Determinação da eficácia de substâncias desinfetantes em diferentes concentrações e tempos de contato / Determination of the effectiveness of disinfectant substances at different levels and contact times

Authors

  • Ana Flávia Ramos de Queiroz Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Ana Flávia Santos Coelho
  • Lorena Skarlat da Silva Camilo
  • Ilda Lavínia Nascimento de Farias

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-426

Keywords:

desinfetante, saneantes, concentração inibitória mínima, Salmonella, Staphylococcus aureus.

Abstract

Substâncias desinfetantes são aquelas que promovem a destruição de células vegetativas de microrganismos patogênicos, mas não necessariamente da sua forma esporulada e sua ação depende de algumas condições de uso e tipo de princípio ativo utilizado em sua formulação. Tais substâncias são destinadas à desinfecção de superfícies inanimadas e representam papel importante nas práticas de controle e prevenção de infecções. Com o advento de inúmeras doenças, tendo como agente causal os microrganismos, a utilização de substâncias desinfetantes vem aumento largamente por parte da população. Assim sendo, torna-se importante verificar se os produtos comercializados realmente apresentam eficácia contra os microrganismos, em especial os patogênicos. As substâncias desinfetantes registradas para venda comercial devem apresentar eficácia se utilizadas na forma concentrada, porém a prática da diluição dessas substâncias é uma ação comum. Desta maneira torna-se importante verificar se os saneantes comerciais com ação desinfetante são eficazes em diferentes concentrações e tempo de contato. O presente trabalho trata da avaliação da eficácia de substâncias desinfetantes nas concentrações iniciais de 100 e 200ppm nos tempos de contato de 0, 5, 10 e 15 minutos, frente às cepas de Salmonella Typhi e Staphylococcus aureus por meio da redução da carga microbiana. Todos os desinfetantes mostraram cumprir as condições de desinfecção descritas em seus respectivos rótulos e em nível de eficiência. O desinfetante A apresentou uma CIM de 0,5% frente a Salmonella e de 0,4% frente a S. aureus, com eliminação de 100% do inóculo, enquanto o desinfetante B apresentou uma CIM de 0,9% frente as duas bactérias testadas, no tempo de 15 minutos. O desinfetante C, na concentração de 1,5% e tempo de contato de 15 minutos, apresentou atividade antimicrobiana satisfatória, reduzindo significativamente a população das cepas testadas.

 

 

References

ANDRADE, D.C.C; FURLAN, C.M. Avaliação da estabilidade físico-química da solução de hipoclorito de sódio a 0,5% utilizada pela FARMAUSCS e de sua eficácia bactericida sobre Staphylococcus aureus e Escherichia coli. Ver. Brasileira de Ciências da Saúde.Universidade São Caetano do Sul. Jul/set 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 14, de 28 de fevereiro de 2007, Regulamento Técnico Para Produtos Saneantes com Ação Antimicrobiana. Diário Oficial da União, Brasília DF, 28 de fevereiro de 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n.59, de 17 de dezembro de 2010. Dispõe sobre os procedimentos e requisitos técnicos para a notificação e o registro de produtos saneantes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília DF, Seção 1, nº 244, de 22 de dezembro de 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Febre Tifóide: causas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Diário Oficial da União. Saúde de A a Z, Brasília DF, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Salmonella (Salmonelose): o que é, causas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Diário Oficial da União. Saúde de A a Z, Brasília, DF, 2013.

BROOKS, G. F.; CARROLL, K. C.; BUTEL, J. S.; MORSE, S.A. Microbiologia médica de Jawetz, Melnick e Adelberg. 26. ed.- Porto Alegre: AMHG Editora Ltda, 2014.

CARVALHO et al. Atividade dos desinfetantes cloreto de benzalcônio e iodóforo sobre cepas de Escherichia coli patogênica aviária isoladas em frangos de corte. Rev. Brasileira Saúde Prod. Anim, Salvador, v.18, n.1, p.10-15 jan./mar., 2017.

COSTA Y. A., SILVA F. S. H., CAVALCANTE M. T. B. S., VANDESMET L. C. S. Salmonella typhi: uma abordagem clínica e microbiológica. Mostra Científica em Biomedicina, v. 1, n. 1, junho de 2016.

DOMINGUES, P.F. Desinfecção e desinfetantes. Notas de aula, capitulo 5. São Paulo, 2017.

LEVINSON, Warren. Microbiologia e imunologia médica. 13. ed. – Porto Alegre: AMGH Editora Ltda, 2017.

MARTINEZ, S et al. In vitro efficacy of several disinfectants against Salmonela enterica serovar Enteritidis and Escherichia coli strains from poultry. Ciencias Rural [online]: v 46, n. 8pp. 1438-1442. 2016.

MCDONNELL G, RUSSELL AD. Antiseptics and disinfectants:activity, action, and resistance. Rev. Clin. Microbiol; v 12 p. 147-179.1999.

NOSTRO A, BLANCO AR, CANNATELLI MA, ENEA V, FLAMINI G, MORELLI I. Susceptibility of methicillin-resistant staphylococci to oregano essential oil, cavacrol and thymol. FEMS Microbiol Lett.; v 230, n. 2 p. 191-195. 2004.

PEREIRA, et al. Inativação termoquímica de Escherichia coli, Staphylococcus aureus e Salmonella entérica Enteritidis por óleos essenciais. Ciência Rural, Santa Maria, v.44, n.11, p.2022-2028, nov, 2014.

SILVA N., SILVEIRA N.F.A., JUNQUEIRA V.C.A., TANIWAKI M.H., SANTOS R.F.S., GOMES R.A.R. Manual de Métodos de Análise Microbiológica de Alimentos e Água. 5. ed. São Paulo: Varela;. p. 519. 2017.

SILVEIRA SM, CUNHA Jr. A, SCHEUERMANN GN, SECCHI FL, VERRUCK S, KROHN M, et al. Composição química e atividade antibacteriana dos óleos essenciais de Cymbopogon winterianus (citronela), Eucalyptus paniculata (eucalipto) e Lavandula angustifolia (lavanda). Rev Inst Adolfo Lutz, São Paulo, v. 71, n. 3 p. 471-80. 2012.

TEBRAS. Ficha técnica Cloreto de Benzalcônio. Disponível em: < http://www.tebras.com.br/imagens/download/ficha_tecnica_benzalconio.pdf >

TIMENETSKY, Jorge. Avaliação microbiológica de desinfetantes químicos de uso doméstico. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 24, n. 1, fev. 2012.

VARELLA, Drauzio. Febre Tifoide, doenças e sintomas. UOL Viva Bem. Disponível em: <https://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/febre-tifoide/>. Acesso em: junho/ 2018.

VERHOEFF J, BEAUJEAN D, VLOK H, BAARS A, MEYLER A, WERKWN VDC. A Dutch approach to methicillin-resistance Staphylococcus aureus. Eur J Clin Microbiol Infect Dis. v. 18, n. 7, p. 461-466. 1999.

Published

2021-04-16

How to Cite

de Queiroz, A. F. R., Coelho, A. F. S., Camilo, L. S. da S., & de Farias, I. L. N. (2021). Determinação da eficácia de substâncias desinfetantes em diferentes concentrações e tempos de contato / Determination of the effectiveness of disinfectant substances at different levels and contact times. Brazilian Journal of Development, 7(4), 39579–39591. https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-426

Issue

Section

Original Papers