A Percepção De Mulheres Acerca Da Dor No Parto Normal / Women Perceptions About Pain In Natural Childbirth

Authors

  • Luana de Almeida Jucá Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Rozilaine Redi Lago
  • Maria Fernanda de Sousa Oliveira Borges

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-587

Keywords:

Parto Normal, Dor, Saúde da Mulher.

Abstract

Buscou-se analisar a percepção das mulheres quanto à dor no processo e evolução do trabalho de parto normal na principal maternidade pública do estado do Acre. Trata-se de um estudo do tipo observacional, descritivo, de abordagem qualitativa fenomenológica, envolvendo mulheres primigestas internadas no alojamento conjunto da referida maternidade no período de novembro a dezembro de 2014. Os dados foram coletados utilizando um roteiro norteador de entrevista, semiestruturado, conforme os objetivos propostos no estudo. Complementarmente, foram coletados dados provenientes de observação do ambiente de atendimento, bem como dos prontuários clínicos das participantes da pesquisa. A partir dos relatos das puérperas, foram identificados seis eixos temáticos: “Construção do saber sobre a dor do parto normal mediante orientações no período gestacional”, “Protagonismo da mulher frente à dor no parto normal”, “Orientações sobre métodos não farmacológicos de alívio da dor em sala de parto”, “Sentimentos, percepção e expectativas atribuídas ao parto normal”, “Experiência e recomendação quanto ao parto normal” e “Intensidade e classificação da dor mediante a Escala Analógica Visual (EAV)”. Por se tratar de um fenômeno subjetivo e multidimensional, a dor é considerada um fator relevante no processo de trabalho de parto e parto. O estudo evidenciou a importância de uma ampla rede de apoio neste contexto, envolvendo a assistência pré-natal, o meio sociocultural da mulher, a presença e o preparo do acompanhante, as intervenções não farmacológicas para alívio da dor, a adequação do ambiente e a efetividade das ações da equipe de saúde durante o trabalho de parto.

References

Viana LVM, Ferreira KM, Mesquita MASB. Humanização do parto normal: uma revisão de literatura. Revista Saúde em Foco. 2014; 1(2): 134-148.

Santos FSR, et al. Os significados e sentidos do plano de parto para as mulheres que participaram da Exposição Sentidos do Nascer. Cad. Saúde Pública. 2019; 35(6):e00143718.

Carneiro LMA, Paixão GPN, Sena CD, Sousa AR, Silva RS; Pereira A. Parto Natural X Parto Cirúrgico: percepções de mulheres que vivenciaram os dois momentos. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro. 2015; 5(2):1574-1585.

Velho MB, et al. Parto normal e cesárea: representações sociais de mulheres que os vivenciaram. Revista Brasileira de Enfermagem. 2014; 67: 282-289.

Silva AM, et al. Os benefícios da livre movimentação no parto para alívio da dor. Revista Recien. 2017; 7(20):70-81.

Almeida JM, Acosta LG, Pinhal MG. Conhecimento das puérperas com relação aos métodos não farmacológicos de alívio da dor do parto. REME Rev Min Enferm. 2015; 19(3):711-24.

Angelo PH, Ribeiro KC, Lins LG, Rosendo AM. Sousa VP, Micussi MT. Recursos não farmacológicos: atuação da fisioterapia no trabalho de parto, uma revisão sistemática. Fisioter Bras. 2016; 17(3):285-92.

D’Orsi E, Brüggemann OM, Diniz CSG, Aguiar JM, Gusman CR, Torres JA, et al. Desigualdades sociais e satisfação das mulheres com o atendimento ao parto no Brasil: estudo nacional de base hospitalar. Cad. Saúde Pública. 2014; 30(Suppl 1):S154-68.

Souza AMM, Souza KV, Rezende EM, Martins EF, Campos D, Lansky S. Practices in childbirth care in maternity with inclusion of obstetric nurses in Belo Horizonte, Minas Gerais. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2016; 20(2):324-31.

Franklin JS, Bittar CML. A humanização do parto: Relatos de puérperas que tiveram parto normal em um hospital privado no município de Franca. Investigação. 2015; 14(2):139-148.

Firmino KC, Lima EP, Correia TRL, Silva JCB, Albuquerque NLA. Percepção da mulher frente à dor do Parto. Rev. Ciênc. Plur. 2020; 6(1): 87-101.

Vogt SE, et al. Comparação de modelos de assistência ao parto em hospitais públicos, Rev saúde pública. 2014; 48(2): 304-313.

Reis TR, Zamberlan C, Quadros JS, Grasel JT, Moro ASS. Obstetric nurses: contributions to the objectives of the millennium development goals. Rev gaúch enferm [Internet]. 2015; 36(spe):94-101.

Campos CJG, Turato ER. Análise de conteúdo em pesquisas que utilizam metodologia clínico-qualitativa: Aplicação e perspectivas. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2009; 17(2): 259-264.

Prates LA, et al. Rede de apoio social de puérperas na prática da amamentação. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2015; 19(2):310-315.

Teixeira SVB, Silva CFCS, Silva LR, Rocha CR, Nunes JFS, Spindola T. Vivências no processo de parturição: antagonismo entre o desejo e o medo. Rev Pesqui: Cuid Fundam. 2018; 10(4):1103-10.

