Perfil epidemiológico dos pacientes acometidos por acidente vascular cerebral: revisão integrativa/ Perfil epidemiológico de pacientes con accidente cerebrovascular: una revisión integradora

Authors

  • Lucas Bezerra dos Santos
  • Camila Waters

DOI:

https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-198

Keywords:

Perfil de Saúde, Acidente Vascular Cerebral, Epidemiologia

Abstract

Objetivo: Identificar, na literatura científica, o perfil epidemiológico dos pacientes acometidos por acidente vascular cerebral (AVC). Método: Revisão integrativa, utilizando os descritores: Perfil de Saúde e Acidente Vascular Cerebral, com artigos originais, completos, publicados em português, entre os anos de 2013 e 2018. Resultados: Encontrados oito artigos, sendo quatro publicados no ano de 2017, sete selecionados na LILACS e sete do tipo transversal descritivo. Seis artigos evidenciaram o sexo masculino como o mais acometido e outros seis citaram que a média de idade variou de 53 a 68,1 anos. Quatro artigos encontraram o isquêmico como o mais incidente e outros quatro citaram que os pacientes apresentam um baixo nível de escolaridade. Hipertensão arterial sistêmica foi apontada em três artigos, dois artigos citaram que a maioria estava no seu primeiro evento de AVC, outros dois artigos mostraram que a maioria dos pacientes era trabalhadores do lar ou aposentados e em outros dois as taxas de mortalidade variaram ente 17,5% a 36,0%. Um artigo apresentou que as pessoas de cor branca são as mais acometidas, outro artigo descreveu o hemisfério esquerdo como o mais afetado, um outro artigo citou que os pacientes permaneceram internados por uma média de 12,4 dias e um outro artigo descreveu a infecção do trato urinário e a pneumonia como complicações clínicas dos pacientes após o AVC. Conclusão: Com base nos dados epidemiológicos encontrados, conclui-se que a incidência do AVC depende de diversos fatores, e o perfil encontrado neste estudo condiz com a literatura disponível a respeito.

References

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada. Manual de rotinas para atenção ao AVC / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2013 [citado 08 nov. 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_rotinas_para_atencao_avc.pdf

World Health Organization. (WHO). The top 10 causes of death. [Internet] Geneva; 2018a [citado 18 nov. 2018]. Disponível em: http://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/the-top-10-causes-of-death

World Health Organization. (WHO). Health statistics and information systems – Projections of mortality and causes of death, 2015 and 2030. [Internet]. Geneva; 2018b [citado 18 nov. 2018]. Disponível em: http:// www.who.int/healthinfo/global_burden_disease/projections/en

Ministério da Saúde (BR). DATASUS Informações de Saúde – TABNET. Indicadores de saúde. Indicadores e dados básicos - Brasil 2011. Indicadores de mortalidade; 2010 [citado 08 nov. 2018]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?idb2011/c08.def.

Ministério da Saúde (BR). DATASUS Informações de Saúde – TABNET. Assistência à saúde. Morbidade Hospitalar do SUS; 2012 [citado 08 nov. 2018]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sih/cnv/niuf.def.

Organização Mundial da Saúde. Manual STEPS de Acidentes Vasculares Cerebrais da OMS: enfoque passo a passo para a vigilância de acidentes vasculares cerebrais. Organização Mundial da Saúde: Genebra; 2006. Genebra; 2006 [citado 08 nov. 2018]. Disponível em: http://www1.paho.org/portuguese/ad/dpc/nc/steps-stroke.pdf.

Lima ACMACC, Silva AL, Guerra DR, Barbosa IV, Bezerra KC, Oriá MOB. Diagnósticos de enfermagem em pacientes com acidente vascular cerebral: revisão integrativa. Rev Bras Enferm. 2016;69(4):738-45.

Chaves ML. Acidente vascular encefálico: conceituação e fatores de risco. Rev Bras Hipertens. 2000;7(4):372-82.

