Campomanesia adamantium (Cambess.) O. Berg e Campomanesia sessiliflora (o.berg) mattos: estudo fitoquímico e toxicidade frente à Artemia salina l. (Crustacea) como indicadores preliminares na elaboração de produtos biotecnológicos

Campomanesia adamantium (Cambess.) O. Berg and Campomanesia sessiliflora (o.berg) mattos: phytochemical study and toxicity against Artemia salina l. (Crustacea) as preliminary indicators in the preparation of biotechnological products

Authors

  • José Celso Rocha Martins Junior
  • Vanessa Pinto Oleques Pradebon
  • Ana Patrícia Ricci
  • Tiago Tognolli de Almeida
  • Antonia Railda Roel
  • Cristiano Marcelo Espínola Carvalho
  • Karla Rejane de Andrade Porto

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n5-060

Keywords:

plantas medicinais, toxicidade, biomarcadores, prospecção química

Abstract

A Campomanesia adamantium (Cambess.) O. Berg e a Campomanesia sessiliflora (O.Berg) Mattos (guaviras) são utilizadas para atividades terapêuticas na medicina popular, porém é necessária a extração dos metabólitos da planta com vistas ao desenvolvimento de produtos terapêuticos e o uso de bioindicadores para avaliar a sua  toxicidade. Foram realizadas as etapas de coleta e preparação do extrato botânico, obtidas soluções etanólicas a 20% e submetidas à análise. Os extratos etanólicos das folhas de C. adamantium e C. sessiliflora demonstraram perfis químicos semelhantes para flavonoides e taninos, negativos para esteroides, terpenos e saponinas, e pouco conclusivo para alcalóides, porém com presença de precipitado indicativo de compostos azotados. Os testes foram realizados em diversas concentrações. Ao revisitar os resultados prévios de citotoxicidade sobre Artemia salina Leach., foi verificado que os espécimes apresentaram resultados estabelecidos dentro da faixa de toxicidade elevada, onde o extrato da C. sessiliflora apresentou valor para CL50 de 65,78 μg mL-1  e com perfil de toxicidade variando entre 11,20 e 120,38 μg mL-1, compatível faixa de elevada toxicidade para todas as correlações dos testes, definidas para mortalidade de 10% e 90% da população exposta, respectivamente. Igualmente a C. adamantium também mostrou valores médios da CL50  em 52,03 μg mL-1 dentro da faixa de toxicidade elevada e suas concentrações atribuídas para as dosagens mínimas e máximas entre 8,45 e 95,44 μg mL-1, recaíram na faixa de elevado risco de toxicidade, revelando a necessidade de cuidado no uso do extrato. Desta forma fica evidente o potencial de toxicidade dos extratos de C. adamantium  e C. sessiliflora sobre Artemia salina L. mostrando que este pode ser promissor na inibição do crescimento in vitro de tumores sólidos humano em estudos. O bioensaio serve como uma ferramenta de pré-triagem para estudo de drogas antitumorais e para o desenvolvimento de novos medicamentos.

References

ARCANJO, Daniel Dias Rufino et al. Bioactivity evaluation against Artemia salina Leach of medicinal plants used in Brazilian Northeastern folk medicine. Brazilian Journal of Biology, v. 72, p. 505-509, 2012.

BOHNEBERGER, G. et al. Fitoterápicos na odontologia, quando podemos utilizá-los? Brazilian Journal of Health Review, v. 2, n. 4, p. 3504–3517, 2019.

BOOTS, A. W.; HAENEN, G. R. M. M.; BAST, A. Health effects of quercetin: from antioxidant to nutraceutical. European journal of pharmacology, v. 585, n. 2-3, p. 325–37, 2008.

BUENO, Norlene Regina et al. Levantamento Etnofarmacológico e Farmacológico de Plantas Medicinais Comercializadas em Rondonópolis (MT). Biodiversidade , v. 18, n. 2, 2019.

COSME, Marcos Vinícius et al. Cytotoxic and genotoxic effects of the ethanolic extract from the rind of the fruit of Sterculia striata St. Hil. & Naudin Efeitos citotóxicos e genotóxicos do extrato etanólico da casca do fruto de Sterculia striata St. Hil. & Naudin. Brazilian Journal of Health Review, v. 4, n. 6, p. 26199-26211, 2021.

COUTINHO, Isabel Duarte et al. Determination of phenolic compounds and evaluation of antioxidant capacity of Campomanesia adamantium leaves. Ecletica química, v. 33, p. 53-60, 2008.

DA SILVA, Nádia Livia Amorim; MIRANDA, Francisco Alberto Alencar; DA CONCEIÇÃO, Gonçalo Mendes. Triagem fitoquímica de plantas de Cerrado, da área de proteção ambiental municipal do Inhamum, Caxias, Maranhão. Scientia plena, v. 6, n. 2, 2010.

DE ALBUQUERQUE, Ulysses Paulino et al. Medicinal and magic plants from a public market in northeastern Brazil. Journal of ethnopharmacology, v. 110, n. 1, p. 76-91, 2007.

