Análise de Acidentes com Animais Peçonhentos no Estado de Pernambuco/ Analysis of Accidents with Venomous Animals in the State of Pernambuco

Authors

  • Patrícia Maria de Brito França
  • Ana Karoline Farias da Silva
  • Pollyanna Siciliane Tavares Lima
  • Lorenna Evellyn Pereira de Paula
  • Mariana Jéssica de Barros Neto
  • Erika Simone de Albuquerque Prado e Silva
  • Mary Aparecida Dantas
  • Ághata Monike Paula da Silva Lins
  • Angelica Ribeiro do Nascimento Oliveira
  • Gabriela Santos da Silva
  • Myrella de Freitas Lopes

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-614

Keywords:

Animais peçonhentos, Envenenamento, Atendimento.

Abstract

Animais peçonhentos injetam o veneno produzido ou modificado em suas presas através de algum aparato inoculador. Os que mais causam acidentes no Brasil são algumas espécies de serpentes, escorpiões e aranhas, principalmente em áreas rurais e constituem em emergência clínica, principalmente se a vítima for criança. Nestes casos, quanto mais rápida a assistência for dada, menor o risco de sequelas e óbitos. Sendo assim, pretende-se descrever o perfil dos acidentes por animais peçonhentos AAPs no Estado de Pernambuco. Bem como, reconhecer as intervenções imediatas às inoculações de acordo com o tipo de envenenamento. Trata-se de um estudo epidemiológico do tipo quantitativo e descritivo, sobre os AAPs no Estado de Pernambuco, entre 2013 e 2017; os dados foram obtidos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação - SINAN do Ministério da Saúde analisando-se as variáveis tipo (serpente, escorpião e aranha), tempo até do atendimento e a porcentagem de cura. Durante o período foram registrados 896.284 casos de AAPs no Brasil. Em Pernambuco foram 65.766 casos, com uma média de atendimento de 58% nas 3 primeiras horas. Os dados obtidos identificaram para serpentes (3.945 casos) com 86,9 % de cura, escorpiões (50.793 casos) com 90,7 % de cura e aranhas (872 casos) com 90,3% de cura. Dentre as intervenções imediatas às inoculações destacou-se: lavar a região com água e sabão; entrar em contato com o Centro de Assistência Toxicológica e dirigir-se imediatamente ao centro de referência indicado, se possível levando o animal vivo ou morto, para a correta administração do soro específico. Contudo é evidente que o evento possui grande magnitude no Estado de Pernambuco, ocupando a quinta posição nacional, com destaque para os acidentes escorpiônicos, em sua maioria do gênero T.stigmurus, concluindo a necessidade de políticas públicas envolvendo profissionais e comunidade, como alvo de prevenção, diminuição e domínio sobre o assunto.

References

ALMEIDA, C. B. Acidentes por animais peçonhentos no estado do Amapá em 2019. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.6, n.12, p.103538-103350, dec.2020. Disponível em: < https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/22352/17886>. Acesso em: 26 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). SINAN - Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Portal Sinan. Acidentes por Animais Peçonhentos [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2019. Disponível em: <http://portalsinan.saude.gov.br/acidente-por-animais-peconhentos>. Acesso em: 5 de abr. 2021.

CENTRO DE ASSISTÊNCIA TOXICOLÓGICA DE PERNAMBUCO REALIZOU QUASE 5 MIL ATENDIMENTOS EM 2018. Diário de Pernambuco, Recife, 15 de jan. de 2019. Disponível em: <https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/vidaurbana/2019/01/centro-de-assistencia-toxicologica-de-pernambuco-realizou-quase-5-mil.html >. Acesso em: 15 de fev. 2021.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Acidentes por animais peçonhentos [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. Disponível em: <http://portalms.saude.gov.br/saude-dea-z/acidentes-por-animais-peconhentos>. Acesso em: 27 mar. 2021.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico Acidentes de trabalho por animais peçonhentos entre trabalhadores do campo, floresta e águas, Brasil 2007 a 2017 [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2019. Disponível em: < https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/marco/29/2018-059.pdf>. Acesso em: 27 mar. 2021.

OLIVEIRA, H. F. A.; COSTA, C. F.; SASSI, R. Relatos de acidentes por animais peçonhentos e medicina popular em agricultores de Cuité, região do Curimataú, Paraíba, Brasil. Rev. bras. epidemiol. São Paulo. v. 16, n. 3, p. 633-643, Set. 2013. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-790X2013000300633&script=sci_arttext&tlng=pt >. Acesso em 30 mar. 2021. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2013000300008.

SECRETARIA DE SAÚDE DO CEARÁ. Acidentes por Animais Peçonhentos. Nota Técnica 09/07/2019. Publicações da Secretaria de Saúde. p. 1-4, 2019. Disponível em: <https://www.saude.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/9/2018/06/nota_peconhentos_julho_2019.pdf>. Acesso em: 5 mar. 2021.

SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO. Animais peçonhentos é tema de capacitação. Portal Saúde SES/PE. Disponível em: <http://portal.saude.pe.gov.br/noticias/secretaria-executiva-de-atencao-saude/animais-peconhentos-e-tema-de-capacitacao >. Acesso em: 15 mar. 2021.

SILVA, E. X. S. et al. Cuidados de enfermagem no atendimento às vítimas de picadas escorpiônicas na atenção primária à saúde [Internet]. Cogitare enferm, v. 25, ed 67322, 2020. Disponível em: < https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/67322>. Acesso em: 7 mar. 2021.

SILVA, J. H.; GIANSANTE, S.; SILVA, R. C. R.; SILVA, G. B.; SILVA, L. B.; PINHEIRO, L. C. B. Perfil Epidemiológico dos Acidentes com Animais Peçonhentos em Tangará da Serra-MT. Journal Health NPEPS, Brasil (2007-2016). v. 2, SUPL.1, p.5-15, 2017. Disponível em: < https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/1797>>. Acesso em: 27 mar. 2021.

Published

2021-04-27

How to Cite

França, P. M. de B., Silva, A. K. F. da, Lima, P. S. T., Paula, L. E. P. de, Neto, M. J. de B., Silva, E. S. de A. P. e, Dantas, M. A., Lins, Ághata M. P. da S., Oliveira, A. R. do N., Silva, G. S. da, & Lopes, M. de F. (2021). Análise de Acidentes com Animais Peçonhentos no Estado de Pernambuco/ Analysis of Accidents with Venomous Animals in the State of Pernambuco. Brazilian Journal of Development, 7(4), 42322–42331. https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-614

Issue

Section

Original Papers

Similar Articles

You may also start an advanced similarity search for this article.