Comercialização, dispensação e prescrição de Nutracêuticos antioxidantes por farmacêuticos

Marketing, dispensing and prescription of antioxidant Nutraceutics by pharmacists

Authors

  • Marcos Pereira Caetano
  • Sylvia Escher de Oliveira Nielson
  • Isaac Yves Lopes de Macedo
  • Erica Aparecida Batista
  • Daniela Borges Marquez Barbosa
  • Aline de Sousa Brito
  • Gilberto Reis Agostinho Silva
  • Eric de Souza Gil

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n5-019

Keywords:

Nutracêuticos, prescrição farmacêutica, antioxidantes

Abstract

OBJETIVO: O presente estudo busca elencar nutracêuticos comercializados em Drogarias na cidade de Goiânia, Brasil e avaliar o grau de conhecimento do profissional farmacêutico sobre o uso destes produtos, boas práticas de armazenamento, orientações para a dispensação e prescrição farmacêutica. MÉTODOS: Pesquisa quantitativa, observacional do tipo transversal, realizado por meio de um questionário eletrônico distribuído aos farmacêuticos nas farmácias comunitárias, localizadas na região sul em Goiânia- Goiás. No período de 15 de julho a 15 de agosto de 2021. Na ocasião foi realizado a visita e entrevista a 30 farmácias ¬¬nas quais foram entrevistados 30 farmacêuticos. RESULTADOS: Verificamos que os nutracêuticos mais vendidos foram, destacadamente: Propolis (Apis melífera), Maca Peruana (Lepidium meyeni) Alho (Allium sativum), e os indicados/ SEM PRESCRIÇÃO pelo farmacêutico; Propolis, Cranberry (Vaccnium macrocarpom) e Maca Peruana e prescritos Alho, Cha verde (Camellia sinensis) e Açafrão (Curcuma longa). CONCLUSÕES: A resolução nº 586 objetivou permitir aos farmacêuticos habilitados prescrever terapias farmacológicas. Identificamos que 46,7% nunca prescreveu um MIP, e 43,3% nunca prescreveu nutracêuticos, o que ultrapassa 60% dos entrevistados que nunca realizou uma prescrição farmacêutica., observa-se grande número de usuários de nutracêuticos sem o acompanhamento de um profissional habilitado, seja o farmacêutico ou nutricionista.  É importante ressaltar que nenhum dos profissionais avaliados fizeram a prescrição de nutracêuticos. Essa atividade necessita ser implementada, pois embora haja a garantia legal para a realização da prescrição pelo farmacêutico, ainda não se observa na rotina de trabalho do farmacêutico a realização dessa atribuição clínica. 

References

ALONSO, J., Tratado de Fitofármacos y Nutracêuticos, Ed. Corpus, 2004.

Antunes, p.s. A percepção dos estudantes de uma escola da rede pública na cidade de João Pessoa-PB em relação a atenção farmacêutica e o uso racional de medicamentos. 2014. 52f. Trabalho de Conclusão de Curso – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, 2004. 5. AQUINO, D.S. Por que o uso racional de medicamentos deve ser uma prioridade? Revista Ciência & Saúde Coletiva, vol. 13, p. 733-736, 2008.

Araújo, a.l.a. et al. Perfil da assistência farmacêutica na atenção primária do Sistema Único de Saúde Ciência & Saúde Coletiva, v.13 p. 611-617, 2008

ÁVILA, L. C. Índice terapêutico fitoterápico – ITF. 2 ed. Petrópolis, RJ, 2013

Bastiani. A. Et al. O uso abusivo de medicamentos. Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 6, n. 1, 2005.

BATISTUZZO, J.A; ITAYA, M; ETO, Y. Formulário Médico-Farmacêutico. São Paulo/ SP: Atheneu, 5ª Ed. 2015

BRATMAN.S.GIRMAN.A.M. HANDBOOK OF HERBS AND SUPPLEMENTS THERAPEUTIC USES.St.Louis:Mosby,2003.

BRAGA. J. C. B; SILVA. L. R. Silva. Consumo de plantas medicinais e fitoterápicos no Brasil: perfil de consumidores e sua relação com a pandemia de COVID-19. Brazilian Journal of Health Review,Curitiba, v.4, n.1, p.3831-3839jan./feb.2021.

Carrillo-garcía, c. et al. Influência do gênero e da idade: satisfação no trabalho de profissionais da saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 21, n. 6, p. 1314- 1320, 2013.