DE MELO, Maísa Oliveira; CAMPOS, PMM. Função de barreira da pele e pH cutâneo. Cosmetics & Toiletr, 2016.

FERREIRA, Tânia Regina et al. Analgésicos, antipiréticos e anti-inflamatórios não esteroides em prescrições pediátricas. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, p. 3695-3704, 2013.

FONTOURA, F. M. et al. Seasonal effects and antifungalactivity from bark chemical constituents of Sterculia apetala (Malvaceae) at Pantanal of Miranda, Mato Grosso do Sul, Brazil. Acta Amaz., v.45, p.283-292, 2015. doi: 10.1590/1809-4392201500011

GODINHO, Carla Soares et al. Estudo fitoquímico de espécies arbóreas do cerrado. Revista Multitexto, v. 3, n. 2, p. 64-70, 2015.

GOELZER, Ademir et al. Crescimento inicial da Campomanesia adamantium (Cambess.) O. Berg cultivada em diferentes substratos e doses de fertbokashi®. Brazilian Applied Science Review, v. 3, n. 4, p. 1783-1797, 2019.

GRATIERI, T., GELFUSO, G. M., & LOPEZ, R. F. V. Princípios básicos e aplicação da iontoforese na penetração cutânea de fármacos. Quim. Nova, 31(6), 1490-1498, 2008.

HARBORNE, J. B. Role of phenolic secondary metabolites in plants and their degradation in nature. Driven by nature: plant litter quality and decomposition, 1997.

HIROTA, Beatriz Cristina Konopatzki et al. AVALIAÇÃO DE TOXICIDADE IN VITRO: APLICABILIDADE DO ENSAIO DE LETALIDADE FRENTE Á Artemia salina. Visão Acadêmica, v. 13, n. 2, 2012.

JESUS, Neyres Zínia Taveira de et al. Levantamento etnobotânico de plantas popularmente utilizadas como antiúlceras e antiinflamatórias pela comunidade de Pirizal, Nossa Senhora do Livramento-MT, Brasil. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 19, p. 130-139, 2009.

JOHNSON-SENJOBI, C. T.; MOODY, J. O.; ETTU, A. O. Antimicrobial and cytotoxic effects of Cnidoscolus aconitifolius (Miller). Journal of Agriculture and Biological Sciences, v. 2, p. 21-25, 2011.

KUMBHARE, M. R. et al. In vitro antioxidant activity, phytochemical screening, cytotoxicity and total phenolic content in extracts of Caesalpinia pulcherrima (Caesalpiniaceae) pods. Pakistan Journal of Biological Sciences: PJBS, v. 15, n. 7, p. 325-332, 2012.

LACERDA, Allana M. et al. Screening de plantas com potencial fitotóxico. Revista Brasileira de Farmácia, v. 92, n. 4, p. 352-355, 2011.

LIMA, Joaquim Figueiredo. As Plantas na História da dor. Revista da sociedade portuguesa de Anestesiologia, v. 22, n. 4, p. 126-133, 2013.

MEYER, B. N. et al. Brine shrimp: a convenient general bioassay for active plant constituents. Planta medica, v. 45, n. 05, p. 31-34, 1982.

RAMACHANDRAN, S. et al. Assessment of cytotoxic activity of Agave cantula using brine shrimp (Artemia salina) lethality bioassay. Asian J Sci Res, v. 4, n. 1, p. 90-4, 2011.

RODRIGUES, Jéssica AM et al. Climate change impacts under representative concentration pathway scenarios on streamflow and droughts of basins in the Brazilian Cerrado biome. International Journal of Climatology, v. 40, n. 5, p. 2511-2526, 2020.

SÁ, Stone et al. Phytochemistry and antimicrobial activity of Campomanesia adamantium. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 28, p. 303-311, 2018.

SILVA, Juliana Gonçalves et al. Avaliação toxicológica de espécies vegetais pertencentes a Caatinga e determinação da CL50 frente Artemia salina Leach. Brazilian Journal of Health

SIMÕES, Cláudia Maria Oliveira. Farmacognosia: da planta ao medicamento. UFRGS; Florianópolis: UFSC, 2001.

SIMÕES, Cláudia Maria Oliveira et al. Farmacognosia: do produto natural ao medicamento. Artmed Editora, 2016.

VEITCH, Nigel C.; GRAYER, Renee J. Flavonoids and their glycosides, including anthocyanins. Natural product reports, v. 28, n. 10, p. 1626-1695, 2011.

VOLOCHTCHUK, Oksana Maria et al. Variações do pH dos sabonetes e indicações para sua utilização na pele normal e na pele doente Variations in the pH of soaps and indications for its use in normal and diseased skin. An Bras Dermatol, v. 75, n. 6, p. 697-703, 2000.

YUI, Fabricio; LINARELLI, Maria Conceição Barsosa; ZALANTE, Paulo Mário. Atividade antiinflamatória de arnica montana. Revista de Ciências Médicas, v. 7, n. 1, 1998.

Published

2022-09-13

Issue

Section

Original Papers