Castro JA, Epstein MG, Sabino GB, Nogueira GL, Blankenburg C, Staszko KF, et al. Estudo dos principais fatores de risco para acidente vascular encefálico. Rev Soc Bras Clin Med. 2009;7(3):171-3.

Botelho T, Neto C, Araujo F, Assis S. Epidemiologia do acidente vascular cerebral no Brasil. Volume 16, Número 2 ISSN 2447-2131 João Pessoa, 2016.

Gagliardi RJ, Raffin CN, Fábio SRC. Tratamento da Fase Aguda do Acidente Vascular Cerebral. Projeto Diretrizes Associação Médica Brasileira (AMB) e Conselho Federal de Medicina (CFM). São Paulo: AMB/CFM, 2001. Disponível em: https://diretrizes.amb.org.br/_BibliotecaAntiga/tratamento-da-fase-aguda-do-acidente-vascular-cerebral.pdf

Ministério da Saúde (BR). Portaria n° 664, de 12 de abril de 2012. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas: Trombólise no Acidente Vascular Cerebral Isquêmico Agudo. ISSN 1677-7042. [citado 08 jan. 2018]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/ pdf/pcdt_trombolise_avc_isq_agudo.pdf.

Monteiro KS, Souza CG, Franco CIF, Moura JV. Caracterização funcional de indivíduos acometidos por Acidente Vascular Encefálico assistidos em uma Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2013; 17(3):269-274.

Oliveira FPT, Santos GS, Silva LS. A percepção do paciente sobre sua permanência na unidade de terapia intensiva. Nursing (São Paulo). 2003; 6 (60): 37-42.

Damata SR, Formiga LM, Araújo AK, Oliveira EA, Oliveira AK, Formiga RC. Perfil epidemiológico dos idosos acometidos por acidente vascular cerebral. Rev. Interd. 2016;9(1):107-17.

Oliveira A, Araujo T, Costa A, Morais H, Silva V, Lopes M. Avaliação de pacientes com acidente vascular cerebral acompanhados por programas de assistência domiciliaria. Rev. esc. enferm. USP. 2013;47(5):1143-1149.

Crossetti MGO. Revisão integrativa de pesquisa na enfermagem o rigor cientifico que lhe é exigido [editorial]. Rev Gaúcha Enferm., Porto Alegre (RS) 2012 jun;33(2):8-9.

Gagliardi RJ. Acidente Vascular Cerebral ou Acidente Vascular Encefálico? Qual a melhor nomenclatura? Rev Neurociênc 2010;18(2):131-132.

Lima SM, Maldonade I. Avaliação da linguagem de pacientes no leito hospitalar depois do Acidente Vascular Cerebral. Distúrbios da Comunicação, [S.l.], v. 28, n. 4, jan. 2016. ISSN 2176-2724. [citado 21 nov. 2018]. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/dic/article/view/27555.

Santana MTM, Chun RYS. Linguagem e funcionalidade de adultos pós-Acidente Vascular Encefálico (AVE): avaliação baseada na Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). CoDAS, São Paulo, v. 29, n. 1, e20150284, 2017. [citado 21 nov. 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-17822017000100306&lng=pt&nrm=iso.

Sarmento SDG et al. Perfil das vítimas de afecções neurológicas atendidas por um serviço pré-hospitalar móvel de urgência. Cogitare Enfermagem, [S.l.], v. 22, n. 2, maio 2017. [citado 21 nov. 2018]. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/49698.

Mourão AL et al. Perfil dos pacientes com diagnóstico de AVC atendidos em um hospital de Minas Gerais credenciado na linha de cuidados. Revista Brasileira de Neurologia, [S.l.], v. 53, n. 4, dez. 2017. [citado 21 nov. 2018]. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rbn/article/view/14634.

Leite HR, Nunes APN, Correa CL. Perfil epidemiológico dos pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico atendidos em um hospital Fisiot. Pesq., São Paulo, v. 16, n. 1, p. 34-39, mar. 2017. [citado 21 nov. 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-29502009000100007&lng=en&nrm=iso

Nunes ACB et al. “Re” conhecimento dos pacientes com acidente vascular cerebral por meio de um programa de educação tutorial. Revista Médica de Minas Gerais 2014; 24 (Supl 1): S57-S63.

