Práticas alimentares e estado nutricional de crianças de 6 meses a 2 anos de idade em comparação com os 10 passos para uma alimentação saudável

Food practices and nutritional status of children from 6 months to 2 years of age in comparison with the 10 steps for a healthy food

Authors

  • Priscila da Silva Cenci
  • Fernanda Scherer Adami
  • Isabel Cristina Kasper Machado
  • Patricia Fassina

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n5-006

Keywords:

aleitamento materno, nutrição da criança, guias alimentares

Abstract

Objetivo: Analisar as práticas alimentares e o estado nutricional de crianças de 6 meses a 2 anos de idade em relação ao aleitamento materno exclusivo e a introdução da alimentação complementar e comparar com os dez passos para uma alimentação saudável do guia alimentar para menores de dois anos do Ministério da Saúde. Métodos: Estudo transversal, quantitativo, descritivo realizado entre janeiro e dezembro de 2018 na Estratégia de Saúde da Família de um município do Rio Grande do Sul, com um censo de 45 crianças. A coleta de dados incluiu a aplicação de um questionário estruturado baseado nos dez passos para uma alimentação saudável do guia alimentar para crianças menores de dois anos do Ministério da Saúde, além da avaliação nutricional por meio da verificação de peso e estatura, classificada pelas curvas de crescimento da Organização Mundial de Saúde. Os resultados foram considerados significativos a um nível de significância máximo de 5% (p≤0,05) e o software utilizado foi o SPSS versão 22.0. Resultados: As práticas alimentares analisadas mostraram que 20,0% (n=9) das crianças receberam aleitamento materno exclusivo pelo período de 6 meses, 4,4% (n=2) tiveram aleitamento materno total por mais de 6 meses e que a maioria recebeu introdução da alimentação complementar antes dos 4 meses de idade (73,3%; n=33). Quanto ao estado nutricional, a maioria das crianças apresentou Eutrofia (60,0%; n=27). Conclusão: Identificou-se que as práticas alimentares das crianças avaliadas não foram atendidas conforme os dez passos, apesar de o estado nutricional apresentar Eutrofia, na maioria dos casos.

References

Brasil. Ministério da Saúde. Caderno de Atenção Básica 23. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: DF [internet]; 2015 [acesso em 23 mar 2019]. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_aleitamento_materno_cab23.pdf.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Manual de orientação do departamento de nutrologia: alimentação do lactente ao adolescente, alimentação na escola, alimentação saudável e vínculo mãe-filho, alimentação saudável e prevenção de doenças, segurança alimentar. Rio de Janeiro: RJ [internet]; 2013. [acesso em 20 fev. 2019]. Disponível em https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/pdfs/14617a-PDManualNutrologia-Alimentacao.pdf.

Al-Nuaimi N, Katende G, Arulappan J. Breastfeeding trands ans determinants – implications and recommendations for Gulf Cooperation Council countries. Sultan Qaboos Univ Med J. 2017; 17(2):e155-e161. DOI: http://dx.doi.org/ 10.18295/squmj.2016.17.02.004

Reiter MGR, Krebs C, Rosa AS, Chiste LC, Demarco CL, Bispo LV et al. Relação entre o aleitamento e o desenvolvimento de obesidade infantil. International Journal of Nutrology. 2018; 11(S 01):S24-S327. DOI: http://dx.doi.org/10.1055/s-0038-1674984

Nascimento VG, Silva JPC, Ferreira PC, Bertoli CJ, Leone C. Maternal breastfeeding, early introduction of non-breast milk, and excess weight in preschoolers. Rev Paul Pediat. 2016; 34(4):454-459. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.rpped.2016.05.004

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. II Pesquisa de prevalência de aleitamento materno nas capitais brasileiras e Distrito Federal. Brasília: DF [internet]; 2009. [acesso em 05 jun 2019]. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pesquisa_prevalencia_aleitamento_materno.pdf.

