Fatores de risco para mediastinite em cirurgia de revascularização do miocárdio em hospital de referência / Risk factors for mediastinitis in myocardial revascularization surgery in reference hospital

Authors

  • Rafaela Almeida Silva
  • Ághata Monike Paula Da Silva Lins
  • Maria Mariana Barros Melo da Silveira
  • Marília Perrelli Valença
  • Izabel Barros de Arruda
  • Aurélio Molina da Costa

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-443

Keywords:

Cirurgia Torácica, Mediastinite, Cuidados de Enfermagem.

Abstract

Objetivo: Identificar os fatores de risco mais prevalentes para a mediastinite no pós-operatório de cirurgia de revascularização do miocárdio, associando-os ao escore de risco, em um hospital de referência do SUS, em Recife. Método: Trata-se de um estudo transversal, descritivo com abordagem quantitativa, retrospectiva. A pesquisa investigou 81 prontuários de pacientes que realizaram cirurgia de revascularização (CRM) entre o período de agosto de 2017 a agosto de 2018, no setor de Serviço de Arquivo Médico e Estatístico (SAME) do Hospital Agamenon Magalhães – HAM. O instrumento utilizado foi o modelo de Escore de Magedanz Adaptado e um formulário elaborado pelos pesquisadores para análise do pós-operatório e desfecho do internamento. Resultados: Dos prontuários analisados, 59,26% eram do sexo masculino. Dentre os fatores de risco mais prevalentes do pré-operatório, foi encontrado a HAS com 93,82% e DAC com 54,32%. De acordo com o escore de risco de mediastinite, houve predomínio de 46,91% de pacientes com baixo risco, seguido por 34,56% com médio risco e 18,51% com alto risco. Conclusão: Os achados dessa investigação reforçam a relevância de se pesquisar e identificar, na anamnese pré-operatória, os fatores de risco para a mediastinite, infrequente, mas grave complicação, e associá-los ao escore de risco aplicado, visa um melhor manejo terapêutico, para que haja um menor impacto negativo no processo cicatricial profundo.

References

Pan-american Health Organization (PAHO). Doenças cardiovasculares [Internet]. 2017 Mai [citado em 29 de dez de 2020]. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5253:doencas-cardiovasculares&Itemid=839.

Koerich C, Lanzoni GMM, Higashi GDC, Erdmann AL, Meirelles BHS, Baggio MA. Cirurgia de revascularização do miocárdio: características da internação e alterações relacionadas ao tempo de internação. Rev. eletrônica enferm. 2017; 19: 1-10. Doi: http://doi.org/10.5216/ree.v19.42870

Nascimento PV, Jesus APS, Cunha EM, Rosário NCS, Guimarães ACG. Fatores de risco cardiovascular em pacientes submetidos à cirurgia de revascularização miocárdica. Rev. enferm. UFPE on line. 2016; 10(2): 1007-15. Doi: http://dx.doi.org/10.5205/reuol.8702-76273-4-SM.1003201609

Cani KC, Araújo CLP, Karloh M, Alexandrino DFH, Palú M, Rojas DB, et al. Características clínicas de pacientes submetidos à cirurgia de revascularização do miocárdio. ASSOBRAFIR Ciência. 2015; 6(3):43-54. Disponível em:

http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/rebrafis/article/view/21754/17846

Oliveira FS, Freitas LDO, Silva ERR, Costa LM, Kalil RAK, Moraes MAP. Preditores de Risco de Mediastinite após Cirurgia de Revascularização do Miocárdio: Aplicabilidade de Score em 1.322 Casos. Arq. bras. cardiol. 2017; 103(3): 207-12. Doi: https://doi.org/10.5935/abc.20170119

Pinto DCG, Bahia Neto AFC, Gonçalves FL, Gomes IC, Sternick EB, Almeida AM, et al. Factors Associated with Post-Sternotomy Mediastinitis. Case-Control Study. Int. j. cardiovasc. sci. 2018; 31(2):163-172. Doi: https://doi.org/10.5935/2359-4802.20180004

Sá MPBO, Ferraz PE, Soares AF, Miranda RGA, Araújo ML, Silva FV, et al. Desenvolvimento e validação de uma ferramenta de estratificação para previsão de risco de infecção profunda de ferida esternal após cirurgia de revascularização do miocárdio em um hospital brasileiro. Rev. bras. cir. cardiovasc. 2017; 32(1): 1-7. Doi: https://doi.org/10.21470/1678-9741-2016-0030

Barretta JC, Auda JM, Antoniolli D, Barancelli MDC. Pós-operatório em cirurgia cardíaca: refletindo sobre o cuidado de enfermagem. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online). [Internet]. 2017 Mar [citado em 2019 dez. 29]; 9(1): 259-64. Doi: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i1.259-264

Coppetti LC, Stumm EMF, Benetti ERR. Considerações de pacientes no perioperatório de cirurgia cardíaca referentes às orientações recebidas do enfermeiro. REME rev. min. enferm. 2015; 19(1): 113-19. Doi: http://dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20150010

