Análise comparativa dos estilos de aprendizagem de docentes e acadêmicos de um curso de Medicina

Comparative analysis of the learning styles of teachers and academics from a medicine course

Authors

  • Gabriel Milagres Neiva
  • Luiz Felipe Mundim de Souza
  • Victor Oliveira Maciel Rosa
  • Carolina Gonzaga Fonseca
  • Bernardo Nogueira Lodi
  • Caio Guimarães Teixeira
  • Fernanda Cambraia Ferreira
  • Pedro Cid Loureiro Penido

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n5-027

Keywords:

aprendizagem, estudantes de medicina, docentes, inquéritos, questionários

Abstract

Introdução: A teoria experiencial desenvolvida por Kolb afirma que a construção do conhecimento decorre dos modos de apreensão e transformação da experiência, e, que a combinação desses modos origina quatro estilos: assimilador, divergente, convergente e acomodador. Portanto, o processo de aprendizado é individual. Apesar disso, os docentes o fazem de acordo com seu próprio estilo, acarretando em uma possível diminuição do aprendizado para os discentes. Assim sendo, faz-se necessária uma análise desses estilos.  Objetivo: Determinar os estilos de aprendizagem dos professores e acadêmicos de um curso de medicina e avaliar as possíveis diferenças. Método: Estudo transversal realizado por aplicação de questionário baseado no Inventário de Estilo de Aprendizagem de Kolb. As associações entre variáveis categóricas foram avaliadas pelo teste Qui-quadrado e a comparação de médias/medianas entre os grupos, pelo teste de Kruskal-Wallis com comparações múltiplas pelo teste de Nemenyi. As análises foram realizadas no software R versão 4.0.3 e considerado nível de significância de 5%. Resultados: Foram avaliados 183 participantes, sendo 61 docentes, 61 alunos do 1º ano e 61 alunos do 5º ou 6º ano. 116 participantes eram mulheres. A média de idade foi de 30,3 anos. O estilo de aprendizagem mais frequente foi o assimilador com 49,2%. Houve diferença significativa entre o estilo de aprendizagem dos docentes e alunos (1º ano: p<0,001 e 5º/6º ano: p=0,001). Conclusão: A diferença entre os estilos de docentes e alunos demonstra que a maneira de ensinar deve ser compatível com os acadêmicos. Com isso, será possível melhorar a qualidade do ensino.

References

Custódio J, Peixoto M, Arruda C, Vieira D, Sousa M, Ávila M. Desafios associados à formação do médico em saúde coletiva no curso de medicina de uma universidade pública do Ceará. Revista Brasileira de Educação Médica 2019;43(2):114-121.

Kolb DA. Experiential learning: experience as the source of learning and development. 1ªed. Nova Jersey: Prentice Hall, 1984, 38p.

Lorena SB, Andrade MM, Arcoverde A, Vilela L, Mota L, Sobrinho J. Análise do acesso à informação acadêmica entre estudantes de medicina inseridos numa metodologia ativa de aprendizagem. Revista Brasileira de educação médica 2019;43(4):176-186.

Batista N, Silva SHS. A função docente em medicina e a formação/educação permanente do professor. Revista Brasileira de Educação Médica 2020;22(2):31-36.

Balzan NC, Wandercil M. Formando médicos: a qualidade em questão. Revista da Avaliação da Educação Superior 2019;24(3):744-765.

Fraga CF, Rosa AR, Jatene AD, Carvalho ARL, Silva CA, Machado EM, et al. Ensino Médico: bases e diretrizes para sua reformulação. Revista Brasileira de Educação Médica 2021;10(2):67-74.

Pellón M, Nome S, Arán A. Relationship between learning style and academic performance of fifth graders enrollment in the medical course. Revista Brasileira De Oftalmologia 2013;72(3):181-184.

Cerqueira SCT. Estilos de aprendizagem em universitários. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2000, 155p.

Regalado RF. Estilos de aprendizaje en estudiantes de Medicina de la Universidad Walter Sisulu de Sudáfrica. Revista Cubana de Educación Médica Superior 2019;33(2):1-12.

Sobral DT. Reflexão na aprendizagem: análise dos estudantes de um curso de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica 2021;26(1):05-12.

Jesus EMS. Método tradicional e ativo: uma análise dos estilos de aprendizagem e pensamento crítico de estudantes de farmácia e medicina. Aracajú: Unversidade Federal de Sergipe, 2018, 177p.

Sobral DT. Estilos de aprendizagem dos estudantes de medicina e suas implicações. Revista Brasileira de Educação Médica 2020;4(2):05-12.

Borracci A, Guthman G, Rubio M., Arribalzaga B. Estilos de aprendizaje en estudiantes universitarios y médicos residentes. Educácion Medica 2008;11(4):229-238.

Andrade VT, Scarpellino MM, Rabelo MRG, Araújo BC. Estilos de aprendizagem segundo postulados de David Kolb: uma experiência no curso de medicina. Brazilian Journal of Health Review 2020;3(2):3858-3874.

Diógenes LM. Estilos de aprendizagem de estudantes de cursos de graduação em Medicina de Mossoró-RN. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, 2019, 110p.

Meurer A, Pedersini D, Antonelli R, Voese S. Estilos de aprendizagem e rendimento acadêmico na universidade. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación 2018;16(4):23-43.

Azevedo DG, Zampa M. A teoria da aprendizagem experiencial de David Kolb na educação profissional e tecnológica: contemplando os estilos de aprendizagem em uma sequência didática. Educação Profissional e Tecnológica em Revista 2021;5(3):5-30.

Mendes M, Lima A. Análise dos estilos de aprendizagem dos alunos e professores do curso de ciências contábeis do Unipam: inventário de David Kolb. Contabilometria 2019;6(2):14-27.

Silva D, Almeida B, Calmon J. Contribuição para socialização de conhecimentos e práticas por e entre bibliotecários de ciências da saúde e diálogos com a teoria da aprendizagem por experiência de Kolb. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação 2021;26(2):1-29.

Published

2022-09-06

Issue

Section

Original Papers