Carvalho CA, Fonsêca PCA, Priore SE, Franceschini SCC, Novaes JF. Consumo alimentar e adequação nutricional em crianças brasileiras: revisão sistemática. Rev Paul Pediatr.; 2015; 33(2):211-221. DOI: http://dx.doi.org/ 10.1016/j.rpped.2015.03.002

Gonsalez PS, Retondario A, Bricarello LP, Chica DAG, Silva DAS, Vasconcelos FAG. Aleitamento materno exclusivo, alimentação complementar e associação com excesso de gordura corporal em escolares de Florianópolis, SC, Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2017; 17(1):115-125. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1806-93042017000100007

Araujo LB, Melo TR, Israel VL. Low birth weight income and paternal absence as risk factors in neuropsychomotor development. J Hum Growth Dev. 2017; 27(3):272-280. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.124072

Brasil. Ministério da Saúde. Dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para crianças menores de dois anos: um guia para o profissional da saúde na atenção básica. Brasília: DF [internet]; 2015. [acesso em 20 fev 2019]. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_dez_passos_alimentacao_saudavel_2ed.pdf

Vaz MA, Oliveira GG, Pinheiro MS, Medeiros EFF. Suplementação na infância e a prevenção da carência de micronutrientes: artigo de revisão. Rev Med Saúde Brasileira. 2017; 6(1):116-31.

Brasil. Ministério da Saúde. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde. Brasília: DF [internet]; 2011. [acesso em 24 fev 2019]. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_coleta_analise_dados_antropometricos.pdf.

OMS. Organização Mundial da Saúde. WHO child growth standards. Geneva [internet]; 2006. [acesso em 05 jun. 2019]. Disponível em https://www.who.int/childgrowth/standards/Technical_report.pdf.

Rimes KA, Oliveira MIC, Boccolini CS. Maternity leave and exclusive breastfeeding. Rev Saúde Pública. 2019; 53:10. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/S1518-8787.2019053000244

Forero Y, Hernandes A, Morales G. Breastfeeding and complementary services program in Bogota, Colombia. Rev Chil Nutr. 2018; 45(4):356-362.

Rieth NFA, Coimbra LC. Caracterização do aleitamento materno em São Luís, Maranhão, Brasil. Rev Pesqu Saúde. 2016; 17(1):7-12.

Schincaglia RM, Oliveira OC, Sousa LM, Martins KA. Práticas alimentares e fatores associados à introdução precoce da alimentação complementar entre crianças menores de seis meses na região noroeste de Goiânia. Epidemiol Serv Saúde. 2015; 24(3):465-474. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000300012

Oliveira ES, Viana VVP, Araújo TS, Martins MC, Cardoso MVLM, Pinto LMO. Alimentação complementar de lactantes atendidos em uma Unidade Básica de Saúde da Família do nordeste brasileiro. Cogitare Enferm. 2018; 23(1):e51220. DOI: http://dx.doi.org/0.5380/ce.v23i1.51220

Martin KS, Ghosh D, Page M, Wolff M, Mcminimee K, Zangh M. What role do local grocery stores play in urban food environment? A case study of Hartford-Connecticut. PLoS One. 2014; 9(4):e94033. DOI: http://dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0094033

Lopes WC, Marques FKS, Oliveira CF, Rodrigues JA, Silveira MF, Caldeira AP et al. Alimentação de crianças nos primeiros dois anos de vida. Rev Paul Pediatr. 2018; 36(2):164-170. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1984-0462/;2018;36;2;00004.

Contarato AAPF, Rocha EDM, Czarnobay SA, Mastroeni SSBS, Veugelers PJ, Mastroeni MF. Independent effect of type of brastfeeding on overweight and obesity in children aged 12-24 months. Cad Saúde Pública. 2016; 32(12):e00119015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00119015.

Gurnani, M, Birken C, Hamilton J. Childhood Obesity: causes, consequences and management. Pediatr Clin North Am. 2015; 62(4):821-840. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.pcl.2015.04.001.

Santos EM, Silva LS, Rodrigues BFS, Amorim TMAX, Silva CS, Borba JMZ et al. Avaliação do aleitamento materno em crianças até dois anos assistidas na atenção básica do Recife, Pernambuco, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2019; 24(3):1211-1222. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018243.126120171.

Duarte BM, Tobias KRC. A importância do aleitamento materno para nutrição e qualidade de vida do lactente. Saber Científico. 2018.

Albuquerque AO, Dantas KB, Tomé MABG, Aire JS, Gubert FA, Martins MC. Hábitos alimentares de crianças com até 6 meses em alimentação complementar e/ou desmame precoce. Revista Enfermagem Atual. 2018; 2018(86).

Nunes LM, Vigo A, De Oliveira LD, Giugliani ERJ. Efeito de intervenção no cumprimento das recomendações alimentares no primeiro ano de vida: ensaio clínico randomizado com mães adolescentes e avós maternas. Cad Saúde Pública. 2017; 33(6):e00205615. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00205615.

