Educação em saúde: testes rápidos para detecção de infecções sexualmente transmissíveis em voluntários adultos que frequentam uma universidade no meio oeste de Santa Catarina / Health education: quick tests for detection of sexually transmitted infections in adult volunteers who attend a university in the west middle of Santa Catarina

Authors

  • Eduardo Sttocco da Silva Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Emyr Hiago Bellaver
  • Vilmair Zancanaro

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-480

Keywords:

Infecções Sexualmente Transmissíveis. Teste Rápido. Acadêmicos.

Abstract

As Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) são agrupadas em uma série de doenças disseminadas especialmente pelo contato sexual, causadas por vírus, bactérias, fungos e protozoários. A prevenção e a educação em saúde são os melhores meios para evitar o surgimento de novos casos, sendo instrumentos de sensibilização e informação. Os testes rápidos (TRs) para o diagnóstico são de simples execução, com resultados em até trinta minutos. São ensaios imunocromatográficos que detectam antígenos ou anticorpos presentes em amostras biológicas. Assim, o objetivo geral da pesquisa foi promover a educação em saúde, através de TRs para detecção de ISTs como o HIV, Sífilis e Hepatite B em voluntários adultos que frequentaram uma Universidade no meio oeste de Santa Catarina. Foi uma pesquisa quantitativa, realizada em uma Universidade no meio oeste de Santa Catarina envolvendo 27 cursos de graduação nas áreas da saúde, humanas e exatas. A primeira etapa foi a aplicação de um questionário, disponibilizado através da plataforma on-line Google Forms. Após essa primeira coleta de dados, realizou-se uma análise do interesse dos acadêmicos em realizar os testes rápidos e disponibilizou-se os mesmos. No que diz respeito às perguntas, pôde-se perceber o bom conhecimento prévio sobre as ISTs de 383 acadêmicos participantes. 79 acadêmicos participaram da testagem voluntariamente, todos apresentaram resultado não reagente para os testes. O reconhecimento da situação epidemiológica da ocorrência de casos destas infecções é fundamental para os gestores e profissionais da saúde no desenvolver de ações de promoção à saúde e prevenção ou redução da transmissão da doença.

References

ANTONIOLLI, M. A; SANAGIOTTO, L. A. Sífilis adquirida entre pacientes atendidos na Rede Básica de Saúde no município de Chapecó-SC. 6º Congresso Internacional em Saúde. 2019.

BARBOSA, K.F. et al. Fatores associados ao não uso de preservativo e prevalência de HIV, hepatites virais B e C e sífilis: estudo transversal em comunidades rurais de Ouro Preto, Minas Gerais, entre 2014 e 2016. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 28, p. e2018408, 2019.

BARROW, R.Y. et al. Recommendations for Providing Quality Sexually Transmitted Diseases Clinical Services. MMWR Recommendations and Reports, v. 68, n. 5, p. 1, 2020.

BEZERRA, E. O, et al. Análise da vulnerabilidade sexual de estudantes universitários ao HIV/AIDS. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2012.

BRASIL. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis / Ministério da Saúde. 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual Técnico para o Diagnóstico da Infecção pelo HIV em adultos e crianças. Brasília; 2018

CDC. Sexually transmitted disease surveillance 2018. Atlanta: US Department of Health and Human Services, CDC; 2019.

CONEDU, Conselho Nacional de Educação. Doenças sexualmente transmissíveis: a percepção dos alunos da escola estadual Professor Jose Gomes, Patos, Paraíba, Brasil, 2015.

COSTA, R.H.S. et al. Percepção de discentes sobre DST/HPV em uma Escola Pública no Município de Santa Cruz/RN. Revista de Biologia e Farmácia, v. 4, n. 2, 2010.

COSTA, A. C. P. J. et al. Vulnerabilidade de adolescentes escolares às DST/HIV, em Imperatriz - Maranhão. Rev Gaúcha Enferm., v. 34, n. 3, p. 179-186, 2013.

CUNHA, M.P. et al. Análise do conhecimento sobre dsts/aids entre adolescentes em Goiânia, Goiás. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, v. 14, n. 2, p. 650-658, ago./dez. 2016.

