Estimulação de funções executivas de idosos com comprometimento cognitivo leve: uma revisão integrativa

Stimulation of executive functions in elderly individuals with mild cognitive impairment: an integrative review

Authors

  • Laise Cristina de Oliveira Rego Andrade
  • Felipe César Gomes de Andrade

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv5n5-123

Keywords:

remediação cognitiva, função executiva, idosos, disfunção cognitiva

Abstract

 Introdução: Com a rápida ascensão da população de idosos no mundo, aumenta a preocupação com a quantidade de casos de Comprometimento Cognitivo Leve (CCL) e com a instalação de quadros demenciais. Considerada uma das funções cognitivas mais importantes para a autonomia e independência de idosos, as Funções Executivas (FE) são um dos domínios cognitivos mais sensíveis ao envelhecimento humano e são prejudicadas precocemente em quadros demenciais. Dentre as modalidades não-farmacológicas de intervenção para idosos, destaca-se a estimulação cognitiva como uma alternativa para atenuar ou retardar os efeitos do processo de declínio cognitivo. Objetivo: Identificar os programas mais atuais e eficazes na estimulação cognitiva das Funções Executivas em idosos com CCL. Metodologia: Foi implementada revisão da literatura com base nos bancos de dados do Google Acadêmico, SCIELO e PUBMED durante os anos de 2014 a 2019, através das palavras: função executiva, remediação cognitiva, idosos e CCL. Discussão: Foram encontrados 97 artigos, mas apenas quatro puderam ser incluídos na pesquisa. Verificou-se que a estimulação cognitiva das FE é eficaz para funcionalidade e autonomia de vida dos idosos, através de alguns métodos. Entre eles, a estimulação de acordo com atividades de vida diária, através da alternância com exercícios físicos e através da estimulação dos diferentes subcomponentes das FE. Contudo, o número de estudos nessa área ainda é escasso. Considerações Finais: Apesar de que a estimulação cognitiva das FE seja benéfica para idosos com CCL, faltam mais evidências conforme a literatura.

References

BANHATO, E. F. C.; NASCIMENTO, E. Função executiva em idosos: um estudo utilizando subtestes da Escala WAIS-III. PsicoUSF, Itatiba, v. 12, n. 1, p. 65-73, jun. 2007.

BERTOLA, L. et al. Neuropsicologia e sua prática clínica em psicogeriatria. In: TEIXEIRA, A.L.(org). Psicogeriatria na Prática Clínica. Ed,1. São Paulo: Pearson, 2017.p. 43-52.

BRINKE, T.L.F. et al. The Effects of Computerized Cognitive Training With and

Without Physical Exercise on Cognitive Function in Older Adults: An 8-Week Randomized Controlled Trial. Gerontol A Biol Sci Med Sci. v.20, n.20, pg.1-9, maio, 2019. 14

BRITO, I. L.; AREOSA, S. C.; LOPES, R. M. Avaliação das Funções Executivas em idosos acometidos por doenças crônico-degenerativas. IV Jornadas de Pesquisa em Psicologia - Desafios atuais nas práticas de Psicologia, p. 51-66. Santa Cruz do Sul, 2011.

BRUM, P.S.; FORLENZA, O.V.; YASSUDA, M.S. Cognitive Training in Older Adults with Mild Cognitive Impairment. Dementia & Neuropsychologia, São Paulo, v.3, n.2, p.124-131, 2009.

CANÇADO, F.A.X.; HORTA, M.L. Envelhecimento cerebral. In: FREITAS, E.V. et al. (Ed). Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. p.112-127, 2002.

CLOSS, M.B.; GROSSI, P. K., Desafios para o cuidado digno em instituições de longa permanência. Revista Bioética, Brasília, v. 24, n. 2, p. 395-411, ago. 2016.

DIAMOND, A. Executive functions. Annual Reviews of Psychology, v.64, p.135-168. 2013.

DIAS, R. G. et al. Diferenças nos aspectos cognitivos entre idosos praticantes e não praticantes de exercício físico. J. bras. psiquiatria., Rio de Janeiro, v. 63, n. 4, p. 326-331, Dec. 2014.

FIGUEREDO, A.F.S., Impacto do Programa de Estimulação Cognitiva ImprovCog no Deficit Cognitivo Ligeiro e Demência: estudo piloto.2018. 69 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde) – Faculdade de Psicologia e de Ciências de Educação, Universidade do Porto, Porto, 2018.

GATES, N. J.; SACHDEV, P. Is cognitive training an effective treatment for preclinical and early Alzheimer’s disease? Journal of Alzheimer's Disease, v.42, n. 4, S551–S559, 2014.