Bohren MA, Vogel JP, Hunter EC, et al. The mistreatment of women during childbirth in health facilities globally: a mixed-methods systematic review. PLoS Medicine. 2015; 12(6):1-32.

Mouta RJL, Silva TMA, Melo PTS, Lopes NS, Moreira VA. Plano de parto como estratégia de empoderamento feminino. Rev Baiana Enferm. 2017; 31(4):1-10.

Ribeiro JF, Luz VL, Sousa AS, Silva GLL, Feitosa VC, Sousa MFA. Contribuição do pré-natal para o parto normal na concepção do enfermeiro da estratégia saúde da família. Rev. Interd. 2016; 9(1):161-70.

Lima PVSF, Soares ML, Fróes GDR, Machado JR, Santos SM, Alves ED. Liga de humanização do parto e nascimento da Universidade de Brasília: relato de experiência. Rev Gestão & Saúde. 2015; 6(3):2783-98.

Melquiades JMS. Qualidade do pré-natal no Brasil: contribuições de usuárias entrevistadas pela Ouvidoria do SUS. 2017. 18, ilus, graf, tab f. TCC (Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva) - Instituto Aggeu Magalhães, Recife, 2017.

Viellas EF et al. Assistência pré-natal no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2014; 30 (Sup1): S85-S100.

Leite, MG et al. Sentimentos advindos da maternidade: revelações de um grupo de gestantes. Psicol. estud., Maringá. 2014; 19(1): 115-124.

Dodou HD, et al. A contribuição do acompanhante para a humanização do parto e nascimento: percepções de puérperas. Esc. Anna Nery [online]. 2014; 18(2): 262-269.

Marins RB, Cecagno S, Gonçalves KD, Braga LR, Ribeiro JP, Soares MC. Tecnologias de cuidado para o alívio da dor na parturição. Rev Fun Care Online. 2020; 12:276-281.

Mafetoni RR, Shimo AKK. Non-pharmacological methods for pain relief during labor: integrative review. REME Rev. Min. Enferm. 2014; 18(2):505-20.

Ministério da Saúde. Caderno HumanizaSUS. Humanização do Parto e do Nascimento. (volume 4). Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Oliveira RJT, Copelli FHS, Pestana AL, Santos JLG, Gregório VRP. Condições intervenientes à governança da prática de enfermagem no centro obstétrico. Rev Gaúch Enferm. 2014; 35(1):47-54.

Waldow VR. Cuidado Colaborativo em Instituições de Saúde: A Enfermeira como Integradora. Texto & Contexto Enferm. 2014;23(4):1145-52.

Tostes NA, Seidl EMF. Expectativas de gestantes sobre o parto e suas percepções acerca da preparação para o parto. Temas psicol. 2016; 24(2): 681-693.

Ministério da Saúde. Portaria nº 11, de 7 janeiro de 2015. Redefine as diretrizes para implantação e habilitação de Centro de Parto Normal (CPN), no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), para o atendimento à mulher e ao recém-nascido no momento do parto e do nascimento, em conformidade com o Componente Parto e Nascimento da Rede Cegonha, e dispõe sobre os respectivos incentivos financeiros de investimento, custeio e custeio mensal. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 8 jan. 2015.

Gallo RBS, Santana LS, Marcolin AC, Quintana SM. A bola suiça no alivio da dor de primigestas na fase ativa do trabalho de parto. Rev. dor. 2014; 15(4): 253-255.

Almeida JM, Acosta LG, Pinhal MG. Conhecimento das puérperas com relação aos métodos não farmacológicos de alívio da dor do parto. REME Rev Min Enferm. 2015; 19(3):711-24.

Adams J, Frawley J, Steel A, Broom A, Sibbritt D. Use of pharmacological and non-pharmacological labour pain management techniques and their relationship to maternal and infant birth outcomes: examination of a nationally representative sample of 1835 pregnant women. Midwifery. 2015;31(4):458–63.

Osório SMB, Silva-Júnior LG, Nicolau AIO. Avaliação da efetividade de métodos não-farmacológicos no alívio da dor do parto. Rev Reme. 2014; 15(1):174-84.

Costa et al. Métodos não farmacológicos para alívio da dor: percepção da puérpera. Brazilian Journal of Development. 2020; 6(8): 61090-61103.

Santos ACM, Nascimento CD, Campos TC, Sousa NNAG. Atuação da enfermagem no uso de métodos não farmacológicos para o alívio da dor durante o trabalho de parto. Brazilian Journal of Development. 2021; 7(1): 9505-9515.

Angelo PH, Ribeiro KC, Lins LG, Rosendo AM. Sousa VP, Micussi MT. Recursos não farmacológicos: atuação da fisioterapia no trabalho de parto, uma revisão sistemática. Fisioter Bras. 2016; 17(3):285-92.

Gallo RBS, Santana LS, Marcolin AC, Duarte G, Quintana SM. Sequential application of non-pharmacological interventions reduces the severity of labour pain, delays use of pharmacological analgesia, and improves some obstetric outcomes: a randomised trial. Journal of Physiotherapy. 2018; 64(1):33-40.

Published

2021-04-26

How to Cite

Jucá, L. de A., Lago, R. R., & Borges, M. F. de S. O. (2021). A Percepção De Mulheres Acerca Da Dor No Parto Normal / Women Perceptions About Pain In Natural Childbirth. Brazilian Journal of Development, 7(4), 41956–41975. https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-587

Issue

Section

Original Papers