CAMPOS L. S. A prática da atenção farmacêutica no acompanhamento farmacoterapêutico de idosos diabéticos e hipertensos: relato de caso. Braz. J. Hea. Rev., Curitiba, v. 3, n. 2, p. 2287-2296mar/abr. 2020.

Consumer Preferences and Willingness to Pay for Nutraceuticals: A Discrete Choice Experiment, Value in Health Regional Issues, Volume 24, 2021,

Ercisli S, Orhan E. Chemical composition of White (Morus alba), Red (Morus rubra) and Black (Morus nigra) mulberry fruits. Food Chem. 2007; 103(4): 1380-1384.

FERREIRA E. T. et al. A utilização de plantas medicinais e fitoterápicos: uma revisãointegrativa sobre a atuação do enfermeiro. Braz. J.Hea. Rev., Curitiba, v. 2, n. 3, p. 1511-1523, may./jun. 2019.

GALATO, Dayani et al. A dispensação de medicamentos: uma reflexão sobre o processo para prevenção, identificação e resolução de problemas relacionados à farmacoterapia. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v. 44, n. 3, p. 465-475, 2008.

Li XM, Ma YL, Liu XJ. Effect of the Lycium barbarum polysaccharides on age-related oxidative stress in age mice. J. Ethnopharmacol, 2007

Lyra junior, d. P.; marques, t. C. As bases da dispensação racional de medicamentos para farmacêuticos. São Paulo: Pharmabooks, 2012.

Lyra júnior, d.p. Impacto de um programa de atenção farmacêutica nos resultados clínicos e humanísticos de um grupo de idosos, assistidos na unidade básica distrital de saúde Dr. Ítalo Baruffi, Ribeirão Preto (SP). 2005. 192 f. Tese (Doutorado em Ciências Farmacêuticas) - Universidade de São Paulo Ribeirão Preto, 2005

Moraes, f. P; colla, l. M. Alimentos funcionais e nutracêuticos: Definições, legislação e benefícios à saúde. Revista Eletrônica de Farmácia, Vol 3(2), 109-122, 2006.

Munhoz Filho, Rubens; Borba Sombrio, Amanda; Rosa Cèsar, Isis; Maria Ferreira De Castro Wille, Grace; Maria Tsukuda, Patricia; Eduardo Rocha Garcia, Carlos. Brazilian Journal Of Pharmaceutical Sciences: Academic Profile and Update Related to Foods for Community Pharmacist. São Paulo: Divisão de Biblioteca e Documentação do Conjunto Das Químicas/usp, 2010. 46 v.

Oliveira, a. B. et al. Obstáculos da atenção farmacêutica no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, São Paulo, v. 41, n. 4, p. 409-413, 2005.

Oliveira, Naira Villas Boas Vidal de et al. Atuação profissional dos farmacêuticos no Brasil: perfil sociodemográfico e dinâmica de trabalho em farmácias e drogarias privadas. Saúde e Sociedade [online]. 2017, v. 26, n. 4 [Acessado 29 Agosto 2021] , pp. 1105-1121.

Pracownia Chemii Stosowanej, Wydział Chemii Uniwersytetu, Adama Mickiewicza and Poznaniu. Carotenoids as natural antioxidants. 2015 Apr 7;69:418-28

R STUDIO TEAM. RStudio Cloud: Integrated Development for R.Boston, MARStudio, Inc., , 2019. . Disponível em: <https://www.rstudio.com/>.

Serafin, c.; correia júnior, d.; vargas, M. Perfil do farmacêutico no Brasil: relatório. Brasília, DF: Conselho Federal de Farmácia, 2015.

Siew Li Teoh, Surachat Ngorsuraches, Nai Ming Lai, Nathorn Chaiyakunapruk,

Soares a. P; farias l. M. Efeito do Licopeno do tomate na prevenção do câncer de próstata. Revista interdisciplinar. V.5, n.2, p. 50-54. 2012

Teske, m., tre ti i, m., margaly, a., Compêndio de Fitoterapia. Herbarium. 1997

Teske, m.; trentini, a. M. M. Herbarium – Compêndio de Fitoterapia. Terceira edição. Curitiba: Ed. Herbarium Laboratório Botânico, 1995.

Wagner, h.; wiesenauer, M. Fitoterapia: Fitofármacos, Farmacologia e Aplicações Clínicas. 2ª.ed. São Paulo: Pharmabooks, 2006.

Published

2022-09-05

Issue

Section

Original Papers