Prevalência de dor e avaliação da intensidade em pacientes submetidos à procedimentos cirúrgicos internados em hospital de referência em Aracaju - SE / Prevalence of pain and intensity assessment in patients submitted to surgical procedures interned in a reference hospital in Aracaju - SE

Authors

  • Wallisson Santos Barbosa da Cruz Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Bianca Figueiredo Barros
  • Paulo Vicente dos Santos Filho
  • Gabriel Oliveira Santana Gama

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv3n2-105

Keywords:

Dor Pós-Operatória, Dor, Medição da Dor

Abstract

O objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência e intensidade da dor em pacientes internados no pós-operatório mediato e tardio. Estudo observacional e transversal realizado por meio de entrevista e revisão de prontuários de 94 pacientes operados na Fundação Beneficente Hospital de Cirurgia. Avaliou-se a dor no pós-operatório após 24 horas do procedimento, observou-se que a maioria dos pacientes, cerca de 51 (54,3%) referiu quadro doloroso, sendo que a maior incidência (37,23%) ocorreu no 1° PO. Quanto à avaliação da intensidade da dor, utilizamos a escala numérica verbal considerando o valor 0 sem dor, 1-3 dor leve, 4-6 dor moderada, 7-10 dor intensa, sendo que cerca de 45 (88,23%) relataram dor moderada a intensa. Os resultados desta pesquisa indicam a importância de tratar a dor aguda pós-operatória de forma mais apropriada, pois além de reduzir complicações na internação, reduzem a possibilidade de cronificação da dor.

References

SOUSA, F. A. E. F. Dor: o quinto sinal vital. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 10, n. 3, p. 446–447, jun. 2002..

JAYR, C. Retentissements de la douleur postopératoire, bénéfices attendus des traitements. Annales Françaises d’Anesthésie et de Réanimation, v. 17, n. 6, p. 540–554, jan. 1998..

BARROS, G. A. M. DE; LEMONICA, L. Considerações sobre analgesia controlada pelo paciente em hospital universitário. Revista Brasileira de Anestesiologia, v. 53, n. 1, p. 69–82, fev. 2003.

BASSANEZI, B. S. B.; OLIVEIRA FILHO, A. G. DE. Analgesia pós-operatória. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 33, n. 2, p. 116–122, abr. 2006.

PIMENTA, C. A. DE M. et al. Controle da dor no pós-operatório. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 35, n. 2, p. 180–183, jun. 2001.

SOMMER, M. et al. The prevalence of postoperative pain in a sample of 1490 surgical inpatients: European Journal of Anaesthesiology, v. 25, n. 4, p. 267–274, abr. 2008.

SOMMER, M. et al. Predictors of Acute Postoperative Pain After Elective Surgery: The Clinical Journal of Pain, v. 26, n. 2, p. 87–94, fev. 2010.

DE LEON-CASASOLA, O. A. et al. Epidural analgesia versus intravenous patient-controlled analgesia. Differences in the postoperative course of cancer patients. Regional Anesthesia, v. 19, n. 5, p. 307–315, out. 1994.

PALMEIRA, C. C. DE A.; ASHMAWI, H. A.; POSSO, I. DE P. Sexo e percepção da dor e analgesia. Revista Brasileira de Anestesiologia, v. 61, n. 6, p. 820–828, dez. 2011.

WHEDON, M.; FERRELL, B. R. Professional and ethical considerations in the use of high-tech pain management. Oncology Nursing Forum, v. 18, n. 7, p. 1135–1143, out. 1991.

COUCEIRO, T. C. DE M. et al. Prevalence and Influence of Gender, Age, and Type of Surgery on Postoperative Pain. Brazilian Journal of Anesthesiology, v. 59, n. 3, p. 314–320, maio 2009.

Hospital Israelita Albert Einsten. Gerenciamento da Dor na SBIBHAE, 2010. [cited 2020 mar 12]. Available from:http://medsv1.einstein.br/diretrizes/tratamento_dor/Gerenciamento%20da%20dor%20na%20SBIBHAE.

BERSANI A.L.F; BARROS B.F.; MORAES N.S.; SANTOS F.C. Terapêutica da Dor em Idosos – Guia Prático. São Paulo: ATHENEU; 2018

Published

2020-03-30

Issue

Section

Original Papers