Rodrigues IT, Leal MG. Tradução portuguesa e análise de aspectos psicométricos da escala "Stroke and Aphasia Quality of Life Scale-39 (SAQOL-39)". Audiol., Commun. Res., São Paulo, v. 18, n. 4, p. 339-344, Dec. 2013. [citado 21 nov. 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-64312013000400016&lng=en&nrm=iso.

Theme Filha MM et al. Prevalência de doenças crônicas não transmissíveis e associação com autoavaliação de saúde: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev. bras. epidemiol., São Paulo, v. 18, supl. 2, p. 83-96, Dec. 2015. [citado 21 nov. 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000600083&lng=en&nrm=iso.

Canuto MA, Nogueira LT. Acidente vascular cerebral e qualidade de vida: uma revisão integrativa. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, [S.l.], v. 7, n. 2, p. 2561-2568, apr. 2015. ISSN 2175-5361. [citado 14 jan. 2019] Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3928

– Rolim CLRC, Martins M. Qualidade do cuidado ao acidente vascular cerebral isquêmico no SUS. Cad. Saúde Pública. 2011; 27(11):2106-2116.

Moro A, Bertotti MM, Albino PHC, Bresciani AP, Oliveira MV, Martins GL. Perfil dos pacientes acometidos com Acidente Vascular Cerebral Isquêmico hospitalizados no Hospital Governador Celso Ramos. Arq. Catarin. Med. 2013 jan-mar; 42(1): 63-67

Nitrini R, Bacheschi LA. A neurologia que todo médico deve saber. São Paulo: Editora Atheneu, 2003. 185 p.

National Institute of Neurological Disorders and Stroke – National Institutes of health. Accidente cerebrovascular: Esperanza en la investigación. 2010 [citado 28 jan. 2019] Disponível em: https://espanol.ninds.nih.gov/trastornos/accidente_cerebrovascular.htm#Women

Brasil. Ministério da Saúde. Estatuto do Idoso / Ministério da Saúde. – 2. ed. rev. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. 70 p. – (Série E. Legislação de Saúde)

Costa VSP, Guimarães PSR, Fernandes KBP, Probst VS, Marques AS, Fujisawa DS. Prevalência de fatores de risco para ocorrência de acidente vascular encefálico em idosos. Fisioter mov [periódico na internet]. 2014 [acesso em 2019 jan. 18];7(4):555-63. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_pdf&pid=S0103-51502014000400555&lng =en&nrm=iso&tlng=en

Quadrante ACR. Doenças crônicas e o envelhecimento. Portal do envelhecimento – sua rede de comunicação e solidariedade. 2005 [citado 30 jan. 2019]. Disponível em: http://www.portaldoenvelhecimento.com/acervo/artieop/Geral/artigo250.htm.

Goldman L, Ausiello D. Approach to cerebrovascular diseases. In: Goldman: Cecil medicine. 23rd Ed. Phyladelphia: Saunders; 2007. p. 2701-08.

Saposnik G, Hill M, O’Donnell M, Fang J, Hachinski V, Kapral MK. Variables associated with 7-day, 30-day, and 1-year; fatality after ischemic stroke. Stroke 2008; 39:2318-24.

Pires SL, Gagliardi RJ, Gorzoni ML. Estudo das frequências dos principais fatores de risco para acidente vascular cerebral isquêmico em idosos. Arq Neuropsiquiatr 2004;62(3-B):844-851.

Brasil. Portal Brasil. Em nove anos, aumenta escolaridade e acesso ao Ensino superior. 2014 [citado 14 jan. 2019] Disponível em: www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2014/12/em-nove-anos-aumenta-escolaridade-e-acesso-ao-ensino-superior

Pilger C, Menon MH, Mathias TAF. Características sociodemográficas e de saúde de idosos: contribuições para os serviços de saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem set.-out. 2011;19(5).

