Iniciativas de hospitais brasileiros em sustentabilidade ambiental: uma revisão narrativa

Initiatives of brazilian hospitals in environmental sustainability: a narrative review

Authors

  • Daniely Bezerra de Castro Sena
  • Kamyla de Arruda Pedrosa
  • Carolina Drummond Barboza
  • Moema Diogo Pompeu Bezerra
  • Márcio de Oliveira Mota

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n5-021

Keywords:

hospitais, gestão ambiental, meio ambiente, resíduos de serviços de saúde, saúde ambiental

Abstract

A sustentabilidade ambiental no Brasil está m processo de amadurecimento, sendo apoiada no Triple Bottom Line (TBL) e nos Hospitais Verdes. Dessa maneira, o objetivo desta pesquisa foi uma reflexão e identificação das facilidades e desafios das práticas de sustentabilidade ambiental em hospitais brasileiros. Esta pesquisa foi uma revisão narrativa, realizada no período de sete anos, em oito bancos e bases de dados, resultando em 15 publicações. Foram realizadas a análise de similitude e a nuvem de palavras no software Iramuteq® do corpus textual. De forma estratégica, a presença de interrelações com os stakeholders relacionados às dimensões do TBL, e as duas novas dimensões como a técnica e a estratégica, são direcionadas aos objetivos para o desenvolvimento sustentável. A incorporação da logística reversa, obtenção de certificação de qualidade, treinamentos, reaproveitamento de água, controle de temperatura, iluminação adequada, edifícios hospitalares verdes e constituição comissões efetivas em hospitais mostraram melhorias na terapêutica e humanização aos pacientes, redução dos custos e adequado gerenciamento dos resíduos.

References

ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 9000: sistema de gestão da qualidade. Rio de Janeiro: ABNT, 2015a.

ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 9001: Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos. Rio de Janeiro: ABNT, 2015b.

ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 14001: Sistemas de gestão ambiental — Requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro: ABNT, 2015c.

AGERON, B.; GUNASEKARAN, A.; SPALANZANI, A. Gestão de suprimentos sustentável: Um estudo empírico. Revista Internacional de Economia da Produção , v. 140, n. 1, p. 168-182, 2012.

AKDAG, H.C.; BELDEK, T. Hospital Verde em conjunto com um sistema de saúde enxuto. In: Engenharia Industrial na Era do Big Data . Springer, Cham. p. 461-470. 2019.

ALMEIDA, E.G.R. et al. Instrumento de visita técnica no serviço de limpeza em instituição de saúde em processo de implantação do programa de controle de infecção hospitalar. Brazilian Journal of Health Review, v. 5, n. 3, p. 8417-8427, 2022.

ALVES, H.S. Métodos e práticas de sustentabilidade no edifício hospitalar 8DJU. TCC (Graduação em Engenharia Biomédica). Universidade Federal de Uberlândia, 2017; 55 p.

ANVISA. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução de Diretoria Colegiada nº 50, de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe sobre regulamento técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 mar. 2002. Seção 1, p. 39.

ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução da diretoria colegiada: RDC nº 222, de 22 de março de 2018. Regulamenta as Boas Práticas de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 mar. 2018. Seção 1, p. 76.

ARAÚJO, W.C.O. Recuperação da informação em saúde: construção, modelos e estratégias. ConCI: Convergências em Ciência da Informação, v. 3, n. 2, p. 100-134, 10 jul. 2020.

ARNALDO, L.T. O impacto da logística inversa e verde nas organizações. Dissertação (Mestrado em Ciências Empresariais – Ramo Gestão Logística) – Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Ciências Empresariais, 2018; 102 p.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria n° 485, de 11 de novembro de 2005. Aprova a Norma Regulamentadora (NR) n° 32 (Segurança e saúde no trabalho em estabelecimentos de saúde) [Internet]. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília(DF); 2005 Nov 11 [citado 2022 Mar 31]. Disponível em:

http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_32.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Saúde ambiental : guia básico para construção de indicadores. Brasília. 2011. 124 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Qualificação e sustentabilidade das construções dos estabelecimentos assistenciais de saúde/Ministério da Saúde, Organização PanAmericana da Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2015. 64 p.

BRUM, T.T. Diagnóstico e aplicação de metodologia para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde em uma unidade hospitalar. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, São Leopoldo, 2019; 98 p.

