBD) é uma doença inflamatória crônica, debilitante, que acomete principalmente as mulheres. Surge com sintomas moderados em alguns pacientes, porém, em outros, os efeitos na qualidade de vida podem ser avassaladores. Isso porque a dor pélvica é geralmente acompanhada de urgência miccional, noctúria e polaciúria. Além disso, muitos pacientes são diagnosticados de forma incorreta devido à similaridade de apresentação dessa doença com outras mais comuns, como a infecção do trato urinário, e por isso são tratadas de modo inadequado. Objetivos: Relacionar os aspectos clínicos, diagnósticos e terapêuticos que englobam a síndrome da bexiga dolorosa, bem como, elucidar acerca de sua prevalência e desenvolvimento. Metodologia: Foi realizado levantamento bibliográfico do período de 2012 até a data corrente, em periódicos indexados nas bases de dados MedLine, Lilacs, Scielo, abordando a síndrome da bexiga dolorosa. Os descritores utilizados foram: síndrome da bexiga dolorosa, cistite intersticial, dor crônica pélvica, sendo analisados vários artigos, dando ênfase à epidemiologia, fisiopatologia, diagnóstico e tratamento. Resultados e discussões: Compreende-se a SBD como uma patologia de caráter inflamatório que acomete o epitélio vesical, o qual apresenta uma deficiência na produção de muco protetor, assim, o tecido epitelial da bexiga passa a ser constantemente agredido pelo contato permanente com os agentes nocivos presentes na urina. A SBD é uma enfermidade comum a ambos os sexos, entretanto, mais prevalente entre as mulheres com idade superior a 40 anos. Dentre as manifestações clinicas mais frequentes, estão a dor em hipogástrio, sintomas urinários irritativos, alterações na frequência miccional estando esses sintomas presentes por um período equivalente ou superior a 6 semanas atrelado a interferência na qualidade de vida. Com a evolução da doença os sintomas em grande maioria apresentam-se de forma episódica com fases agudas e fases de remissão, tendo relação com a presença de transtornos psiquiátricos. O diagnóstico da SBD é baseado na avaliação clínica, exclusão com outras patologias que frequentemente acometem o trato urinário e a realização de citoscopia, um exame endoscópico geralmente associado a biopsia para identificação histológica de componente positivos da SBD como infiltrado inflamatório, tecido de granulação, fibrose intrafascicular, contudo não há achados patognômonicos. Por fim, o tratamento inicial consiste na educação da doença, mudanças de hábitos alimentares e na exclusão de fatores estressantes, entretanto, em muito das vezes se faz necessário o uso de medicações. A amitriptilina, um antidepressivo tricíclico com características analgésicas, anti-histamínicas, anticolinérgicas e sedativas, é utilizado como primeira linha. As outras vertentes terapêuticas são baseadas no uso de intervenções cirúrgicas e ressecção transuretral, eletrocauterização e uso de laser nas lesões sendo indicados para casos extremos onde não há eficácia ao tratamento clinico. Conclusão: O presente estudo identificou que o diagnóstico da SBD deve ser recordado quando os pacientes relatarem a presença de dor pélvica juntamente à sintomas urinários, onde estes não são melhor explicados por outras doenças. Tal patologia evidenciou importante impacto na redução da qualidade de vida do paciente, passível de redução dos danos e alívio dos sintomas quando diagnosticada e tratada de forma correta.

References

CARRERETTE, F.B.; SALUSTIANO, P.R.; Síndrome da dor pélvica crônica.

Hospital Universitário Pedro Ernesto, UERJ. Disponível em:

<https://www.urologiauerj.com.br/livro-uro/capitulo-19.pdf> Acesso em 10 de agosto de 2021.

CLEMENS JQ, BROWN SO, CALHOUN EA. Mental health diagnoses in patientswithinterstitialcystitis/painfulbladdersyndromeandchronicprostatit is/chronicpelvicpainsyndrome: a case/controlstudy. J Urol 2008; 180(4):1378-82.

