Perfil epidemiológico de parasitoses intestinais na microrregião de Itajaí/SC

Epidemiological profile of intestinal parasitosis in the microregion of Itajaí/SC

Authors

  • Vitor Deivisson Brito Paredes
  • Daiane Cobianchi da Costa
  • Eduarda Fratoni
  • Rosana Ce Bella Cruz

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n5-050

Keywords:

saúde pública, protozoários, helmintos, Giardia lamblia, amebíase, Ascaris lumbricoides

Abstract

Introdução: As infecções parasitarias intestinais não são de caráter de notificação compulsória no Brasil o que resulta na falta do conhecimento epidemiológico, subdiagnóstico e dificulta a tomada de medidas terapêuticas efetivas. Objetivo: Determinar o perfil epidemiológico das enteroparasitoses da microrregião de Itajaí/SC, levando em consideração gênero e idade mais acometidos.  Materiais e Métodos: Trata-se de uma pesquisa do tipo descritiva analítica transversal não intervencionista a partir de análise dos dados de pacientes atendidos pelos laboratórios da microrregião de Itajaí no período de janeiro de 2015 à dezembro de 2017. Resultados: De 3016 laudos, 591 foram positivos para enteroparasitas e os agentes etiológicos mais prevalentes foram os protozoários: Giardia lamblia, Endolimax nana, Entamoeba coli e os helmintos: Ascaris lumbricoides seguido de Enterobius vermiculares. Discussão e Conclusão: Itajaí por ser um polo turístico que recebe um fluxo grande de pessoas é importante o engajamento de todos, como os órgãos governamentais, educadores, profissionais da saúde, pais ou responsáveis, bem como a comunidade em geral, buscando a melhoria das condições de saúde para a população. Como perspectiva, espera-se a continuação de estudos epidemiológicos que estimem a prevalência de parasitoses, buscando avaliar um maior número de pessoas e desenvolver ações de prevenção junto à comunidade.

References

Neves, D.P.; Melo, A.L.; Linardi, P.M.; Vitor, R.W.A. Parasitologia humana. 11. ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2010.

Edrissian, G.; Rokni, M.B.; MohebalI, M. et al. History of medical parasitology and parasitic infections in Iran. Arch. Iran. Med, 19 (8): 601-607. 2016.

Bahmani, M.; Saki, K.; Kopaei, M.R.; Karamati, S.A.; EftekharI, Z.; Jelodari, M. The most common herbal medicines affecting Sarcomastigophora branches: Asian Pac J Trop Med., 7 (1): S14-S21. 2014.

Pérez Sánchez Glenda, Redondo de la Fé Guillermo, Fong Rodríguez Hiram Guillermo, Sacerio Cruz Marly, González Beltrán Oslandy. Prevalencia de parasitismo intestinal en escolares de 6-11 año. MEDISAN [Internet]. 2012 Abr [citado 2019 Dic 02] ; 16( 4 ): 551-557. Disponible en: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1029-30192012000400009&lng=es

Ferreira, M.U.; Ferreira, C.S.; Monteiro, C.A. Tendência secular das parasitoses intestinais na infância na cidade de São Paulo (1984-1996). Rev Saúde Pública, v.34, n.6, p.73-82, 2000.

Neves, et al. Parasitologia humana. 13ª ed., Rio de Janeiro: Editora Atheneu, 2016.

Macedo, H. S. Prevalência de parasitos e comensais intestinais em crianças de escolas da rede pública municipal de Paracatu (MG). Rev. bras. anal. clin., 37: 209-213, 2005.

Silva, C.G.; Santos, H.A. Ocorrência de parasitoses intestinais da área de abrangência de Centro de Saúde Cícero Idelfonso da Regional Oeste da prefeitura municipal de Belo Horizonte, Minas Gerais. Rev. Biol. Ciênc. Terra., v.1, n.1, 2001.

Lima, D.S.; Mendonça, R.A.; Dantas, F.C.M.; Brandão, J.O.C.; Medeiros, C.S.Q. Parasitoses intestinais infantis no Nordeste brasileiro: uma revisão integrativa da literatura. Cadernos de Graduação: Ciências Biológicas e da Saúde Facipe, v.1, n.2, p.71-80, 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Doenças Transmissíveis. Guia Prático para o Controle das Geo-helmintíases Brasília, 2018. Disponível em < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_controle_geohelmintiases.pdf>. acesso em 10 de outubro de 2019.

Vazquez, Fátima Aidée et al. Prevalencia e intensidad de infección por geohelmintos, caracterizando los factores socio culturales y ambientales que inciden en la infección de escolares, Paraguay, 2015. Rev. chil. infectol., Santiago, v. 35, n. 5, p. 501-508, 2018. Disponível em <https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0716-10182018000500501&lng=en&nrm=iso>. acesso em 10 de outubro de 2019.

