Conhecimento das boas práticas ao parto por parte dos profissionais de enfermagem: uma revisão integrativa da literatura

Knowledge of good practices for the birth by nursing professionals: an integrative literature review

Authors

  • Paola Alexandria Pinto de Magalhães
  • Luciana Braz de Oliveira Paes
  • Letícia Fernandes Cavalcante
  • Maria Eduarda Garcia Avanço Silva
  • Maria de Lourdes Casillas Santana
  • Gabriela Cristina Dias

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n5-031

Keywords:

cuidado perinatal, parto humanizado, enfermagem obstétrica

Abstract

Introdução:  A assistência obstétrica era marcada por excesso de intervenções e não como evento natural e fisiológico. O surgimento das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para as boas práticas ao parto trouxeram evidências a fim de promover uma boa qualidade de assistência ao parto. Material e Métodos: Revisão Integrativa da Literatura. A pergunta norteadora foi: “Qual o conhecimento científico produzido acerca da aplicabilidade das Boas Práticas do Parto por profissionais de enfermagem na assistência ao parto”. Os descritores utilizados foram: cuidado perinatal, parto humanizado, enfermagem obstétrica, por meio do operador booleano AND. As bases de dados utilizadas foram PubMed, LILACS e CINAHL. Critérios de inclusão: artigos completos dos anos de 2005 à 2020, disponíveis em Inglês, Português e Espanhol, de métodos quantitativo. Foram excluídos artigos que não corresponderam ao período estabelecido; publicações repetidas, artigos de Revisão de Literatura, e estudos não quantitativos. Resultados: Foram localizados 1468 artigos, no entanto apenas 4 se enquadraram no critério de inclusão do estudo. Todos os artigos tiveram o enfermeiro como profissional de enfermagem. Há um aumento das boas práticas ao parto quando o enfermeiro obstetra está presente, devido ao seu conhecimento. Em alguns hospitais algumas práticas desfavoráveis e usadas de maneira inapropriada ainda persistem, apesar de ter diminuído com o conhecimento do enfermeiro obstetra. Conclusão: a Enfermagem Obstétrica é componente fundamental na assistência humanizada ao parto, reduzindo assim o risco de práticas claramente prejudiciais ou que são utilizadas de modo inapropriado e incentivando boas práticas ao parto e nascimento.

References

Pereira RM, Fonseca GO, Pereira ACC, Gonçalves GA, Mafra RA. Novas práticas de atenção ao parto e os desafios para a humanização da assistência nas regiões sul e sudeste do Brasil. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2018 [acesso em 2020 jun 24]; 23(11). Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-812320182311.07832016.

Gonçalves MF, Teixeira EMB, Silva MAS, Corsi NM, Ferrari RAP, Pelloso SM, et al. Pré-natal: preparo para o parto na atenção primária à saúde no sul do Brasil. Rev Gaúcha Enferm [online] 2017. [acesso em 2020 jun 24]; 38(3). Disponível em: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2017.03.2016-0063

Castro RCMB, Freitas CM, Camasceno AKC, Esteche CGE, Coelho TS, Brilhante AF. Resultados obstétricos e neonatais de partos assistidos. Rev enferm UFPE [online] 2018. [acesso em 2020 mai 23]; 12(4). Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/25202/30753.

Velho MB, Brüggemann OM, McCourt C, Gama SGN, Knobel R, Gonçalves AC, et al. Modelos de assistência obstétrica e fatores associados. Cad. Saúde Pública [online]. 2019. [acesso em 2020 mai 24]; 35(3). Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v35n3/1678-4464-csp-35-03-e00093118.pdf

World Health Organization. World Health Organization recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva: World Health Organization; 2018. [acesso em 2020 mai 24]. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&pid=S0102-311X201900030501000004&lng=en.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria N° 1459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS, a Rede Cegonha. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Out 2011; Nº 193 – Seção 1 - p.69.

World Health Organization. Care in normal birth: a practical guide [Internet]. Genebra: World Health Organization. 57 p. 1996. [acesso em 2020 mai 24]. Disponível em: http://www.midwiferyservices.org/care_in_normal_ birth_practical_guide.pdf

Melo BM, Gomes LFS, Henrique ACPT, Lima SKM, Damasceno AKC. Implementação das boas práticas na atenção ao parto em maternidade de referência. Rev Rene. 2017. [acesso em 2020 mai 27]; 18(3). Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/20065

Lopes LCS, Aguiar RS. Applicability of good birth care practices: integrative literature review. REVISA [online] 2020. [acesso em 2020 abr 4]; 9(1). Disponível em: https://doi.org/10.36239/revisa.v9.n1.p133a143

Piler AA, Wall ML , Aldrighi JD , Souza SRRK , Trigueiro TH , Peripolli LO. Fatores determinantes dos cuidados de enfermagem no processo de parturição. Rev enferm UFPE [online] 2019. [acesso em 2020 mar 26]; 13(1). Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/236515/31154