DA SILVA, Daila Alena Raenck, et al. Prevalência de sífilis em mulheres. Enfermagem em Foco, 8.3, 2017.

DE LIMA ARRUDA, A. B., et al. Caracterização dos candidatos à doação de sangue com sorologia positiva para HIV. Brazilian Journal of Health Review, 2019.

FEITOSA, P. S. Análise do conhecimento e comportamento de adolescentes escolares frente às IST/HIV/AIDS. Monografia (Graduação em Enfermagem) Universidade Federal do Ceará. 2018.

FRANCISCO, F.S; COLOMBO, T.E. Conhecimento de estudantes universitários em relação ao HIV/AIDS. Biomedicina, 2016, 138.81: 7.

GARBIN, C.A. et al. Percepção de Adolescentes em Relação a Doenças Sexualmente Transmissíveis e Métodos Contraceptivos. Jornal Brasileiro de DST, [s. L.], v. 22, n. 2, p.60-63, set. 2010.

LUPPI, C. G, et al. Fatores associados à coinfecção por HIV em casos de sífilis adquirida notificados em um Centro de Referência de Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids no município de São Paulo em 2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 2018.

MARINHO, F.L; ZAULI, D. Cross-sectional study of patients tested for STIs using molecular methods in Brazil. Sexually Transmitted Infections, 2019.

MELLO, A.M. Acolhimento, Aconselhamento e Orientações Pré e Pós-Teste. Ministério da Saúde. 2018. 17 slides. Disponível em: http://www.aids.gov.br/system/tdf/pub/2016/65618/dia_9_8_-_acolhimento_e_aconselhamento_ana_monica.pdf?file=1&type=node&id=65618&force=1. Acesso em: mar. de 2020.

PACHECO, C.C. Prevenção das DST/Aids e sexualidade: perguntas de adolescentes no município de Maricá/RJ. Enfermagem Brasil, v. 12, n. 4, p. 217-222, 2019.

PETRY, S. et al. Saberes de estudantes de enfermagem sobre a prevenção de Infecções Sexualmente Transmissíveis. Revista Brasileira de Enfermagem, 2019, 72.5: 1145-1152.

ROCHA, K. B. et al. Transversalizando a rede: o matriciamento na descentralização do aconselhamento e teste rápido para HIV, sífilis e hepatites. Saúde em Debate, v. 40, p. 22-33, 2016.

SALES, W. B, et al. Comportamento sexual de risco e conhecimento sobre IST/SIDA em universitários da saúde. Revista de Enfermagem Referência, 2016.

SATTERWHITE, CL. et al. Sexually transmitted infections among US women and men: prevalence and incidence estimates, 2008. Sexually Transmitted Diseases; 40:187–93, 2013.

SILVA, R. Quando a escola opera na conscientização dos jovens adolescentes no combate às DSTs. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 57, p. 221-238, jul./set. 2015.

SILVA, N.E.K. Imaginário social sobre o SUS e vulnerabilidade de homens ao acesso a diagnóstico e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis. RECIIS – Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde. 2016.

SOUZA, L. S. Conhecimentos e práticas de adolescentes acerca das Infecções Sexuais Transmissíveis (ISTs) nas escolas públicas do município de Aracaju/SE. Trabalho de Conclusão de Curso de Farmácia. Universidade Federal de Sergipe. 2018.

VAILATTI, Giulia, et al. Evolução clínica de indivíduos com antígeno de superfície do vírus da hepatite B reagente, atendidos em um laboratório clínico de Caxias do Sul-RS, entre os anos de 2010 a 2015. Rev. bras. anal. clin, 2018.

Published

2021-04-19

How to Cite

da Silva, E. S., Bellaver, E. H., & Zancanaro, V. (2021). Educação em saúde: testes rápidos para detecção de infecções sexualmente transmissíveis em voluntários adultos que frequentam uma universidade no meio oeste de Santa Catarina / Health education: quick tests for detection of sexually transmitted infections in adult volunteers who attend a university in the west middle of Santa Catarina. Brazilian Journal of Development, 7(4), 40392–40406. https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-480

Issue

Section

Original Papers