Coelho LC, Asakura L, Sachs A, Erbert I, Novaes CRL, Gimeno SGA. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional/SISVAN: conhecendo as práticas alimentares de crianças menores de 24 meses. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(3):727-738. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015203.15952014

Carrazzoni DS, Pretto ADB, Albernaz EP, Pastore CA. Prevalência de fatores na primeira infância relacionados à gênese da obesidade em crianças atendidas em um ambulatório de Nutrição. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 2015; 9(50):74-81.

Oliveira CM, Dos Santos TC, Melo IM, Aguiar DT, Netto JJM. Promoção do aleitamento materno: intervenção educativa no âmbito da Estratégia de Saúde da Família. Rev Enfermagem Revista. 2017; 20(2):99-108.

Mendonça JSC. Início da introdução de açúcar na dieta e presença de cárie dentária em bebês com e sem fissura labiopalatina [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2015.

Backes AC. Cancelier ACL. Práticas alimentares em crianças menores de dois anos: consumo de açúcar e bebidas adoçadas. Arq Catarin Med. 2018; 47(1):71-81.

Rose CM, Birch LL, Savage JS. Dietary patterns in infancy are associated with child diet and weight outcomes at 6 years. International Journal of Obesity. 2017; 41(5):783-788. DOI: http://dx.doi.org/10.1038/ijo.2017.27

Alves LL, Cirino IP, Santos MDS, Oliveira EAR, De Souza AF, Lima LHO. Prevalência do aleitamento materno exclusivo e seus fatores de risco. Saúde e Pesq. 2018; 11(3):527-534.

Alves JS, Oliveira MIC, Rito RVVF. Orientações sobre amamentação na atenção básica de saúde e associação com o aleitamento materno exclusivo. Ciênc Saúde Coletiva. 2018; 23:1077-1088. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018234.10752016

Ferreira MGC, Gomes MFP, Fracolli LA. Aleitamento materno: orientações recebidas por gestantes acompanhadas pela estratégia saúde da família. Rev Aten Saúde. 2018; 16(55):36-41. DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol16n55.4888

Mello CS. Barros KV, Morais MB. Brazilian infant and preschool children feeding: literature review. J Pediatr. 2016; 92(5):451-463. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2016.02.013

Stepehn A, Alles M, Graaf C, Fleith M, Hadjilucas EH, Isaacs E et al. The role and requirements of digestible dietary carbohydrates in infants and toddlers. Eur J Clin Nutr. 2012;66(7):765. DOI: http://dx.doi.org/10.1038/ejcn.2012.27

Gurmini J, Porello EB, Belleza MSS, Silva KN, Kusma SZ. Análise da alimentação complementar em crianças entre 0 e 2 anos de Escolas Públicas. Rev Med UFPR. 2017; 4(2):55-60. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rmu.v4i2.55187.g33467

Stadler F, Tsupal PA, Brecailo MK, Vieira DG. Relação entre a alimentação complementar e a prevalência de excesso de peso em pré-escolares. Saúde. 2016; 42(1):197-204.

Caldeira KMS, De Souza JMP, De Souza SB. Excesso de peso e sua relação com a duração do aleitamento materno em pré-escolares. Rev. bras. crescimento desenvolv. hum. 2015; 25(1):89-96. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/JHGD.96786.

Dallazen C, Silva SA, Gonçalves VSS, Nilson EAF, Crispim SP, Lang RMF et al. Introdução de alimentos não recomendados no primeiro ano de vida e fatores associados em crianças de baixo nível socioeconômico. Cad Saúde Pública. 2018; 34(2):e00202816. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00202816.

Carvalho MJLN, Carvalho MF, Santos CR, Santos PTF. Primeira visita domiciliar puerperal: uma estratégia protetora do aleitamento materno exclusivo. Rev Paul Pediatr. 2018; 36(1):66-73. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1984-0462/;2018;36;1;00001.

Oliveira MIC, Rigotti RR, Boccolini CS. Fatores associados à falta de diversidade alimentar no segundo semestre de vida. Cad Saúde Colet. 2017; 25(1):65-72. DOI: https://doi.org/10.1590/1414-462x201700010204.

Bessa MG, Valério P, Dos Santos ILF. Fatores que influenciam o desmame precoce em uma unidade de saúde da família no município de Várzea Grande-MT. TCC-Enfermagem. 2018.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Trabalho doméstico. Brasília: DF [internet]; 2013. [acesso em 05 jun. 2019]. Disponível em http://agenciaprisma.com.br/Manual-do-Trabalho-Domestico-Direitos-e-Deveres.pdf.

Published

2022-09-01

Issue

Section

Original Papers