Análise crítica do apelo “integral” em rótulos de pães e biscoitos industrializados comercializados em Uberlândia, Minas Gerais / Critical analysis of the "whole" word in bread and biscuit labels marketed in Uberlândia, Minas Gerais

Authors

  • Camilla Silva Rabelo
  • Quintiliano Siqueira Schroden Nomelini
  • Grazieli Benedetti Pascoal

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv8n4-178

Keywords:

rotulagem, produtos “integrais”, pães industrializados, biscoitos indutrializados.

Abstract

Rótulos com informações claras e compatíveis ao produto são um direito assegurado pelo Código de Proteção e Defesa do Consumidor que permitem escolhas mais conscientes. Com isso, o objetivo do presente estudo foi avaliar o apelo “integral” em rótulos de pães e biscoitos industrializados, no que diz respeito à forma como o termo foi apresentado nas embalagens e se há coerência com sua composição nutricional. Estudo transversal, ocorrido em Uberlândia (MG), sendo analisados 57 produtos (40 pães e 17 biscoitos), cujas informações foram coletadas através de uma ficha de checagem que continha diversos tópicos sobre o que se esperaria para um produto ser integral. Constatou-se que 5,26% (n=3) dos produtos ditos “integrais” não apresentavam grãos de cereais integrais e/ou farinhas de cereais integrais na lista de ingredientes;  houve diferença significativa na denominação “fonte de fibras” entre os pães e biscoitos analisados; 10% (n=4) dos pães e 47,05% (n=8) dos biscoitos não apresentaram os requisitos para serem classificados como “fonte de fibras”; 8,77% (n=5) dos produtos podiam ser classificados como “rico em fibras”; 87,50% (n=35) dos pães e 82,35% (n=14) dos biscoitos possuíam grãos de cereais integrais e/ou a farinha de cereais integrais como sendo o primeiro item da lista de ingredientes, respectivamente. Foi observado que as indústrias alimentícias usam layout e fontes de letras destacadas para deixar as embalagens mais atraentes, despertando o interesse pela compra. Conclui-se que alguns produtos industrializados sequer apresentavam grãos e/ou farinhas de cereais integrais, indo ao encontro do apelo “integral” apresentado no rótulo.

References

MONTEIRO, C. et al. Diálogos sobre ultraprocessados: Soluções para sistemas alimentares saudáveis e sustentáveis. Nupens, São Paulo, 24 jun. 2021.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de orçamentos familiares 2017- 2018: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil/ IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. - Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

DA CRUZ, G.L. et al. Alimentos ultraprocessados e o consumo de fibras alimentares no Brasil.

Ciência & Saúde Coletiva, v. 26, n. 9, p. 4153–4161, 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos não Transmissíveis no Brasil 2021-2030 [recurso eletrônico] /Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. - Brasília: Ministério da Saúde,2021.

MALTA, D.C. et al. Medidas de austeridade fiscal comprometem metas de controle de doenças não transmissíveis no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, n. 10, p. 3115–3122, 2018.

World Health Organization (WHO). Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases:

report of a Joint WHO/FAO Expert Consultation. Geneva: WHO; 2003.

REGO etal. Biscoitos industrializados: nutrição e indulgência na cultura alimentar.1.ed. São Paulo: BB Editora: Abimapi,2020.

PARISE, T. D. COSER, M. P. Biscoitos integrais: legislação pertinente e percepção do consumidor. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, v. 15, p. e39689, 2020.

SIQUIERI, JP.A. FILBIDO, G.S BACARJI, A.G. Perfil do consumidor de alimentos integrais na cidade de Cuiabá/MT. Revista Principia - Divulgação Científica e Tecnológica do IFPB, v. 1, n. 41, p. 180, 2018.

SCAGLIUSI, F. B. MACHADO, F. M. S. TORRES, E. A. F. S. Marketing aplicado à indústria de alimentos. Nutrire, v. 30, p. 79-95, 2005.

Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. "Integral, só que não". Revista do Idec, Março/Abril 2016. Disponível em: <https://idec.org.br/em-acao/revista/da-para-achar-o- caminho/materia/integral-so-que-no>. Acesso em: 17 jan. 2022.

BRASIL. Resolução RDC nº 493, de 22 de abril de 2021. Dispõe sobre “Os requisitos de composição e rotulagem dos alimentos contendo cereais para classificação e identificação como integral e para destaque da presenta de ingredientes integrais” constante do anexo desta Resolução. Órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

BRASIL. Resolução RDC nº 54, de 12 de novembro de 2012. Dispõe sobre o “Regulamento Técnico sobre Informação Nutricional Complementar.” constante do anexo desta Resolução. Órgão emissor: ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

SILVA, M.B.L. NOMELINI, Q.S.S. PASCOAL, G.B. Rotulagem de Alimentos Infantis à Base de Frutas, Hortaliças e/ou Cereais: uma Análise de Conformidade Frente à Legislação Brasileira. Journal of Health Sciences; 9(1):55-61,2017.

WALPORE, R.E. MYERS, R.H. MYERS, S.L. Ye K. Probabilidade e estatística para engenharia e ciências. São Paulo: Pearson, Prentice Hall; 2009.

LEEMIS, L.M.; TRIVEDI, K.S. A comparison of approximate interval estimators for the bernoulli parameter. The American Statistician. Alexandria, v. 50, n. 1, p. 63-68, Feb.1996.

LEITE, AB. LENQUISTE, S.A. Rotulagem Nutricional de Pães Integrais e Conhecimento dos Consumidores. Colloquium Vitae, v.9, n.Especial, p.150–157, 2017.

NASCIMENTO, M.J. SOUZA, O. A. Avaliação das informações nutricionais ingredientes declarados em rótulos de pães integrais comercializados em supermercados de Belém, Pará. Demetra, v. 13, n. 4, p. 793-817, 2018.

CARVALHO, C.A.R.G. SILVA, L.L.N. OLIVEIRA, I.G. Análise dos rótulos e informações nutricionais de pães integrais. Revista Vita et Sanitas, v.14, n.1, Trindade-GO,2020.

FOSTER, S. et al. Whole grains and consumer understanding: Investigating consumers’ identification, knowledge and atitudes to whole grains. Nutrients Reviews; 12(8):2170, 2020.

VAN DER KAMP, J.W. et al. The HEALTHGRAIN definition of ‘whole grain’. Food & Nutrition Research, v. 58, n. 1, p. 22100, 2014.

COULTATE, T. P. Food: the chemistry of its components. Sixth edition. Cambridge, UK: The Royal Society of Chemistry, 2016.

BRASIL. Decreto-lei 986 de 21 de outubro de 1969. Institui normas básicas sobre alimentos. Diário Oficial da União, 21 out. 1969.

PARISE, T.D. COSER, M.P. Biscoitos integrais: legislação pertinente e percepção do consumidor. Demetra; 15(1): e39689, jan.- mar.2020.

DA SILVA, F.S. et al. Análise de mercado de rótulos alimentícios por consumidores de Goiânia.

DESAFIOS - Revista Interdisciplinar da Universidade Federal do Tocantins, v. 6, n. Especial, p. 71–78, 2019.

LINDEMANN, I.L. et al. Leitura de rótulos alimentares entre usuários da atenção básica e fatores associados. Cadernos Saúde Coletiva, v. 24, n. 4, p. 478–486, 2016.

Published

2022-04-11

How to Cite

Rabelo, C. S., Nomelini, Q. S. S., & Pascoal, G. B. (2022). Análise crítica do apelo “integral” em rótulos de pães e biscoitos industrializados comercializados em Uberlândia, Minas Gerais / Critical analysis of the "whole" word in bread and biscuit labels marketed in Uberlândia, Minas Gerais. Brazilian Journal of Development, 8(4), 25321–25337. https://doi.org/10.34117/bjdv8n4-178

Issue

Section

Original Papers