CAMARGO, B.V.; JUSTO, A.M. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas Psicol. v. 21, n. 2, p. 513-518, 2013.

CARVALHO, M.I. da S. et al. Fragilidades no processo de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde em unidades hospitalares brasileiras: uma revisão integrativa da literatura. Brazilian Journal of Health Review, v. 4, n. 6, p. 25926-25939, 2021.

CAVICCHI, C.; VAGNONI, E. Does intellectual capital promote the shift of healthcare organizations towards sustainable development? Evidence from Italy. Journal of Cleaner Production, v. 153, p. 275–286, jun. 2017. Disponível em: http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0959652617306297. Acesso em: 20 mar. 2022.

CHÍAS, P.; ABAD, T. Green hospitals, green healthcare. International Journal of Energy Production and Management, v. 2, n. 2, p. 196-205, 2017.

CORDEIRO, A. M. et al. Revisão sistemática: uma revisão narrativa. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 34, n. 6, p. 428-431, 2007. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/rcbc/v34n6/11>. Acesso em: 04 março 2022.

DHILLON, V. S.; KAUR, D. Green hospital and climate change: their interrelationship and the way forward. Journal of Clinical and Diagnostic Research, v. 9, n. 12, p. LE01–LE05, 2015. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26814377. Acesso em: 9 mar. 2022.

ELKINGTON, J. Digite a linha de fundo triplo. In: A linha de fundo tripla . Routledge. p. 23-38, 2013.

GOMES, J.S. Entre “rejeitos”, riscos e resíduos: perspectivas e desafios no gerenciamento de resíduos em hospitais públicos do Estado do Pará. Tese (Doutorado em Ciências Socioambientais) - Núcleo de Altos Estudos Amazônicos. Universidade Federal do Pará, Belém, 2015; 211 p.

GREEN, B.N.; JOHNSON, C.D.; ADAMS, A. Writing narrative literature reviews for peer-reviewed journals: secrets of the trade. J Chiropr Med. v. 5, p. 101-17, 2006.

HCWH. Health Care Without Harm . 2017. Disponível em: https://noharm.org/. Acessado em: 1 de março de 2022.

JBI. Joanna Briggs Institute. Methodology for JBI Scoping Reviews - Joanna Briggs 2015. [Internet]. Australia: JBI; c2015. Available from: http://joannabriggs.org/assets/docs/sumari/ Reviewers-Manual_Methodology-for-JBI-Scoping-Reviews_2015_v2.pdf.

KARLINER, J.; GUENTHER, R. Global green and healthy hospitals agenda. 2011. Disponível em: http://www.greenhospitals.net. Acesso em: 04 mar. 2022.

LANFERDINI, D.K. Análise ambiental de uma cozinha hospitalar de grande porte. TCC (Graduação em Nutrição – Faculdade de Medicina). Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Porto Alegre, 2018. 33 p.

LOPES, C.R.P. Bloco operatório verde: sustentabilidade ambiental. 2021. Dissertação. Mestrado em Gestão de Empresas. ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa. 2021. 122 p.

MMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA. Resolução Conama n° 358, de 29 de abril de 2005: gestão de resíduos e produtos perigosos. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama. Acesso em: 14 mar. 2022.

MMA. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Política nacional de resíduos sólidos. Brasília, 2010. Disponível em: http://www.mma.gov.br/política-de-resíduos-sólidos. Acesso em: 20 mar. 2022.

MOYNIHAN, R. The greening of medicine. BMJ (Online), v. 344: p. 1–4, 2012.

NEVES, F. O.; SALGADO, E. G. Atuação do Triple Bottom Line sobre a produção industrial brasileira. In: International Workshop Advances in Cleaner Production: Ten years working together for a susteinable future, 6., 2017, São Paulo. Anais […]. São Paulo: 2017.

NOGUEIRA, D.N.G.; CASTILHO, V. Resíduos de serviços de saúde: mapeamento de processo e gestão de custos como estratégias para sustentabilidade em um centro cirúrgico. Revista de Gestão – REGE. v. 23, p. 362-374, 2016.

NOROOZI, D. et al. Critérios de priorização para estabelecer um hospital verde na província de Fars. Sadra Medical Journal. v. 8, n. 4, p. 367-380, 2020.