Silva JÁ, Aoyama EA. A importância da enfermagem obstétrica na saúde da mulher brasileira. ReBIS [Internet] 2020. [acesso em 2020 jun 10]; 2(2). Disponível em: http://revista.rebis.com.br/index.php/rebis/article/view/344/111

Samapaio JAMA, Braga TRO, Silvq ML, Quental OB. A importância do atendimento pré-hospitalar para o paciente politraumatizado no Brasil: Uma Revisão Integrativa. Rev. Mult. Psic. 2019. [acesso em 2020 abr 10]; 13(48). Disponível em: https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/2297/3499

Araújo AKL, Junior FJGS, Filho ACAA, Nery IS, Monterio CFS. Perfil de mulheres que vivenciaram complicações decorrentes do aborto: evidências da literatura científica brasileira. R. Interd. 2016. [acesso em 2020 abr 10]; 9(1). Disponível em: https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/491

Santos CMV, Pimenta CAM, Nobre MRC. A estratégia PICO para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Rev Latino-Am Enfermagem. 2007 [acesso em 2020 abr 10]; 15(3): 508-11. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692007000300023&lng=en&tlng=em

Silva DD, Brasileiro M, Souza DG. Relação entre envelhecimento da população e o risco de quedas: revisão integrativa. São Paulo: Revista Recien. 2018. [acesso em 2020 abr 10]; 8(23). Disponível em: https://recien.com.br/index.php/Recien/article/view/258/pdf_1

Silva BAA, Braga LP. Fatores promotores do vínculo mãe-bebê no puerpério imediato hospitalar: uma revisão integrativa. Rev. SBPH. 2019. [acesso em 2020 abr 10]; 22(1). Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rsbph/v22n1/v22n1a14.pdf

Ursi ES, Gavão CM. Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura Ver. Latino-am. Enfermagem. 2006. [acesso em 2020 jul 14]; 14(1):124-31. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v14n1/v14n1a17.pdf

Silva TPR, Dumont-Pena E, Sousa AMM, Amorim T, Tavares LC, Nascimento DCP, et al. Enfermagem Obstétrica nas boas práticas da assistência ao parto e nascimento. Rev Bras Enferm; 2019 [acesso em 2020 out 10]; 72(3): 245-253. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v72s3/pt_0034-7167-reben-72-s3-0235.pdf

Medeiros RMK, Teixeira RC, Nicolini AB, Alvares AS, Corrêa ACP, Martins DP. Humanized Care: insertion of obstetric nurses in a teaching hospital. Rev Bras Enferm [Internet]; 2016 [acesso em 2020 out 10]; 69(6): 1091-98. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v69n6/0034-7167-reben-69-06-1091.pdf

Vieira MJO, Santos AAP, Silva JMO, Sanches METL. Assistência de enfermagem obstétrica baseada em boas práticas: do acolhimento ao parto. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2016 [acesso em 2020 out 10]; (18): 1-10. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/36714/21669

Sousa AMM, Souza KV, Rezende EM, Martins EF, Campos D, Lansky S. Práticas na assistência ao parto em maternidades com inserção de enfermeiras obstétricas, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Esc Anna Nery 2016 [acesso em 2020 out 10]; 20(2): 324-331. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ean/v20n2/1414-8145-ean-20-02-0324.pdf

Gama SGN, Viellas EF, Torres JA, Bastos MH, Brüggemann OM, Theme Filha MM, et al. Labor and birth care by nurse with midwifery skills in Brazil. Reprod Health. 2016 [acesso em 2020 nov 02]; 13 (3): 123. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5073910/

Feijão LBV, Boeckmann LMM, Melo MC. Conhecimento de enfermeiras residentes acerca das boas práticas na atenção ao parto. Enferm. Foco 2017 [acesso em 2020 out 30]; 8 (3): 35-39. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1028313

Reis TR, Zamberlan C, Quadros JS, Grasel JT, Moro ASS. Obstetric Nurses: contributions to the objectives of the Millennium Development Goals. Rev Gaúcha Enferm. 2015 [acesso em 2020 out 30]; 36 :94-101. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rgenf/v36nspe/en_0102-6933-rgenf-36-spe-0094.pdf

Reis TLR, Padoin SMM, Toebe TFP, Paula CC, Quadros JS. Autonomia feminina no processo de parto e nascimento: revisão integrativa da literatura. Rev Gaúcha Enferm. 2017 [acesso em 2020 out 2020]; 38(1): e64677. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rgenf/v38n1/0102-6933-rgenf-1983-144720170164677.pdf

Narchi NZ, Cruz EF, Gonçalves R. The role of midwives and nurse-midwives in promoting safe motherhood in Brazil. Ciênc Saúde Colet. 2013 [acesso em 2020 nov 04]; 18(4): 1059-68. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000400019.