Varela FRA, Cinonelli RM, Campolina AG, Soarez PC. Avaliação de qualidade de vida em idosos frágeis em Campinas, SP. Rev Assoc Med Bras. 2015;61(5:423-430).

Ovbiagele B, Goldstein LB, Higashida RT Howard VJ Johnston SC, Khvjou AO et al. Forecasting the future of stroke in the United States: a policy statement from the American Heart Association and American Stroke Association. Stroke. 2013; 44(8):2361-2375.

Silva IFG, Neves CFS, Vilela ACG, Bastos LMD, Henriques MILS. Viver e Cuidar Após o Acidente Vascular Cerebral. Revista de Enfermagem Referência - IV - n.° 8 – 2016

Cerveira JA. Independência funcional nos pacientes com AVC: Determinantes sociodemográficas e clínicas (Dissertação de mestrado). 2011. [citado 01 fev. 2019]. Disponível em: http://repositorio.ipv.pt/bitstream/10400.19/1616/1/CERVEIRA%20Joel%20Andrade%20Dissertação.pdf

Pinto EM. Independência funcional e regresso ao domicílio: Variável chave para a enfermagem de reabilitação (Dissertação de mestrado). 2011. [citado 01 fev. 2019]. Disponível em: http://repositorio.ipv.pt/bitstream/10400.19/1617/1/PINTO%20Elsa%20Maria%20Esteves%20Monteiro%20Independência%20Funcional%20e%20Regresso%20ao%20Domicilio.pdf

Huang ZS, Chiang TL, Lee TK. Stroke prevalence in Taiwan: findings from the 1994 National Health Interview Survey. Stroke 1997; 28:1579-84.

Giles MF, Rothwell PM. Measuring the prevalence of stroke. Neuroepidemiology 2008; 30:205-6.

Boden-Albala B, Sacco RL. The stroke prone individual. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo 1999;9(4):501-8.

Wolf PA, D'agostino RB, Belanger AJ, Kannel WB. Probability of stroke: a risk profile from the Framingham study. Stroke, 1991; 22: 312-318

Fujii K, Sadoshima S, Okada Y et al. Cerebral blood flow and metabolism in normotensive and hypertensive patients with transient neurologic deficits. Stroke, 1990; 21: 283-290.

Brito ES, Pantarotto RFR, Costa LRLG. A hipertensão arterial sistêmica como fator de risco ao acidente vascular encefálico (AVE). J Health Sci Inst. 2011;29(4):265-8.

Gagliardi RJ. Hipertensão arterial e AVC. Rev ComCiência No.109. Campinas, 2009. [citado 31 jan. 2019]. Disponível em: http://comciencia.scielo.br/pdf/cci/n109/a18n109.pdf

Melo-Souza S. Tratado de doenças neurológicas. In: Gagliardi RJ. Prevenção das doenças cerebrovasculares. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000. P 90-2.

World Health Organization. (WHO). The atlas oh heart disease and stroke. Geneva: Myriad Editions Limited. 2004.

O’Donnell MJ, Xavier D, Liu L, Zhang H, Chin SL, Rao-Melacini P, et al. Risk factors for ischaemic and intracerebral haemorrhagic stroke in 22 countries (The interstroke study): a case-control study. Lancet. 2010; 376(9735):112-123.

Humphries SE, Morgan L. Genetic risk factors for stroke and carotid atherosclerosis: insights into pathophysiology from candidate gene approaches. Lancet Neurol; 2004 3:227–36

Kanso S, Romero DE, Leite IC, Marques A. A evitabilidade de óbitos entre idosos em São Paulo, Brasil: análise das principais causas de morte. Cad. Saúde Pública. 2013;29(4):735-748.

Moreira RP, Araújo TL, Cavalcante TF, Guedes NIG, Lopes MVO, Costa ACS, et al. Acidente vascular cerebral: perfil de indicadores de risco. Rev. Rene Fortaleza. 2010;11(2):121-8.

