O perjuro da biopolítica e a vida nua em O caderno rosa de Lori Lamby de Hilda Hilst / The perjury of biopolitics and bare life in the pink notebook of Lori lamby by Hilda Hilst

Authors

  • Débora França Teixeira Werres
  • Diana Carla de Souza Barbosa
  • Luis Eustáquio Soares

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-334

Keywords:

Hilda Hilst, biopoder, estado de exceção, perjuro, transgressão.

Abstract

Este artigo pretende apresentar uma reflexão sobre a obra O caderno rosa de Lori Lamby (1990), de Hilda Hilst, como discurso literário pornográfico-erótico, justamente porque possui uma linguagem literária de transgressão que vai a fundo na sua crítica à falsa moral social. A hipótese a ser levada em consideração está relacionada com o argumento de que a obra pode ser estudada a partir do conceito de biopolítica, de Foucault (2004), tomando os eixos da anátomo-política disciplinar do corpo humano e os controles regulatórios da biopolítica da população. Outros estudiosos serão imprescindíveis, como Walter Benjamin (1994) e Giorgio Agamben (2002). Partindo desse diálogo, pretende-se argumentar que o estado de exceção da modernidade constitui-se por meio do biopoder em um contexto civilizacional em que o dispositivo da sexualidade assumiu uma importância axial. Como literatura de transgressão, relativamente ao liame do estado de exceção do biopoder, uma vez rompido por meio da ficção da blasfêmia, a obra produz um discurso literário perjurado e maldito, no duplo sentido de uma literatura ou de uma poética de perjuro, no seu estilo ou na sua desestruturada estrutura sem censura. Assim, a partir deste artigo, espera-se ampliar os estudos das obras de Hilda Hilst. A metodologia é bibliográfica, abarcando teóricos aqui levantados.

References

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

______. O estado de exceção. Tradução de Iraci D. Poleti. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

______. O sacramento da linguagem: arqueologia do juramento (homo sacer II, 3). Tradução de Selvino José Assmann. Belo Horizonte: UFMG, 2011.

BENJAMIN, Walter. Magia, técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

AZEVEDO FILHO, Deneval Siqueira. Holocausto das fadas: a trilogia obscena e o Carmelo bufólico de Hilda Hilst. São Paulo: Annablume: Edufes, 2002.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. Tradução de Carlos Felipe Moisés e Ana Maria L. Ioriatti. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

CASTELLO Branco, Lucia. O que é erotismo. São Paulo: Brasiliense, 1987.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

______. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

______. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução de Salma Tannus Muchail. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. De lenguaje y literatura: pensamento contemporáneo. In: CRUZ, Manuel (Org). De lenguaje y literatura. Barcelona: Ediciones Paidós, 1996.

______. Ditos e escritos. MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

______. História da sexualidade: a vontade de saber. Volume 1. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J.A. Guilhon Albuquerque. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

______. História da sexualidade: o uso dos prazeres. Volume 2. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

______. História da sexualidade: o cuidado de si. Volume 3. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J.A. Guilhon Albuquerque. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2005.

______. A arqueologia do poder. Tradução de Luiz Felipe Baeta. São Paulo: Vozes, 1972.

______. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Theresa da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal,1999.

______. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. 20. ed. Rio de Janeiro: Graal,2004.

______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

GIACHETTI, Romano. Porno-power: pornografia y sociedad capitalista. Barcelona: Editorial Fontanella, 1978.

HILST, Hilda. O caderno rosa de Lori Lamby. São Paulo: Massao Ohno, 1990.

______. A obscena senhor a D. Alcir Pécora (Org.) São Paulo: Globo, 2001.

______. Cartas de um sedutor. Alcir Pécora (Org.). São Paulo: Globo, 2002.

______. Contos d´escárnio. Textos grotescos. Alcir Pécora (Org.). São Paulo: Globo, 2002.

PÉCORA, Alcir. Por que ler Hilda Hilst. São Paulo: Globo, 2010.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro I. São Paulo: Boitempo, 2017.

QUEIROZ, Vera. Hilda Hilst: três leituras. Florianópolis: Editora Mulheres, 2000.

RIMI, Hussein. Palavras abaixo da cintura, 1991. In: Cristiano Diniz (Org.). Fico besta quando me entendem: entrevistas com Hilda Hilst. Vários autores. 1. ed. 2013. 2ª reimpressão, 2018. São Paulo: Globo, 2013. p. 139-145.

ROSENFELD, Anatol. Hilda Hilst: poeta, narradora, dramaturga. In: HILST, Hilda. Fluxo-Floema. São Paulo: Perspectiva, 1970.

Published

2022-06-24

How to Cite

Werres, D. F. T., Barbosa, D. C. de S., & Soares, L. E. (2022). O perjuro da biopolítica e a vida nua em O caderno rosa de Lori Lamby de Hilda Hilst / The perjury of biopolitics and bare life in the pink notebook of Lori lamby by Hilda Hilst. Brazilian Journal of Development, 8(6), 47828–47844. https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-334

Issue

Section

Original Papers