Porfírio AB, Progianti JM, Souza DOM. As práticas humanizadas desenvolvidas por enfermeiras obstétricas na assistência ao parto hospitalar. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2010 [acesso em 2020 nov 02]; 12(2): 331-6. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v12i2.7087.

Gomes ML, Moura MAV, Souza IEO. Obstetrical practice by nurses in instiutional childbirth: a possibility for emancipatory knowledge. Texto contexto-enferm. [Internet]. 2013 [acesso em 2020 nov 02]; 22(3): 763-71. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000300024.

Reis JTS, Saraiva FO, Ferraresi MF, Vieira MAS. Perfil epidemiológico das parturientes atendidas em uma maternidade de alto risco de Goiânia-GO. Estudos [Internet]. 2014 [acesso em 2020 nov 03]; 41(2): 329-39. Disponível em: http://seer.ucg.br/index.php/estudos/article/view/3388.

Vogt SE, Diniz SG, Tavares CM, Santos NCP, Schneck CA, Zorzam B, et al. Características da assistência ao trabalho de parto em três modelos de atenção no SUS, no Município de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011 [acesso em 2020 nov 03] ; 27(9): 1789-1800. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2011000900012.

Manzini FC, Borges VTM, Parada CMGL. Avaliação da assistência ao parto em maternidade terciária do interior do Estado de São Paulo, Brasil. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2009 [acesso em 2020 nov 01]; 9(1): 59-67. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1519-38292009000100007.

Frankman EA, Wang L, Bunker CH, Lowder JL. Episiotomy in the United States: has anything changed? Am J Obstet Gynecol. 2009 [acesso em 2020 nov 03]; 200(5): 573-7. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.ajog.2008.11.022.

Souza DOM. Partos assistidos por enfermeiras: práticas obstétricas realizadas no ambiente hospitalar no período de 2004 a 2008 [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro-UERJ; 2011

Silva TF, Costa GAB, Pereira ALF. Cuidados de enfermagem obstétrica no parto normal. Cogitare Enferm. 2011 [acesso 2020 nov 03]; 16(1): 82-7. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/21116/13942

Leal MC, Pereira APE, Domingues RMSM, Theme Filha MM, Dias MAB, Nakamura-Pereira M, et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad Saúde Pública. 2014 [aesso em 2020 nov 03]; 30(Supl.1): S17-32. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v30s1/0102-311X-csp-30-s1-0017.pdf

Bernitz S. Øian P, Rolland R, Sandvik L, Blix E. Oxytocin and dystocia as risk factors for adverse birth outcomes: a cohort fo low-risck nulliparous women. Midwifery. 2014 [acesso em 2020 nov 01]; 30(3): 364-70. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23684697/

Bugg GJ, SiddiquI F, Thornton JG. Oxytocin versus no treatment or delayed treatment for slow progress in the first stage of spontaneous labour. Cochrane Database Syst Rev [online]. 2015 [acesso em 2020 nov 02]; 9: [aprox. 17 telas]. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21735408/

For Safe Madication Practices (ISMP). List of high alert medications in acute care settings [site internet] 2014 [acesso 2020 nov 02]; Disponível em: http://www.ismp.org/tools/highalertmedications.pdf

Vogt SE, Silva KS, Dias MAB. Comparison of childbirth care models in public hospitals, Brazil. Rev Saúde Pública. 2014 [acesso em 2020 nov 02]; 48(2): 1-10. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rsp/v48n2/0034-8910-rsp-48-2-0304.pdf

Silva, EF; Strapasson, MR; Fischer, ACS. Métodos não farmacológicos de alívio da dor durante trabalho de parto e Parto. REUFSM. 2011 [acesso em 2020 nov 02]; 1(2): 261-271. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/2526/1640

Davis-Floyd R. The technocratic, humanistic and holistic paradigms of childbirth. Int J Gynaecol Obstet. 2001 [acesso em 2020 nov 02]; 75(1): S5-23. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0020-7292(01)00510-0

Jamas MT, Hoga LA, Tanaka AC. Mothers' birth care experiences in a Brazilian birth centre. Midwifery [Internet]. 2011 [acesso em 2020 nov 02]; 27(5): 693-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.midw.2009.10.004

Vasconcelos KL, Martins CA, Mattos DV, Tyrrell MAR, Bezerra ALQ, Porto J. Partograma: instrumento para segurança na assistência obstétrica. Rev enferm UFPE online [Internet]. 2013 [acesso em 2020 nov 02]; 7(2): 619-24. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/3717

Salge AKM, Lôbo SF, Siqueira KM, Silva RCR, Guimarães JV. Prática da episiotomia e fatores maternos e neonatais relacionados. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2012 [acesso em 2020 nov 01]; 14(4): 779-85. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v14i4.17538

Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento (Cadernos Humaniza SUS; v.4) [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, 2014 [acesso em 2020 nov 01]. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf.

Published

2022-09-06

Issue

Section

Original Papers