Scheffel RS, Bortolanza D, Weber CS et al. Prevalência de complicações micro e macrovasculares e de seus fatores de risco em pacientes com diabetes melito do tipo 2 em atendimento ambulatorial. Rev Assoc Med Bras 2004; 50(3): 263-7

Wang XG, Zhang LQ, Liao XL, Pan YS, Shi YZ, Wang CJ, Wang YL, Liu LP, Zhao XQ, Wang YJ, Li D, Wang CX. Thrombolysis Implementation and Monitoring of acute ischemic Stroke in China (TIMS-China) Investigators. Unfavorable outcome of thrombolysis in Chinese patients with cardioembolic stroke: a prospective cohort study. CNS Neurosci Ther. 2015; 21(8):657-61.

Marini C, Santis F, Sacco S, Russo T, Olivieri L, Totaro R, et al. Contribution of atrial fibrillation to incidence and outcome of ischemic stroke: results from a population-based study. Stroke 2005;36:1115-1119.

Chaves MLF, Finkelsztejn A, Stefani MA et al. AVC isquêmico. In Rotinas em Neurologia e neurocirurgia. Porto Alegre: Artmed; 2008. P97-111.

Sacco RL, Adams R, Albers G, et al. Guidelines for prevention of stroke in patients with ischemic stroke or transient ischemic attack: a statement from the AHA/ASASC. Stroke 2006;37:577-617.

Goulart BNG, Almeida CPB, Silva MW, Oenning NSX, Lagni VB. Caracterização de acidente vascular cerebral com enfoque em distúrbios da comunicação oral em pacientes de um hospital regional. Audiol Commun Res. 2016;21:e1603

Ribeiro AL, Duncan BB, Brant LC, Lotufo PA, Mill JG, Barreto SM. Cardiovascular health in Brazil: trends and perspectives. Circulation. 2016;133(4):422-33.

Araújo PJ, Darcis JVV, Tomas ACV, Mello WA. Tendência da Mortalidade por Acidente Vascular Cerebral no Município de Maringá, Paraná entre os Anos de 2005 a 2015. Int J Cardiovasc Sci. 2018;31(1)56-62.

Cabral NL, Longo A, Moro CHC, Amaral CH, Kiss, HC. Epidemiologia dos acidentes cerebrovasculares em Joinville, Brasil: estudo institucional. Arq Neuropsiquiatr 1997;55:357-363.

Johnston KC, Li JY, Lyden PD, et al. Medical and neurological complications of ischemic stroke experience from the RANTTAS trial: RANTTAS investigators. Stroke 1998;29:447-453.

Radanovic M. Características do atendimento de pacientes com acidente vascular cerebral em hospital secundário. Arq. Neuro-Psiquiatr., São Paulo , v. 58, n. 1, p. 99-106, Mar. 2000. [citado 01 fev. 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-282X2000000100015&lng=en&nrm=iso

Lotufo PA. Stroke in Brazil: a neglected disease. Sao Paulo Med J. 2005;123(1):3-4.

Neal B, MacMahon S, Chapman N. Blood Pressure Lowering Treatment Trialists’ Collaboration. Effects of ACE inhibitors, calcium antagonists, and other blood-pressure-lowering drugs: results of prospectively designed overviews of randomized trials. Blood Pressure Lowering Treatment Trialists’ Collaboration. Lancet 2000;356:1955-64.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde; 2006. [citado 29 jan. 2019]; Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_basica15.pdf

Voos MC, Ribeiro LEV. Estudo comparativo entre a relação do hemisfério acometido no acidente vascular encefálico e a evolução funcional em indivíduos destros. Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 12, n. 2, p. 113-20, mar./abr. 2008

Costa FA , Silva DLA , Rocha VM. Estado neurológico e cognição de pacientes pós-acidente vascular cerebral. Rev Esc Enferm USP 2011; 45(5):1083-8

Melo LS, Emerick LMS, Alves PNM, Rocha TB, Goveia VR, Guimarães GL, Mendoza IY. Acidente vascular cerebral: achados clínicos e principais complicações. Rev. Aten. Saúde, São Caetano do Sul, v. 14, n. 48, p. 48-53, abr./jun., 2016

