Comportamento mecânico do concreto produzido com seixo misto utilizado na Cidade de Tucuruí/ Mechanical behavior of concrete produced with mixed pebble used in the City of Tucuruí

Authors

  • Denilda Silva Costa
  • Jaciara Santos Brandão
  • Allyson Corrêa Dias
  • Fernanda F. Lima
  • Andréia Silva Costa

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-360

Keywords:

agregado graúdo, resistência mecânica, materiais, concreto.

Abstract

O seixo misto (seixo com grande percentual agregado miúdo) é muito utilizado nas obras de pequeno e médio porte na cidade de Tucuruí no estado do Pará. As construtoras utilizam traços do tipo 1:4 como regra geral para preparação de concretos estruturais sem a adição de agregado miúdo e sem o uso de aditivos. Entretanto, apesar de ter agregado graúdo em sua composição, o material não pode ser caracterizado como agregado graúdo, de acordo com as normas brasileiras, pois na análise granulométrica apresenta 78,4% de sua composição com material miúdo, o que dificulta a dosagem de traços por métodos utilizados no Brasil. Este trabalho tem como objetivo apresentar os resultados da análise granulométrica deste material, verificar a resistência à compressão axial, resistência à tração por compressão diametral, módulo de elasticidade e absorção por imersão aos 7 e 28 dias do concreto executado com o traço 1:4, verificando se as resistências finais estão de acordo com os valores exigidos pelas normas brasileiras para concretos estruturais. Como resultado o seixo misto mostrou-se inapropriado para produção de concretos estruturais, pela baixa resistência mecânica e desempenho obtidos, sendo seus valores abaixo do mínimo exigido pelas normas brasileiras.

References

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR NM 53: Agregado graúdo - Determinação de massa específica, massa específica aparente e absorção de água. Rio de Janeiro: ABNT, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR NM 67: Concreto - Determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone. Rio de Janeiro: ABNT, 1998.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR NM 248: Agregados - Determinação da composição granulométrica. Rio de Janeiro: ABNT, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 5738: Concreto – Procedimento para moldagem e cura de corpos de prova. Rio de Janeiro: ABNT, 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 5739: Concreto – Ensaio de compressão de corpos de prova cilíndricos. Rio de Janeiro: ABNT, 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 6118: Concreto – Projeto de estruturas de concreto — Procedimento. Rio de Janeiro: ABNT, 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 7211: Agregados para concreto – Especificações. Rio de Janeiro: ABNT, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 7222: Concreto e argamassa – Determinação da resistência à tração por compressão diametral de corpos de prova cilíndricos. Rio de Janeiro: ABNT, 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 8522: Concreto ? Determinação dos módulos estáticos de elasticidade e de deformação à compressão. Rio de Janeiro: ABNT, 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 8953: Concreto para fins estruturais – Classificação pela massa específica, por grupo de resistência e consistência. Rio de Janeiro: ABNT, 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 9778: Argamassa e concreto endurecidos – Determinação da absorção de água, índice de vazios e massa específica. Rio de Janeiro: ABNT, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 12142: Concreto - Determinação da resistência à tração na flexão de corpos de prova prismáticos. Rio de Janeiro: ABNT, 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 12655: Concreto de cimento Portland — Preparo, controle, recebimento e aceitação — Procedimento. Rio de Janeiro: ABNT, 2015.

BAUER. L.A.F.; Materiais de Construção. Vol.1. 5ª Edição. Rio de Janeiro: LTC, 2016.

CASTRO, A. L.; LIBORIO, J. B. L.; PANDOLFELLI, V. C. A influência do tipo de cimento no desempenho de concretos avançados formulados a partir do método de dosagem computacional. Revista Cerâmica, São Paulo, v. 57, p. 10-21, jul-dez, 2018.

MARTINS, Danilo Gomes; Influência do tamanho do corpo de prova nos resultados de ensaios de módulos de deformação e resistência à compressão e suas correlações para concretos produzidos em Goiânia – GO. 2008, 113p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Escola de Engenharia Civil da Universidade Federal de Goiás, Goiás, 2008.

MEHTA, P. Kumar; MONTEIRO, J. M. Paulo. Concreto: microestrutura, propriedades e materiais. 2 ed. São Paulo: IBRACON, 2014.

MEHTA, P.K. & MONTEIRO, P.J.M. Concrete: microstructure, properties, and materials. New York: McGraw-Hill. 2014.

PACHECO, J.; BILESKY, P.; MORAIS, T. R.; GRANDO, F.; HELENE, P. Considerações sobre o Módulo de Elasticidade do Concreto. In: CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO, 56, 2014, Natal. Anais do 56CBC2014. Natal: Instituto Brasileiro do Concreto - IBRACON, 2014. P. 1-14.

SANTOS, Ícaro Mariani Ribeiro dos; Estudo de dosagens de concreto para aumento da resistência à tração na flexão. 2014, 75p. Monografia (Especialização em Patologia das Construções) – Departamento de Construção Civil da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Paraná, 2014.

SATO, Neide Matiko Nakata; Análises da porosidade e de propriedades de transporte de massa em concretos. 1998, 163p. Tese (Doutorado em Engenharia) - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

Published

2021-04-14

How to Cite

Costa, D. S., Brandão, J. S., Dias, A. C., Lima, F. F., & Costa, A. S. (2021). Comportamento mecânico do concreto produzido com seixo misto utilizado na Cidade de Tucuruí/ Mechanical behavior of concrete produced with mixed pebble used in the City of Tucuruí. Brazilian Journal of Development, 7(4), 38608–38627. https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-360

Issue

Section

Original Papers