Organização pan-americana da saúde. Plano de ação para a eliminação de doenças infecciosas negligenciadas e pós eliminação 2016-2022. 2016. 68ª Sessão do Comitê Regional da OMS para as Américas,. Washington, D.C., EUA, 26 a 30 de setembro de 2016. Disponível em:https://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&view=download&alias=48996-ce164-inf-7-a-p-pda-doencas-negligenciadas&category_slug=164-comite-executivo&Itemid=270&lang=pt . Acesso em: 13 outubro de 2019.

Seixas, M. T. L. Avaliação da frequência de parasitos intestinais e do estado nutricional em escolares de uma área periurbana de Salvador, Bahia, Brasil. Ver. Pat. Trop. v.40, n.4, p. 304-314, 2011.

Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Parasites – Water. Disponível em: <https://www.cdc.gov/parasites/water.html> acesso em 14/10/2019 às 20:30.

Neto A. V. et. al. Parasitologia: uma abordagem clínica. Rio de Janeiro: Editora Elsevier, 2008.

Machado, Josete De Souza. Prevalência de giardíase em crianças de 2 a 5 anos em uma escola pública no município de presidente dutra. Salvador, Bahia, 2011.

Gellatti, L. C.; Pereira, A. S. S.; Mendes, A.P.S. et al. Ocorrência de parasitos e comensais intestinais numa população de escolares do município de uruaçu, goiás. Revista Fasem Ciências Vol. 3, n. 1, jan.-jun./2013.

Chaves, Antonio Carlos Palermo; Filho, José Teixeira de Seixas; Dantas, Marcia Macedo Lima. Revisão do mecanismo fisiopatológico da amebíase. Rer. Augustus - Rio de Janeiro. Vol. 14. N. 29. Fevereiro de 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br, Acessado em 07/07/2018.

Itajaí. Verba ampliará a rede coletora de esgoto e construirá uma nova estação de tratamento Itajaí garante mais de R$ 30 milhões para investimento em saneamento básico., 28 fev. 2019. Disponível em: https://itajai.sc.gov.br/noticia/22526/itajai-garante-mais-de-r-30-milhoes-para-investimento-em-saneamento-basico#.XZ_tz0ZKhPZ. Acesso em: 13 out. 2019.

Aguiar, M. A.; Fachini, D. Prevalência de enteroparasitoses em escolares da comunidade da Serrinha, Florianópolis, SC. Florianópolis. 2010. 43 f. Monografia (Trabalho de conclusão da Disciplina de Estágio Supervisionado em Análises Clínicas) - Curso de Farmácia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

Belloto, M. V. T. et al. Enteroparasitoses numa população de escolares da rede pública de ensino do Município de Mirassol, São Paulo, Brasil. Rev. Pan-amazônica de Saúde. v. 2, n. 1, p.37-43, 2011.

Santos, J. et al. Parasitoses intestinais em crianças de creche comunitária em Florianópolis – SC, Brasil. Rev. Pat. Trop. v.43, n.3, p. 332-340, 2014.

Rosa, J. D. Prevalência de enteroparasitoses e ações educativas em escolares do município de Santo Amaro da Imperatriz – SC. Florianópolis. Monografia [Graduação em Farmácia] - Universidade Federal de Santa Catarina 2015.

Santos, S. A.; Merlini, L. S. Prevalência de enteroparasitoses na população do município de Maria Helena, Paraná. Ciênc. Saúde Coletiva. v. 15, n. 3, p.899-905, 2010.

Ferri, Marcelo Kneib; Pallastrelli, Michele Bacchi; Comunale, Cristiano; Bender, Ana Lígia; Aramburu, Ana Cristina. Prevalência de parasitoses em crianças da zona leste de porto alegre participantes do projeto marista show de bola. X Salão de Iniciação Científica – PUCRS, 2009.

Fontes G, Oliveira KK, Oliveira AK, Rocha EM. Influence of specific treatment of intestinal parasites and schistosomiasis on prevalence in students in Barra de São Antônio, AL. Rev. Soc. Bras. Med Trop 2003.

Batista T, Trevisol FS, Trevisol DJ.Parasitoses intestinais em pré-escolares matriculados em creche filantrópica no sul de Santa Catarina. Arquivos Catarinenses de Medicina, 2009.

Belo, V.S. et al. Factors associated with intestinal parasitosis in a population of children and adolescents. Rev. Paulista de Pediatria, v. 30, n. 2, p. 195 – 201, 2012.

Published

2022-09-09

Issue

Section

Original Papers