Relação universidade-empresa: o caso das indústrias farmacêuticas e a realização de ensaios clínicos em hospitais universitários / University-company relationship: the case of the pharmaceutical industries and clinical trials in university hospitals

Authors

  • Patricia Magalhães de Oliveira Machado Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Thiago Borges Renault
  • Julia Paranhos

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-280

Keywords:

Inovação, Relação Universidade-Empresa, Setor Farmacêutico, Pesquisa Clínica.

Abstract

O presente trabalho relaciona os condicionantes para a realização de pesquisas clínicas de novos produtos farmacêuticos. O objetivo principal é investigar a relação universidade-empresa, baseada na pesquisa clínica e de acordo com o grau de importância, o papel das instituições, as ações realizadas para estimular a interação e os serviços prestados pela universidade para as empresas farmacêuticas. Trata-se de um estudo exploratório baseado em dados primários e secundários, realizado em dois hospitais universitários no estado do Rio de Janeiro. Após o cenário ser caracterizado, foi descrito como ocorrem às relações universidade-empresa a partir de entrevistas semiestruturadas com atores envolvidos na interação. Os resultados apontam que essa interação possui relevância para o desenvolvimento de artigos inovadores. Cabe destacar que, dentre outras atuações, a universidade contribui para a aprovação de novos produtos farmacêuticos pelos órgãos regulatórios e, desta forma, amplia a competitividade. Para otimizar essa relação é necessário estabelecer estratégias para superar a burocracia existente, aumentar a participação da universidade no mercado, e assim, favorecer a transferência de tecnologias destas para as empresas farmacêuticas e maximizar a aplicação dos recursos disponíveis.

 

 

References

ABRACRO. Quem somos. Disponível em: <https://abracro.org.br/quemsomos/> Acesso: 20/06/2020.

ANVISA. Ensaios clínicos. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/resultado-de-busca?p_p_id=101&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-&p_p_col_count=1&_101_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_1 01_assetEntryId=2864110&_101_type=content&_101_urlTitle=ensaios-clinicos&inheritRedi rect=true> Acesso em: 09/11/2019.

CARLSSON, B. J; STAFFAN, H; MAGNUS, R. A. Innovation systems: analytical and methodological issues. Research Policy, 31, 233–245, 2002.

COSTA, L. S; GADELHA, C. A. G; MALDONADO, J. A perspectiva territorial da inovação em saúde: A necessidade de um novo enfoque. Revista de Saúde Pública, v. 46, n. SUPPL.1, p. 59–67, 2012.

COSTA, P. R; PORTO, G. S; FELDHAUS, D. Gestão da cooperação empresa-universidade: o caso de uma multinacional brasileira. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 1, art. 6, p. 100-121, 2010.

CRUZ, E. M. K; SEGATTO, A. P. Processos de comunicação em cooperações tecnológicas universidade-empresa: estudos de caso em universidades federais do Paraná. Rev. adm. contemp., Curitiba, v. 13, n. 3, p. 430-449, 2009.

ETZKOWITZ, H. Hélice tríplice: Universidade-Indústria-Governo: Inovação em ação - Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

FERNANDES, A. C. et al. Academy-industry links in Brazil: evidence about channels and benefits for firms and researchers. Science and Public Policy, 37 (7), 485-498, 2010.

FREEMAN, C. Technology policy and economic performance: lessons from Japan. London/New York: Pinter Publishers, 1987.

GADELHA, C. A. G. O complexo industrial da saúde e a necessidade de um enfoque dinâmico na economia da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 8(2), 521-535, 2003.

GADELHA, C. A. G. et al. The health care economic-industrial complex: Concepts and general characteristics. Health, v. 05, p. 1607-1621, 2013.

GADELHA, C. A. G., MALDONADO, J. M. S. V., & COSTA, L. S. O complexo produto da saúde e sua relação com o desenvolvimento: um olhar sobre a dinâmica da inovação em saúde. In: Giovanella, L., et al. (Orgs.). Políticas e sistemas de saúde no Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2012.