Andrade ÉV, Barbosa MH, Mattia AL. Preditores de infecções relacionadas à assistência à saúde em cirurgia cardíaca. Rev. eletrônica enferm. 2013; 15(4): 965-72. Doi: https://doi.org/10.5216/ree.v15i4.21280

Ribeiro KRA. Pós-operatório de revascularização do miocárdio: complicações e implicações para enfermagem. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online). 2018; 10(1): 254-59. Doi: http://www.dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2018.v10i1.254-259

Silva QCG, Canini SRMS, Silveira RCCP, Dessotte CAM, Campos FR. Fatores de risco para mediastinite após revascularização do miocárdio: revisão integrativa. REME rev. min. enferm. 2015; 19(4): 1015-22. Doi: http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20150076

Ministério da Saúde (BR). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: MS; 2012. [citado em 2020 jan. 02]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Magedanz EH, Bosanese LC, Guaragna JCVC, Albuquerque LC, Martins V, Minossi SD, et al. Elaboração de escore de risco para mediastinite pós-cirurgia de revascularização do miocárdio. Rev. bras. cir. cardiovasc. 2010; 25(2): 154-59. Doi: https://doi.org/10.1590/S0102-76382010000200005

Carvalho EC, Lima GP, Rocha LB, Acacio JAB, Rocha LSO, Rocha R. Perfil clínico de pacientes submetidos à cirurgia de revascularização do miocárdio em um hospital referência no estado do Pará. Revista CPAQV. 2019; 11(2): 1-6. Doi: https://doi.org/10.36692/cpaqv-v11n2-2

Strolischein CAH, Silva DR, Costa EL, Sancoré FD, Azeredo TGK, Fontoura FC. Prevalência das principais complicações pós-operatório em cirurgias cardíacas de revascularização do miocárdio em hospital filantrópico de Cuiabá-MT. Rev da Saúde da AJES. 2019; 5(9): 46-52. Disponível em: http://www.revista.ajes.edu.br/index.php/sajes/article/view/305/241

Oliveira MCD. Avaliação de variáveis cardiovasculares e de qualidade de vida em pacientes com insuficiência cardíaca e fração de ejeção reduzida na presença e ausência de Diabetes Mellitus tipo 2. [Dissertação]. São Carlos (SP): Universidade Federal de São Carlos, Mestrado em Biotecnologia, 2018.

Magalhaes MGPA, Alves LMO, Alcantara LFM, Bezerra SMMS. Mediastinite pós-cirúrgica em um Hospital Cardiológico de Recife: contribuições para a assistência de enfermagem. Rev. Esc. Enferm. USP. 2012; 46(4): 865-71. Doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000400012

Sá MPBO, Silva DO, Lima ENS, Lima RC, Silva FPV, Rueda FG, et al. Mediastinite no pós-operatório de cirurgia cardiovascular: análise de 1038 cirurgias consecutivas. Rev. bras. cir. cardiovasc. 2010; 25(1): 19-24. Doi: https://doi.org/10.1590/S0102-76382010000100008

Kanasiro PS, Turrini RNT, Poveda VB. Perfil clínico-cirúrgico de pacientes com mediastinite pós-cirurgia cardíaca: estudo transversal retrospectivo. Rev. SOBECC (Online). 2019; 24(3): 139-45. Doi: https://doi.org/10.5327/Z1414-4425201900030005

Silva CE, Repka JCD, Souza CJF, Matias JEF. Efeitos da disfunção renal na cicatrização de anastomoses colônicas: estudo experimental em ratos wistar. ABCD arq. bras. cir. dig. 2018; 31(4): e1398. Doi: https://doi.org/10.1590/0102-672020180001e1398

Choi YJ, Yoon SZ, Joo BJ, Lee JM, Jeon YS, Lim YJ et al. A perda sanguínea excessiva no pós-operatório de cirurgia cardíaca pode ser prevista com o sistema de classificação da Sociedade Internacional de Trombose e Hemostasia (ISTH). Rev. bras. anestesiol. (Online). 2017; 67(5): 508-15. Doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.bjane.2016.12.001

Juliani A, Oliveira CS, Dalla Costa ETT, Dalla Corte LM, Barreto SM, Blackman AO. Mediastinite no pós-operatório de cirurgia cardíaca: uma revisão da literatura. Rev Med Saúde Brasília. 2019; 8(3): 326-37. Disponível em: https://bdtd.ucb.br/index.php/rmsbr/article/view/11284/6696

Pereira, SEM. Fisiologia do envelhecimento. In: Freitas EV, Py L, editores. Tratado de geriatria e gerontologia. 4. Ed. Rio de Janeiro, Guanabara: Koogan; 2016. p. 1342- 59.

Published

2021-04-16

How to Cite

Silva, R. A., Lins, Ághata M. P. D. S., Silveira, M. M. B. M. da, Valença, M. P., Arruda, I. B. de, & Costa, A. M. da. (2021). Fatores de risco para mediastinite em cirurgia de revascularização do miocárdio em hospital de referência / Risk factors for mediastinitis in myocardial revascularization surgery in reference hospital. Brazilian Journal of Development, 7(4), 39837–39851. https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-443

Issue

Section

Original Papers