GOLINO, M.T.S.; FLORES-MENDONZA, C.E. Desenvolvimento de um programa de treino cognitivo para idosos. Revista Brasileira Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro,v. 19, n.5, p.769-85, 2016.

HOLZ, M.R. Funções executivas e memórias em idosos com e sem comprometimento cognitivo leve: perfis de funções executivas e follow up neurocognitivo. Rio Grande do Sul. tede2.pucrs.br. PUC-RS. 2018. No prelo.

IBGE (2018) Projeção da População 2018: número de habitantes do país deve parar de crescer em 2047. Editoria: Estatísticas Sociais; acesso em 01/08/2019 14h52. agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/21837-projecao-da-populacao-2018-numero-de-habitantes-do-pais-deve-parar-de-crescer-em-2047.

IRIGARAY, T. Q.; SCHNEIDER, R. H.; GOMES, I. Efeitos de um treino de atenção, memória e funções executivas na cognição de idosos saudáveis. Psicologia: Reflexão e Crítica, São Paulo. v.25, n.1, p.1-15, 2012.

MACEDO, T. L.; LAUX, R. C.; LONDERO, A. A.; CORAZZA, S. T. Análise dos aspectos cognitivos de idosos considerando a prática de exercícios físicos regulares e fatores associados. Rev. bras. geriatr. gerontol. 2019, vol.22, n.2

MALLOY-DINIZ, L.F. et al. Funções Executivas. In: FUENTES, D. et al. Neuropsicologia: Teoria e Prática. Porto Alegre: Artmed, 2008. p.68-79

MALLOY-DINIZ, L.F. et al. Exame das Funções Executivas. In: MALLOY-DINIZ et al (Orgs.). Avaliação Neuropsicológica. Porto Alegre: Artmed, 2010. p.94-111.

NERI, A.L. Conceitos e teorias sobre o envelhecimento. In. MALLOY-DINIZ, L.F.; FUENTES, D.; CONSENZA, R.M. (orgs). Neuropsicologia do Envelhecimento: Uma Abordagem Multidimensional. Ed.1. Porto Alegre: ARTMED, 2013.p.30 15

MIYAKE A. et al. The unity and diversity of executive functions and their contributions to complex ‘‘frontal lobe’’ tasks: a latent variable analysis. Cognitive Psychology. n.41, v .1, p.49-100, 2000.

MORO, V. et al., (2015). Cognitive stimulation of executive functions in mild cognitive impairment: specific efficacy and impact in memory. Research Support, Non-U.S. American Journal of Alzheimer’s Disease & Other Dementias, v.30, n.2, p. 153–164.

PETERSEN, R. et al. Mild cognitive impairment: ten years later. Arquivos de Neurologia. v.66, n.12, p.1447-55, dezembro, 2009.

PERTL, M-T. et al. Decision making and ratio processing in patients with mild cognitive impairment. Jornal Alzheimers Disease. v. 48, p. 765-779, 2015.

REYNA, V.F. et al. How numeracy influences risk comprehension and medical decision making. Psychol Bull. n.135, p. 943-973, 2009.

SCHNEIDER, N.; YVON, C. A review of multidomain interventions to support healthy cognitive ageing. Journal of Nutrition Health and Aging, v.17, n.3, p. 252–257, 2013.

SILVA, F.O. et al. Three months of multimodal training contributes to mobility and executive function in elderly individuals with mild cognitive impairment, but not in

those with Alzheimer's disease: A randomized controlled trial. Maturitas. Rio de Janeiro. Institute of Psiquiatry, vl 126, p.28-33, abril, 2019.

STERN, Y. Cognitive reserve and Alzheimer disease. Alzheimer Disease and Associated Disorders, v.20, n.2, p.112–117, 2006.

TRINDADE, A.P.N.T. et al. Repercussão do declínio cognitivo na capacidade funcional em idosos institucionalizados e não institucionalizados. Fisioterapia em movimento. Curitiba, v. 26, n. 2, p. 281-89, Junho, 2013.

WENG, W. et al, The Transfer Effects os Cognitive Training on Working memory Among Chinese Older Adults with Mild Cognitive Impairment: a Randomized Controlled Trial. Front aging Neuroscience.v.11, n.112, ago, 2019.

WILSON, B. A. et al. (2002). Towards a comprehensive model of cognitive rehabilitation. Neuropsychological Rehabilitation, v.12, p.97–110.

Published

2022-09-20

Issue

Section

Original Papers