GOMES, R. D. P. et al. Ensaios clínicos no Brasil: competitividade internacional e desafios. Complexo Industrial da Saúde, BNDES Setorial, v. 36, n. 36, p. 45–84, 2012.

HOLANDA, F. C. S. de. Interação Universidade-Empresa: estudo das relações de cooperação entre os grupos de pesquisa da UFPE e a indústria farmacêutica. O caso de Pernambuco. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco. Centro de Biociências. Inovação Terapêutica, Recife, 2017.

LEMOS, D. C; CAIRO, S. A. F. Os sistemas nacional e regional de inovação e sua influência na interação universidade-empresa em Santa Catarina. REGE - Revista de Gestão, v. 24, n. 1, p. 45-57. 2017.

LIMA, J. S. et al. Pesquisa clínica: fundamentos, aspectos éticos e perspectivas. Revista da SOCERJ, v. 16, n. 4, p. 225–233, 2003.

LUNDVALL, B. National systems of innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter Publishers, 1992.

NELSON, R. R. National innovation systems: a comparative analysis. NewYork, Oxford: Oxford University, 1993.

NISHIOKA, S. A; SÁ, P. F. G. A. Agência Nacional de Vigilância Sanitária e a Pesquisa Clínica no Brasil. Rev Assoc Med Bras; 52(1): 60-2, 2006.

PARANHOS, J; HASENCLEVER, L. O. sistema farmacêutico de inovação e o relacionamento empresa-universidade no setor farmacêutico do Estado do Rio de Janeiro. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, v. 0, n. 2, p. 81–103, 2013.

PEREIRA, C. D. Transferência de Tecnologia entre Institutos de Pesquisa e Empresas na Saúde. Dissertação (Mestrado Profissional). ENSP/FIOCRUZ, 2011.

PINTO, A. C; BARREIRO, E. J. Desafios da indústria farmacêutica Brasileira. Química Nova, v. 36, n. 10, p. 1557–1560, 2013.

QUENTAL, C; GADELHA, C; FIALHO, B. O papel dos institutos de pesquisa na inovação farmacêutica. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 5, n. 35, p. 136-158, 2001.

RENAULT, T; MELLO, J. Entrepreneurial Capabilities and Organizational Transformation: Entrepreneurial Evolution at the Federal University of Rio de Janeiro. Industry & Higher Education, v. 27, p. 313-322, 2013.

SANTOS, D. A; BOTELHO, L; SILVA, A. N. S. Ambientes cooperativos no Sistema Nacional de Inovação: O suporte da Gestão do Conhecimento. Conferência Sul-Americana em Ciência e Tecnologia Aplicada ao Governo Eletrônico. III CONeGOV 2006, Curitiba, 2006.

SCHAEFFER, P. R; RUFFONI, J; PUFFAL, D. Razões, benefícios e dificuldades da interação universidade-empresa. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 14, n. 1, p. 105, 2015.

SUZIGAN, W. et al. Em busca da Inovação: Interação Universidade-Empresa no Brasil - Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

TENÓRIO, M; MELLO, G. A; VIANA, A. L. D. Políticas de fomento à ciência , tecnologia e inovação em saúde no Brasil e o lugar da pesquisa clínica. Ciência & Saúde Coletiva, p. 1441–1454, 2017.

ZAGO, M. A. A pesquisa clínica no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n. 2, p. 363–374, 2004.

ZONTA, P. J. et al. Inovação nas relações universidade-empresa no desenvolvimento de projetos. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 2, p. 6110-6126, feb. 2020.

Published

2021-04-12

How to Cite

Machado, P. M. de O., Renault, T. B., & Paranhos, J. (2021). Relação universidade-empresa: o caso das indústrias farmacêuticas e a realização de ensaios clínicos em hospitais universitários / University-company relationship: the case of the pharmaceutical industries and clinical trials in university hospitals. Brazilian Journal of Development, 7(4), 37381–37394. https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-280

Issue

Section

Original Papers