OLIVEIRA, K.B. Identificação e sistematização de boas práticas e dificuldades no desenvolvimento dos princípios do green healthcare em organizações hospitalares. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção – FEG). Universidade Estadual Paulista – UNESP, Guaratinguetá, SP, 2019; 226 p.

ONA. Organização Nacional de Acreditação. Manual dos Serviços para a Saúde – Selo de Qualificação ONA – São Paulo: Organização Nacional de Acreditação, 2020.

ONU. Organização das Nações Unidas. Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Nova Iorque: ONU, 2015. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/images/ed_desenvsust/Agenda2030-completo-site.pdf. Acesso em: 04 março 2022.

ORSIOLLI, T.A.E.; NOBRE, F.S. Empreendedorismo Sustentável e Stakeholders Fornecedores: Criação de Valores para o Desenvolvimento Sustentável. Revista de Administração Contemporânea. v. 20: p. 502-523, 2016.

PARIS, P.; SOUZA, C.R.B.; SOUZA, D.B. Arquitetura hospitalar: diretrizes para avaliação de qualidade, conforto e sustentabilidade. Revista Thêma et Scientia, v. 6, n. 2, p. 8-33, 2016.

RAVIOLI, A.F.; SOÁREZ, P.C.; SCHEFFER, M.C. Modalidades de gestão de serviços no Sistema Único de Saúde: revisão narrativa da produção científica da Saúde Coletiva no Brasil (2005-2016). Cadernos de Saúde Pública. v. 34, n. 4, 2018. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/0102-311X00114217>.

RIBEIRO, J.L.P. Revisão De Investigação e Evidência Científica. Psicologia, Saúde & Doenças, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 671-682, 2014. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/pdf/psd/v15n3/v15n3a09.pdf>. Acesso em: 04 março 2022.

ROCHA, S.P.B. Avaliação da sustentabilidade do setor hospitalar que presta serviços públicos. Tese (Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente – Centro de Filosofia e Ciências Humanas). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2019; 237 p.

SAIFUDIN, A. et al. Digitalização hospitalar na era da indústria 4.0 baseada em GHRM e qualidade de serviço. International Journal of Data and Network Science , v. 5, n. 2, p. 107-114, 2021.

SALVADOR, P.T.C.O. et al. Use of IRAMUTEQ software in the Brazilian healthcare research: a scoping review. Revista Brasileira Promoção da Saúde. v. 21, Supl.1, p. 1-9, 2018.

SANTOS, I.E.R, et al. Práticas sustentáveis em unidades de alimentação e nutrição de hospitais públicos em Sergipe. Revista Ibero Americana de Ciências Ambientais. v. 10, p. 195-210, 2019.

SEVEGNANI, T.P. Vigilância em Saúde em Hospitais Universitários: construção de um modelo lógico na perspectiva da sustentabilidade. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2020. 166 p.

SILVA, K.S.; CARNEIRO, A.C.L.L.; CARDOSO, L.M. Práticas ambientalmente sustentáveis em unidades de alimentação e nutrição hospitalares. Brazilian Journal of Food Technology, v. 25, p.1-11, 2022.

SOUSA, L. M. M. et al. Revisões da literatura científica: tipos, métodos e aplicações em enfermagem. Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação. v. 1, n.1, p. 45-54, 2018. Disponível em: <https://dspace.uevora.pt/rdpc/bitstream/10174/25938/1/rperv1n1%2Cp.45-54.pdf>. Acesso em: 04 março 2022.

STEDILE, N.L.R, et al. A aplicação do modelo FPSEEA no gerenciamento de resíduos de serviço de saúde. Ciência & Saúde Coletiva. v. 23. p. 3683-3694. 2018.

TRICCO, A.C.; et al. PRISMA extension for scoping reviews (PRISMA-ScR): checklist and explanation. Ann Intern Med. v. 169, n.7, p.467-473, 2018. Disponível em: doi:10.7326/M18-0850.

UNGER, S.R, et al. Evaluating quantifiable metrics for hospital green checklists. Journal of Cleaner Production. v. 127, p.134–142, 2016.

WEIMANN, E.; PATEL, B. Tackling the climate targets set by the Paris Agreement (COP 21): green leadership empowers public hospitals to overcome obstacles and challenges in a resource constrained environment. South African Medical Journal. v. 107, n. 34, 2017.

Published

2022-09-06

Issue

Section

Original Papers