Assunção RS. O Agente Comunitário de Saúde e sua prática no Programa de Saúde da Família no município de Divinópolis – MG. 2003. 167f. Dissertação (Mestrado da Escola de Enfermagem) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Ferreira M, Marques A, Silva N, Evaristo J, Barbosa A. Protocolo clínico de prevenção secundária após acidente vascular cerebral. IPSEMG. 2017 [citado 01 fev. 2019]. Disponível em: http://www.ipsemg.mg.gov.br/ipsemg/ecp/files.do?evento=download&urlArqPlc=ptc_neuro_-_002_prevencao_secundaria_apos_acidente_vascular_cerebral_1.pdf

Aslanyan S, Weir CJ, Diener HC, Kaste M, Lees KR. Pneumonia and urinary tract infection after acute ischaemic stroke: A tertiary analysis of the GAIN International trial. Eur J Neurol. 2004;11(1):49- 53.

Moreno CL, Salinas MP, Pappalardo FR, Rodríguez LL. Prevención de úlceras por presión y lesiones musculoesqueléticas: paciente con ictus. Gerokomos. 2012 [citado 29 jan. 2019]; Disponível em: http://scielo.isciii.es/pdf/geroko/v23n1/helcos3.pdf

Westendorp WF, Nederkoorn PJ, Vermeij J, Dijkgraaf MG, Beek DV. Post-stroke infection: A systematic review and meta-analysis. BMC neurol online [serial online]. 2011 [citado 18 jan. 2019]; Disponível em: http://www. biomedcentral.com/content/pdf/1471-2377-11-110.pdf

Moreira T, Grujic J, Michel P. Early mobilization out of bed after ischaemic stroke reduces severe complications bub not cerebral blood flow: a randomized controlled pilot trial. Clin rehabi. 2012 [citado 28 jan. 2019]; Disponível em: http://web.b.ebscohost.com/ehost/pdfviewer/ pdfviewer?vid=3&sid=fb43d694-dfdd-4224-89cf -d0def7e6a12b%40sessionmgr111&hid=113

Ersoz M, Ulusoy H, Oktar MA, Akyuz M. Urinary tract infection and bacteriurua in stroke patients: frequencies, pathogen microorganisms, and risk factors. Am J Phys Med Rehabil. 2007;86(9):734-741.

Carnesoltas LS, Valdés MAS, Lazo OR. Factores de riesgo y mortalidad por neumonía intrahospitalaria em la Unidad de Terapia Intensiva de Ictus. Medwave. 2013 [citado 01 fev. 2019]. Disponível em: http://www.medwave.cl/medios/medwave/PDFinvestigacion/Marzo2013/medwave.2013.02.5637.pdf

Yeh SJ, Huang KY, Wang TG, et al. Dysphagia screening decreases pneumonia in acute stroke patients admitted to the stroke intensive care unit. J Neurol Sci. 2011;306(1- 2):38-41.

Sellars C, Bowie L, Bagg J, et al. Risk factors for chest infection in acute stroke: A prospective cohort study. Stroke. 2007;38(8):2284- 2291.

Perry L, Love CP. Screening for dysphagia and aspiration in acute stroke: A systematic review. Dysphagia. 2001;16(1):7-18.

Foley N, Salter K, Teasell R. Specialized stroke services: a meta-analysis comparing three models of care. Cerebrovasc Dis. 2007;23:194-202.

Paulo RB, Guimarães TM, Helito PVP, Marchiori PE, Yamamoro FI, Mansur LL, et al. Acidente vascular cerebral isquêmico em uma enfermaria de neurologia: complicações e tempo de internação. Rev Assoc Med Bras. 2009 [citado 29 jan. 2019]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ramb/v55n3/v55n3a25.pdf.

Published

2020-01-17

How to Cite

Santos, L. B. dos, & Waters, C. (2020). Perfil epidemiológico dos pacientes acometidos por acidente vascular cerebral: revisão integrativa/ Perfil epidemiológico de pacientes con accidente cerebrovascular: una revisión integradora. Brazilian Journal of Development, 6(1), 2749–2775. https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-198

Issue

Section

Original Papers