CLEMENS, J.Q. et al. Prevalence and incidence of interstitial cystitis in a managed care population. J Urol. 2005 Jan;173(1):98-102; discussion 102. doi: 10.1097/01.ju.0000146114.53828.82. PMID: 15592041.

Disponível em:<https://core.ac.uk/download/pdf/143393058.pdf>. Acesso em 01 de agosto de 2021.

FONSECA, Andrea Moura Rodrigues Maciel da et al. Síndrome da dor vesical/cistite intersticial: aspectos atuais. Femina, p. 365-372, 2011.

FOSTER HE Jr et al. InterstitialCystitisCollaborativeResearch Network. Effectofamitriptylineonsymptoms in treatmentnaïvepatientswithinterstitialcystitis/painfulbladdersyndrome. J Urol. 2010 May;183(5):1853-8. doi: 10.1016/j.juro.2009.12.106. Epub 2010 Mar 29. PMID: 20303115; PMCID: PMC2861998.

FREITAS, Lúcia Sofia Machado de. Diagnósticos diferenciais da cistite intersticial/síndrome doloroso vesical. 2014. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, FMUP. Março, 2014. Disponível em:<https://core.ac.uk/download/pdf/143393058.pdf>. Acesso em 01 de agosto de 2021.

HANNO P, DMOCHOWSKI R. Status ofinternational consensus oninterstitialcystitis/bladderpainsyndrome/painfulbladdersyndrome: 2008 snapshot. NeurourolUrodyn. 2009;28(4):274-286. doi:10.1002/nau.20687

OFFIAH I, MCMAHON SB, O´ REILLY BA. Interstitialcystitis/ bladderpainsyndrome: diagnosisand management. IntUrogynecol J 2013; 24(8):1243 – 56.

PALMA, Paulo et al. Cistite Intersticial: Novas Perspectivas Terapêuticas. Divisão de Urologia Feminina, Unicamp.Prática Hospitalar, Ano XII, Nº 67, Jan-Fev/2010.

PARSONS CL. The role oftheurinaryepithelium in thepathogenesisofinterstialcystitis/prostatitis/urethritis.Urology 2007;

(4):9-16

PETERS KM, CARRICO DJ, IBRAHIM IA, DIOKNO AC. Characterizationof a clinicalcohortof 87womenwithinterstitialcystitis/painfulbladdersyndrome.Urology 2008;

(4):634-40

PYO JS, CHO WJ. Systematic Review and Meta- AnalysisofIntravesicalHyaluronicAcidandHyaluronicAcid/Chondroitin Sulfate Instillation for InterstitialCystitis/PainfulBladderSyndrome.CellPhysiolBiochem. 2016;39(4):1618-25. doi: 10.1159/000447863. Epub 2016Sep 15. PMID: 27627755.

ROSAMILIA A. Painfulbladdersyndrome/interstitialcystitis. Best Pract Res ClinObstetGynaecol. 2005 Dec;19(6):843-59. doi: 10.1016/j.bpobgyn.2005.08.004. Epub 2005 Sep 19. PMID: 16176886.

ROSSOL, Alessandro. Cistite Crônica. Disponível em:/www.alessandrorossol.com.br/blog/cistite-crônica/>. Acesso em 01 de agosto de 2021.

SANTOS, T.G. Síndrome da bexiga dolorosa: diagnóstico e terapêutica inicial. Disponível em: <https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/382- sindrome-da-bexiga-dolorosa-diagnostico-e-terapeutica-inicial> Acesso em 10 de agosto de 2021.

SANTOS, Thaís Guimarães et al. Revisão sistemática sobre terapia oral para tratamento dos sintomas da síndrome da bexiga dolorosa: as diretrizes brasileiras. Rev Bras Ginecol Obstet 2018; 40(02): 096-102 DOI: 10.1055/s-0037-1609049.

Van de Merwe JP, Nordling J, Bouchelouche P, et al. Diagnosticcriteria, classification, and nomenclature for painfulbladdersyndrome/interstitialcystitis: an ESSIC proposal. Eur Urol. 2008;53(1):60-67. doi:10.1016/j.eururo.2007.09.019

Published

2022-09-01

Issue

Section

Original Papers